Associações

Não é a regra aqui pelo quintal, mas decidi desta vez apresentar o testemunho, com as necessárias reservas de anonimato, de alguém que trabalha numa escola com contrato de associação, esse mundo de liberdade e qualidade.

No argumentário sobre os apoios às escolas com contratos de associação desconhece-se ou omite-se um facto importante: a diminuição drástica dos custos de funcionamento destas escolas, à custa da precarização dos professores e de alterações na estrutura curricular, tudo facilitado através de alterações legislativas do anterior governo e a hipócrita ratificação da FNE. No primeiro caso, ardilosamente, aumentou-se o tempo letivo de 45 para 55 ou 60 minutos, e o horário semanal letivo dos profs, de 22 para 24 horas (60′) e reduziu-se praticamente o serviço letivo às aulas. A nível curricular o ensino privado beneficiou do emagrecimento do currículo (fim estudo acompanhado, educação cívica, etc..). Acrescente ainda que, com o patrocínio ideológico do referido governo reduziu os tempos letivos semanais nas humanidades, artes e educação física (há disciplinas que, por exemplo, têm 150′ e não os 180′ do público). Agora é só fazer as contas, ou então saber o n° de despedimentos de professores realizados nos últimos 2-3 anos nestas escolas.

Mas para ficar com uma ideia do que é hoje o meu trabalho, eu tenho, no ensino secundário, 9 turmas, 7 destas com cerca de 28-30 alunos. Já imaginou o que é a avaliação sumativa nestas circunstâncias? Mas o problema não está só na sobrecarga de trabalho dos professores mas sobretudo na qualidade de trabalho que é possível realizar nestas condições. Só um super-professor, nestas condições, é capaz de realizar um trabalho de qualidade com os alunos. Sinceramente, continuo a tentar resistir, mas é muito difícil. E, como sabe, os rankings são são muito enganadores, relativamente ao processo de ensino e aprendizagem, quer nas privadas quer em muitas públicas.

E é assim o mundo da liberdade de escolha. nada contra os princípios, muito contra as práticas.

Money3

 

4 thoughts on “Associações

  1. O máximo que tive numa pública foram 8 turmas. Estoirante. Mas houve um ano que tive 25h letivas. Aguentei porque tinha 25 anos. Agora não aguentava. Há no ensino privado o que na generalidade se chama de “cavalos de corrida”…
    Alterações no currículo? Polémico…
    O privado é privado em qq profissão. Mas gostava de saber qual a grelha salarial…acho que isso está regulamentado, não?

    Gostar

  2. Trabalho numa pública ,tenho 27 anos de serviço no entanto tenho nas «não letivas» apoios para exame com a turma toda !!! Como deixei o cargo de coordenadora ( já não aguentava com tantos relatórios ,tantas grelhas…. ) só tenho apoios .Resultado . tenho 27 tempos de aulas ,aulas ou apoios é a mesma coisa ! Sem contar com as dezenas de reuniões que não servem para nada . Já tive há quatro anos atrás nove turmas ,onze conselhos de turma e sete níveis . Se quiserem envio-vos o meu horário.Os colegas esquecem que os professores das Línguas,História ou Geografia têm imensas turmas.Com 50 anos não aguentamos.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.