Padrões

Confesso que não encontro a solução para alguns paradoxos da Educação. Um deles é o de existir quem queira um padrão da oferta educativa, quiçá mesmo um padrão no sucesso dos alunos (esta conjugação teve a designação mal aplicada há uns 20 anos de igualdade de oportunidades), mas recuse outro tipo de soluções padronizadas entre esses dois pontos. Ser possível, é, mas raramente li ou ouvi uma explicação coerente a este respeito. Por outro lado, há quem defenda o direito à diferença e a liberdade na oferta e nos resultados, mas pretenda soluções padronizadas quanto a procedimentos. Sei que isto sou só eu a atirar barro à parede, mas também é um dos meus papéis por aqui, o nem sempre conseguido esforço para que o pessoal pense antes de apresentar fórmulas absolutas e inquestionáveis. Para isso já nos chegam muitos especialistas.

Cueca

Queda

Os efeitos das políticas pafistas está à vista. Uma insensibilidade social a toda a prova. Resta saber se deu para o pessoal ficar vacinado. Infelizmente, às vezes nem com exemplos práticos bem visíveis se aprende. O mais complicado é que já apareceu um novo governante a querer reduzir o número de urgências, não percebendo eu se é esperando que os portugueses melhores da saúde ou se é apenas não os atendendo quando necessitam. Será que matá-los à espera conta para baixar os atendimentos?

doente2

Heresia

E se as provas finais/exames tiveram o efeito nocivo de, em algumas escolas e infelizmente apenas em alguns grupos disciplinares, forçar a existência de um trabalho colaborativo mais aprofundado? Poderá existir quem diga foi pelos piores motivos. Mas eu não desprezaria tão rapidamente esse efeito como sendo apenas negativo.

Mind