Pró-Vocacional

Fiquei com a sensação depois do debate de hoje que existe um grupo assinalável de pessoas que estão de acordo com a permanência do vocacional, mais ou menos acertos, como medida essencialmente de combate ao abandono e insucesso escolar e não propriamente como preocupação prioritária com qualquer ensino verdadeiramente profissionalizante. O estudo de base (Vocacional policy paper 3 final), apesar dos cambiantes introduzidos pela autora na discussão, demonstra que a opção pela via “vocacional” acaba ao fim de alguns anos por não compensar, enquanto foi referido por Ricardo Paes Mamede outro estudo do ISCTE que revela a existência de um corte enorme nas probabilidades destes alunos enveredarem pelo Ensino Superior

No meu caso, manifestei-me claramente contra a existência deste tipo de ensino até ao 6º ano de escolaridade e os 15 anos de idade, aceitando-o como via alternativa não monopolizante a partir do Secundário. Isso e mais umas críticas ao desfasamento entre o que está legislado e o que é a prática no terreno em grande número de casos. Para além de que, em meu escasso entendimento, o vocacional é uma via que acentuará cada vez mais o imobilismo social.

Futebol?

A sério… estou muito mais preocupado com o descalabro do Banif e com aqueles que saberemos a seu tempo. Se a derrota do Sporting me arrancou umas imprecações mentais, garanto que notícia do fim da noite me deixou infinitamente mais mal disposto. Então quando a vergonhosa aldrabice foi assumida sem um mínimo de pudor…

Haddock