Haverá Remédio?

Das quezílias parlamentares em torno da (im)parcialidade de Ferros Rodrigues ao vocabulário usado nas disputas entre o anterior e o actual PM, pasando por dezenas de armas desaparecidas dos armazéns da polícia, juízes envolvidos em actividades suspeitas, antigos presidentes da República a publicar memórias a rondar a mesquinhez (tentando limpar-se da culpa de uma cumplicidade longa com a degradação socrática), o país resvalou de novo para um patamar a lembrar o pior de alguma América Latina em que do Estado se perdeu o sentido e os actores políticos são de uma mediocridade confrangedora, apenas se destacando pela forma oportunista como se agarram a  todo e qualquer poder.

E o actual PR na sua permanente agitação vai perdendo qualquer gravitas que lhe permita elevar-se acima dos que se acham mais do que seus pares.

É bom que se perceba que tudo isto atinge a maior parte das principais figuras, presentes e passadas, da República, bem como das suas instituições (justiça, segurança pública). A vida política e pública torna-se um circo sem graça, um lamaçal imenso onde chafurdam bácoros em busca dos restos do banquete. E que é assim que se alimenta o crescimento de trumpes e lepénes.

lodo

Os Dez Mil Milhões

Mas qual é o espanto? Não foi para isso que as cardonas&varas foram nomeados ao longo das décadas? E o tipo das declarações não deveria tapar tudo a contento em nome da opacidade geral? E o que está não vai resolver tudo aumentando as taxas sobre os que nada fizeram para este estado de coisas. Tivessem sido mais prudentes e nem saberíamos de nada, pois não teria sido necessário calar a polémica com uma bigorna. O engraçado é que até poderia ter o efeito contrário. Só que este tipo de leaks, quando é coisa séria, tende a ver o seu exclusivo comprado por um semanário de referência e, depois do “tratamento jornalístico”, o sumo desaparece quase todo ou vai dar ao sócrates&salgado.

money-bag

O Cansaço

É o maior inimigo do discernimento. Da lucidez. Da capacidade de decidir de forma rápida, justa, ponderada.

Os imbecis que têm governado a nossa Educação (de forma directa ou com fios) parece que discordam ou então pensam que o quotidiano alheio é igual ao seu, de condutor ao peito e secretária prestimosa sempre à distância de um toque.

Mas lá que têm poupado tostões, não há dúvidas… sempre podem sair do país aos 10 mil milhões para offshores e o berbigão que as pague.

Pareço repetitivo? Há boas razões para isso, porque eles não deslargam.

cansaco-mental

Ainda a Propósito dos Trolhas Socráticos

A peça do Observador é muito completa acerca das desavenças do blogue Câmara Corporativa (e seus afins, como o Simplex) com o pessoal do PSD e CDS, mas deixa de fora muito do que se passou com quem não era notável ou desses quadrantes. Já disse que não serei dos mais atingidos, mas teria sido interessante ver-se o que foi escrito em 2008-2009 em defesa da política de Educação de Sócrates/Maria de Lurdes Rodrigues e contra os professores, em geral, porque terá sido nessa altura que se percebeu bastante bem como havia informação privilegiada a circular por aquelas paragens.

Mas, mais importante do que isso, é de destacar que há ainda por aí muita gente que na altura teve conhecimento directo (ou no mínimo, indirecto) do trabalho sujo que era feito e nem por isso deixou de manter-se na ribalta política (há, no mínimo, um actual ministro que dificilmente não estaria por dentro do que se passava), apareça a dar bitaites sobre a vida política (ocorre-me o caso emblemático do “avô cantigas” que ainda há dias deu uma entrevista a lamentar-se dos alunos universitários) ou ainda se afirme “jornalista”, como a favorita do engenheiro, que ainda é capaz de se armar em paladina do grande jornalismo e vítima de cabalas imensas, quando se afirma que estava bem a par de quem fazia aquilo.

Não é coincidência que o seu abrigo natural (e de outros) seja agora o veículo privilegiado da Situação para divulgar as suas iniciativas.

Vergonha? Nenhuma.

Arrependimento? menos que zero, pois fariam novamente o mesmo, se é que não o fazem de outra forma menos pública.

Alcatrao2