O Espada

Será só a mim que os artigos do J. C. Espada no Público parecem umas introduções chatas a aulas de Introdução à Política do antigo 9º ano, depois do professor marxista da segunda metade dos anos 70 se ter tornado um fervoroso cristão-novo liberal e passado a achar que o máximo da rebeldia é usar uma borboleta ao pescoço?

JCE

2 opiniões sobre “O Espada

  1. Confesso que já há bastante tempo que perdi a pachorra para ler o Espada. Se fosse candidato a uma “universidade de Verão” para jotinhas totós, ainda talvez..

    Decididamente, não gosto de discursos beatos, de gente que só consegue abraçar credos inteiros.
    E o Espada, nos seus escritos (e até nos seus tiques…), revela o mecanismo freudiano da “projecção” que lhe assiste: os sentimentos próprios políticos e morais indesejáveis (basicamente dogmáticos) são atribuídos – por simetria – aos outros, os “marxistas” e “esquerdistas”. Projecta nos outros aquilo que foi e, no fundo é, mas não consegue ou quer reconhecer.
    As suas análises raramente se alcandoram para além de um indigente maniqueísmo.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.