Ignorância, Medo

Há alturas em que deixa mesmo de chegar – para eles, para nós – seguir os modelos canónicos da leitura orientada, autónoma, seja qual for, nas aulas de Português com a petizada. A maior parte dos textos mais recomendados diz-lhes muito pouco e nós já os ensinámos tantas vezes que é raro o ângulo por onde podemos meter golo.

Usar As Naus de Verde Pinho do Manuel Alegre no 5º ano, em especial no 3º período, tal como a Nau Catrineta, em articulação com os conteúdos de HGP tem as suas vantagens. Terem colocado a obra nas leituras do 6º ano levanta alguns problemas, porque o Bartolomeu Dias já atravessou o cabo das Tormentas há muitos meses e o texto poético é daquelas coisas que nem sempre encaixa em todas as turmas.

Optar por lhes dar a obra sem grande preocupação com os aspectos formais das rimas, esquecer um pouco o aspecto técnico da poesia e apostar na dramatização das Ideias, mostrando como o Medo, os Grandes Medos, nascem quase sempre da Ignorância é um caminho que, desta vez, parece ter dado resultado. Explicar as resistências dos marinheiros ao avanço, quando até as estrelas do céu pareciam ter mudado de sítio, com base na sua falta de Conhecimento, de Informação, demonstrar como a contrariar e fazer recuar a Ignorância é a grande arma que dá a vitória sobre o Medo, foi a  forma de reinventar  uma aula que esqueceu perguntas sobre as sextilhas e as rimas interpoladas ou cruzadas e conseguir atrair a atenção de quem nem sempre percebe que até os pequenos medos do quotidiano nascem, na maior parte dos casos, do desconhecimento. E assim sempre se ficou com alguma expectativa para o desfecho da estória da História que estava mal recordada, a (re)descobrir na segunda-feira.

Mapa

 

3 thoughts on “Ignorância, Medo

  1. Interessante. Eu digo-lhes que numa pergunta de desenvolvimento têm de escrever 4-5 linhas no mínimo e depois mando-os ir ao caderno ver os apontamentos mas…ó dolor, o apontamento só tem uma linha. Como encher as 4-5 linhas? Depois mostro como é.
    Digo-lhes que eles têm de evoluir, passar a responder a perguntas de desenvolvimento numa ciência, passa por dizer e explicar uma ideia de forma sintética mas completa. Frases curtas, explicações simples mas corretas, etc. Treinam.
    Quando chegam ao 9º ano já sabem mas nem sempre corrigiram os erros de ortografia. Gosto que os professores de português invistam em composições semanais e tenham a paciência de corrigir e exigir muito treino. Dá-me jeito para a ciência.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.