Turmas de Nível

Pequeno depoimento sobre este assunto para revista Professor+ da Staples (sim… eu sei… não me deram nada em material).

comboios

Não sou contrário à existência de turmas de nível temporárias no Ensino Básico, quando se destinam a resolver problemas específicos de aprendizagem de determinados conteúdos ou a ultrapassar situações particulares de alunos que, por doença ou outro motivo, perderam um período substancial de aulas. Acho pouco aceitável que isso aconteça no Ensino Secundário.

Mas essas turmas temporárias devem ser constituídas de modo que não se tonem guetos educacionais, para onde vão alunos problemáticos, quantas vezes mais por questões disciplinares do que pedagógicas. Um pouco como se está a preparar com a generalização dos cursos vocacionais que, em vez de serem uma alternativa excepcional, são a forma cómoda de lidar com o problema do insucesso.

De qualquer modo, as turmas de nível no ensino dito ”regular” reduzem muito uma das estratégias mais positivas de trabalho que é a de colocar alunos com diferentes perfis de aprendizagem a trabalhar em conjunto e, em diversas disciplinas, a desenvolver metodologias de trabalho cooperativo. E aumentam muito as desigualdades de desempenho num sistema educativo que não deve ser forçosamente igualitário mas que também não é aconselhável que despreze por completo a diversidade e a diferença na sala de aula.

Grande Jornalismo

27 de Setembro de 2015:

(…)  se 2015 terminasse agora, a sobretaxa de IRS ficaria nos 2,3% em vez dos 3,5% atualmente em vigor. O mesmo é dizer que seriam devolvidos 266 milhões de euros aos contribuintes, o que corresponde a 35% dos 760 milhões de euros cobrados em 2014 por conta da sobretaxa.

As contas do Expresso apontam, no entanto, para uma percentagem superior que pode variar entre 60% e a devolução integral. Esta simulação tem em conta o perfil mensal de cobrança de IRS e IVA nos últimos anos e o intervalo resulta de se considerar o perfil médio dos últimos cinco ou dos últimos três anos.

E ainda há quem diga que não há “notícias” plantadas e fretes a valer.

grito