Bloco é Misógino

É  muito masculino. Muito macho com aquele O em forma de determinante inicial e vogal final. É muito duro na sua expressão original, a remeter para muro de betão, firmeza hirta, não tanto fálica mas de qualquer modo demasiado a lembrar os alpha males fundadores. Carecemos agora de algo mais sensível, palavras que nos remetam para um outro imaginário. Bloco não. Eu proponho Manta de Esquerda, designação feliz a muitos níveis, desde logo porque lembra como se pode tapar a incomodidade em abordar causas que possam desagradar ao costa com perlimpintices de ocasião para encher agenda e motivar notícias. Manta de Esquerda, sim. Nem sequer Xaile, indeterminado mas não qb e muito menos Écharpe que faz lembrar Direita, chanel e deputadas betas. Manta é que está a dar porque, para além do mais, serve ainda para cobrir tudo o que se passar debaixo dos panos (lá cantava o ney que era muito terceira via) menos opacos.

A seguir à grã causa do Cartão da Cidadania, quero a urgente auto-crítica do “bloquismo” maculado pelo pecado da designação original, fruto de adãos macilentos. Manta de Esquerda já e em força. Macramé opcional.

Beavis and Butthead

O Sexo dos Anjos

A capa da Visão é sobre o assunto e o fórum da TSF de hoje também foi. Com aulas, não pude participar, embora agradecendo a simpatia do convite. De qualquer modo e mesmo não sendo um fundamentalista da coisa (raramente os envio e quando o faço é quase sempre em modalidade de médio prazo), ainda acabaria por dizer que me parece que a Educação tem coisas muito mais importantes para serem discutidas, inclusivamente ou mesmo em especial pelos pais, do que o raio dos têpêcês. E assim se perde tempo e ocupa espaço, ocultando matérias bem mais tenebrosas. Que há gente que abusa deles? Sim. Que devem ser anatemizados? Não. E ponto final com parágrafo.

Avestruz

Entrevista no ComRegras

1ª parte. A depilação ortográfica da minha prosa foi feita sem pedido prévio. Não sei se gostei…

A escola pública portuguesa está parada no tempo?

Não, de forma alguma. Esse discurso de bota-abaixo está muito vulgarizado, mas a evolução tem sido notória, tanto ao nível dos processos como dos meios usados em sala de aula e fora dela. Quem diz isso e está sempre a clamar pela necessidade de “mudança” esquece-se que desde final do século XVIII que existem visões conflituantes sobre o que deve ser a escola, não sendo uma “nova” e outra “velha”.

Os governos sucedem-se e cada vez há um maior desencanto dos professores faces às diversas equipas do Ministério da Educação. Eles são manifestamente impreparados ou a Educação deixou de ser importante para os governos?

A Educação deixou de ser uma prioridade – ou paixão – passando a existir uma espécie de pacto oculto entre os principais partidos (PS e PSD, com os seus apêndices em termos de coligações a acabar por colaborar nisso) no sentido da institucionalização de uma Educação low cost definida a partir de rácios e custos médios por aluno.

Muita gente refere que a escola deixou de ser um fator diferenciador na ascensão social, pois os filhos dos mais desfavorecidos não conseguem concluir os seus estudos superiores. Concorda com esta corrente de opinião?

Essa é uma discussão que começou a ter bastante relevância no pós-II Guerra Mundial e gerou diversas políticas ligadas à discriminação positiva de minorias raciais ou sociais (em especial nos EUA) ou de promoção de igualdade de oportunidades para os mais desfavorecidos (Europa Ocidental). Infelizmente, apesar de imensas conquistas, a Educação não consegue eliminar todas as desigualdades socio-económicas e permanecem factores que condicionam os trajectos educacionais dos filhos de famílias que, ao verem o investimento que necessitam fazer e a crescente incerteza do retorno, acabam por optar “racionalmente” pelo abandono prematura dos estudos em busca de uma inserção precoce no mercado de trabalho. Embora os estudos que existem provem os ganhos financeiros de uma escolarização mais prolongada, cada vez mais os indicadores do desemprego contrariam uma visão mais optimista, com um terço ou mais dos recém-licenciados sem emprego.

Acha defensável, na sociedade portuguesa, que os professores tenham uma carreira especial dentro da função pública, nomeadamente quanto ao horário de trabalho e na idade de aposentação?

Sim, sem qualquer margem de dúvidas. Essa especificidade não é qualquer novidade. Uma duração específica, com redução do horário com o avançar da idade e dos anos de serviço é algo que não surgiu com a Democracia, sendo uma evidência em Portugal mesmo durante o Estado Novo.

No seu entender, o que mais contribuiu para a acentuada perda de estatuto social dos professores, em Portugal, nas últimas duas décadas?

Dois factores no curto ou médio prazo: o primeiro, de ordem material, foi a sua proletarização com o congelamento das progressões de uma carreira que foi reescalonada de modo a limitar os encargos com salários. O segundo, de ordem simbólica, passou pela forma como os políticos optaram por colocar o ónus de tudo o que corre mal na Educação (mesmo quando não corre) nos professores. A esses factores, podemos juntar historicamente, a massificação da docência.

Os sindicatos de professores deviam apenas discutir questões laborais ou pugnar por um modelo global de política educativa?

É meu entendimento que os sindicatos devem agir no sentido de defender as condições laborais daqueles que representam, sendo que isso não se limita a discutir remunerações e horários de trabalho. No entanto, deve existir um limite para a sua intervenção, que não se deve confundir com o papel de partidos políticos ou de outro tipo de organizações representativas dos professores.

Se fosse Ministro da Educação e tivesse folga orçamental, que áreas de intervenção prioritária escolheria?

Intervenção precoce na determinação de dificuldades de aprendizagem por parte dos alunos do 1º ciclo com equipas multidisciplinares; inversão da política de encerramento e concentração de escolas em disformes “unidades de gestão”. Descongelamento da carreira docente e colocação dos professores nos escalões certos de acordo com os seus anos de serviço.

Os alunos passam demasiado tempo nas escolas?

Sim. E não falo apenas de aulas. Muitos são obrigados a ficar na escola devido à desregulação dos horários de trabalho dos pais.

O que pensa da Educação para Adultos, que o atual governo parece querer reintroduzir? Em que moldes devia fazer-se?

Penso que qualquer intervenção nesta área deve ser no sentido de qualificar efectivamente não apenas de certificar como aconteceu em grande medida com as Novas Oportunidades. E os meios devem ser canalizados para essa qualificação e não para uma burocracia certificadora ou para lobbys de entidades formadoras.

Há uma década, criou o blogue Educação do Meu Umbigo, o qual decidiu encerrar há um ano. Este projeto pessoal mudou a sua perceção dos seus colegas e da Educação em Portugal? O que mais o surpreendeu durante esses dez anos de troca de ideias, na blogosfera, com outros agentes educativos?

O nível de confiança que se estabeleceu entre pessoas que raramente se conheciam pessoalmente, algo que permitiu uma partilha de informações e conspirações sem paralelo no passado da profissão docente.

PG PB

Medidas

Há outras mas, para mim, esta é das que servem para saber se as minhas aulas são minimamente interessantes para os alunos. Passa pelo número dos que pedem para, não tendo a sua, virem assistir à minha, nem que seja para estarem por ali uma hora em ambiente amigável. A frequência aumenta com o passar dos anos em comum e por vezes até há visitantes (amigos, irmãos) de outras turmas.

PG 4