Que se Lixem as Eleições?

A questão da sobretaxa ainda nem está no olvido (a par da não venda do Novo Banco) e já se percebe que também o buraco do Banif  foi escondido dos eleitores. E queriam ficar lá para continuarem a gerir a coisa. Pior do que a demagogia, só mesmo a evidente falta de honestidade política (que a mim custa a destrinçar-se da outra). O insuspeito Horta Osório acha este último episódio chocante e eu concordo, atendendo aos miles de milhões enterrados num banco de 3ª ou 4ª linha. Chocante é ainda o que se passou por estas bandas, alegadamente jornalísticas.

Goodfellas

18 thoughts on “Que se Lixem as Eleições?

  1. Respondendo ao títalo: Claro! Sempre disse que na campanha a PAF estava farta de mentir mas o António Costa não me ouviu ( que descaramento) e não se entreteve a desmontar as mentiras. Agora enfia a carapuça…
    Gostei da argumentação do PCP …mas acho que deviam chegar a acordo para enclausurar os prevaricadores bancários… isto de não responsabilizarem ninguém, não pode ser!

    Gostar

  2. Vá maria.c chama-me lá coitadinho…
    Não leiam: se gostam de ser ignorantes…

    A TVI se fosse nos States levava uma multa que ia à falência…

    (…) Ora quando há cerca de uma semana, um meio de comunicação decide publicar uma notícia em que coloca em causa a continuidade de um banco, eis que surgem sinais de alarme. Especialmente após o desfecho do “BES”, quem possuía qualquer tipo de valores junto do BANIF preocupou-se imediatamente em madrugar na Segunda-Feira para ir, junto da agência mais próxima, recolher os fundos colocados à guarda da mesma.

    Esta situação, analisada de uma forma isolada, era suficiente para que um banco, mesmo sem problemas reputacionais, de liquidez ou de capital, presenciasse imediatamente uma situação caótica de falta de confiança, derivando assim numa quebra de liquidez.

    Urge por isso averiguar as razões que motivaram que um meio de comunicação lançasse uma notícia desta dimensão e, numa fase posterior, se assim ficar provado, penalizá-lo. Das duas, uma: (i) o meio de comunicação tinha em sua posse informação privilegiada que lhe permitiu suportar a notícia, ou, caso contrário, (ii) apurar o porquê da notícia sem qualquer fundamento. Na minha opinião, em virtude da assunção de culpa[1], assumo que a investigação, a haver, se deverá debruçar já na segunda alternativa.

    ( Sou ainda capaz de tecer uma espécie de jurisprudência “tacanha” para este caso, atente-se sem qualquer ligação causal ou partidária. Se uma personalidade pública conseguiu judicialmente que um meio de comunicação não se pudesse pronunciasse sobre si, não poderia também eu, enquanto contribuinte, cidadão ou cliente daquele banco, porventura até a autoridade de supervisão, interpor uma acção judicial para que nenhum meio de comunicação pudesse lançar uma notícia daquela dimensão? )

    Esta é a primeira parte. Julgo que este episódio ilustrou bem, embora com as consequências negativas associadas, o valor incomensurável da confiança num banco e no sistema financeiro.

    Agora a segunda parte. Numa altura destas é exigida uma tomada de posição firme para, pelo menos em parte, tentar “agarrar” alguma da confiança que entretanto se perdeu. Mas a situação agrava-se a cada minuto com o efeito “bola de neve” de imagens e reportagens de agências atoladas de clientes sequiosos de recuperar as poupanças.

    Neste cenário, sou presenteado com um comunicado[2] da instância de supervisão e regulação do país que sinceramente, depois do que se passou há pouco mais de um ano, não revela grande destreza. O comunicado revela sobretudo a hierarquização das relações institucionais para o assunto em questão, bem como as limitações de poderes inerentes à sua função.
    http://trade-off.blogs.sapo.pt/11-a-forca-de-acreditar-parte-i-2662

    Gostar

  3. “(…)Pedro Passos Coelho e Maria Luís Albuquerque escondidos atrás de Carlos Costa do Banco de Portugal no caso BES, Pedro Passos Coelho escondido atrás de Maria Luís Albuquerque escondida atrás de Carlos Costa do Banco de Portugal no caso BANIF, Paulo Portas o profissional da invisibilidade quando há gaivotas em terra. É o padrão mentira e cobardia.

    Adenda: tem razão Maria Luís Albuquerque quando diz que “há um problema de supervisão” pelos sucessivos problemas que têm surgido na banca portuguesa. Só que não é desde a nacionalização do BPN em 2008, é desde a privatização do BES em 1991.”
    Ler mais:http://derterrorist.blogs.sapo.pt/ha-aqui-um-padrao-3169469

    Gostar

  4. Recordando José Saramago…
    «Privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei, privatize-se a nuvem que passa, privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno e de olhos abertos. E finalmente, para florão e remate de tanto privatizar, privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez a exploração deles a empresas privadas, mediante concurso internacional. Aí se encontra a salvação do mundo… e, já agora, privatize-se também a puta que os pariu a todos.»

    José Saramago – “Cadernos de Lanzarote”, – Diário III – pag. 148, 1995

    Gostar

  5. “(…)É interessante que toques nesse assunto Jorge. Não deixa de ser curioso que tenha sido a TVI a lançar o pânico sobre o hipotético encerramento do Banif na semana passada, levando a uma queda abrupta do seu valor em bolsa, quando a TVI é propriedade do grupo espanhol Prisa, que tem como accionista de referência o Banco Santander, o mesmo que ontem adquiriu, pelo habitual preço de saldo, a posição do Estado no Banif. Que conveniente! Não fosse eu tão profundamente crente nos princípios éticos que, como bem sabemos, norteiam a acção da sacrossanta banca, e ficaria tentado a conspirar. Haja força para acreditar!(…)”
    http://aventar.eu/2015/12/21/banif-a-forca-de-acreditar-num-esquema-envolvendo-tvi-grupo-prisa-e-santander/

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.