Premonições

Há quem diga que se as eleições fossem hoje teriam outros resultados. Acredito, hoje é 2ª feira e não domingo e a malta à 2ª feira costuma trabalhar – os que têm emprego – e sair de casa mais mal disposta.

E agora que já tivemos o nosso momento conversa da treta podemos evitar os malucos do riso?

Bla-Bla-Bla

Bush/Gore

O ambiente está estupidamente tóxico nas televisões, redes sociais e blogues com as prospectivas pós-eleitorais. Pessoas normalmente inteligentes, mesmo algumas com que discordo quase sempre, abdicaram de qualquer pretensão de razoabilidade ou mesmo coerência nas suas posições, apontando apenas os torcicolos alheios. É ver apóstolos da tolerância a berrar maiúsculas e exclamações intolerantes e gente que prega o amor ao próximo a ofender a torto e a torto.

Vou aqui chamar só a atenção para uma incoerência curiosa dos apoiantes da PAF ao poder, com base na vitória eleitoral, apesar da minoria em mandatos parlamentares da direita perante a esquerda.

Em 2000, a maioria destas pessoas apoiaram a eleição do Dabliu Bush que tinha menos votos populares (Gore obteve mais de meio milhão de votos do que ele), embora mais cinco mandatos no Colégio Eleitoral (271-266). E nem é bom falar na forma como apoiaram a judicialização das eleições da Florida, embora por cá sejam contra o Tribunal Constitucional e ele nem se meteu nos resultados eleitorais-

Nesse caso, a lógica que aplicaram é exactamente a inversa da que agora adoptam. E isso, quer queiram, quer não, tira um bocadito de credibilidade a posições que se pretendem afirmar moralmente mais justas.

Frade