Não-Cidadãos

De acordo com uma série de criaturas falantes e teoricamente pensantes, há cerca de pelo menos 30-35% de eleitores que não interessam a ninguém, ou seja, todos aqueles que votaram Bloco, CDU e PS, na esperança que este partido trouxesse uma mudança ao governo do país e pudesse liderar uma solução política alternativa à existente.

Para eles, interessam mesmo é os 30-35% do núcleo duro da coligação governamental, que segue acriticamente a cartilha dos “credores”, dos “mercados” e do modelo único de governação que se pretende impor – qual “comunismo branco” de que falava um jovem Paulo Portas nas páginas do Independente – a partir de Berlim, Bruxelas e Estrasburgo.

Para alguns, a democracia só vale de acordo com as suas regras, que mudam a cada momento pré ou pós-eleitoral. E retorcem a representatividade democrática parlamentar à sua maneira. Os eleitores não elegem deputados mas primeiros-ministros. Querem, nos dias ímpares, círculos uninominais e proximidade entre eleitos e eleitores, mas nos dias pares dizem que em todos os círculos eleitorais se votou Costa ou Passos.

São intelectualmente desonestos e politicamente abjectos. Mesmo sendo pessoas muito importantes na nossa fogueira muito particular de vaidades, em que um marquesmendes faz de pitonisa generosamente avençada, sem que o confrontem com o seu desastroso passado como líder partidário ou o seu currículo de consistente aparelhismo desde o tempo em que quase ainda exibia cueiros.

Para esta camarilha, que rodeia a gamela com os cotovelos bem espetados, quem desalinha do seu “pensamento” é “radical” e “irresponsável”. Não sei mesmo se lá no fundo não pensarão que, estando fora do arco da governabilidade nas suas opções, a essa gente perigosa que faz escolhas “irresponsáveis” e representa um “perigo” para a “boa” sociedade não deveria ser recusado o direito de voto, pela sua notória inutilidade.
Classesperigosas

3 thoughts on “Não-Cidadãos

  1. É curioso, muito curioso mesmo, o argumento daqueles que – quando ganha a facção das suas simpatias – reclamam respeito pela vontade popular, enaltecem a “sabedoria do povo”, mas que não reconhecem a quem votou nas outras opções igual legitimidade ou estatuto. Há um povo, votantes, de primeira e outros de segunda.

    Quem não votou PAF (i.e., referendou afirmativamente PC para PM), não merece crédito nem representatividade. Se pertence então à esquerdalhada, é irresponsável, radical ou inconsciente. Fique a ladrar na oposição que a caravana da gente séria – aquela de que os mercados tanto gostam… – quer passar.

Deixe uma Resposta para farpas Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.