Será Desta Vez?

Há matérias em que sou muito crítico deste governo em matéria de Educação, mas não nesta e espero, sinceramente, que de uma vez seja cortada a mama (estou a usar a terminologia do galamba sr) aos maionesescalvês e controladas as apetências materiais de certas organizações ditas espirituais. Se há um pouco de má-vontade minha em relação a um lobby que apoiou as medidas de ajustamento (leia-se redução do número de escolas, despedimento e empurrão para a aposentação de muitos professores das escolas públicas) do anterior governo e a cedência em final de mandato aos interesses privados subsidiodependentes? Claro que sim e assumo-o em público porque não sou de escrever uma coisa aqui e outra em privado como alguns acham normal fazer-se quando pensam que se estão a ver ao espelho e não notam as diferenças. Respeito muito o sector privado na área da Educação, ao qual recorri quando a minha petiza não teve oferta pública de pré-escolar. Só espero que, depois, não surja um amanho qualquer, com benção presidencial, em sistema de tiro-te 10 mas dou-te 20.

São-Tome

2 thoughts on “Será Desta Vez?

  1. Não sei do que se queixam os chupistas e mamões, o corte ainda deveria ter sido maior.

    O corte foi de 57% quando poderia ter sido 73%:

    “(…) Ainda assim o número de turmas que não vai abrir fica abaixo das redundâncias detetadas pelo Ministério. Segundo a secretária de Estado adjunta, citada pela TVI24, o estudo que o Ministério pediu apontou para 73% de redundâncias em turmas de início de ciclo. A explicar esta diferença estará a conclusão a que o Ministério chegou após as reuniões com os diretores das escolas públicas, onde procurou perceber se as escolas tinham condições para receber realmente os alunos.(…)
    Ler mais:http://observador.pt/2016/05/17/ministerio-vai-cortar-57-das-turmas-contrato-associacao/

    “Só espero que, depois, não surja um amanho qualquer, com benção presidencial, em sistema de tiro-te 10 mas dou-te 20.”

    Pois o problema é mesmo esse porque o Marcelo não interessa nem ao menino Jesus, não vale um cavaco (apanharam?)…

  2. Sublinho a coerência da tua posição. Divergimos nalguns aspectos na apreciação da actual política educativa – mormente quanto à questão da avaliação e exames -, mas quem julga estas coisas pela própria cabeça e sem preconceitos político-ideológicos acaba por convergir nas matérias essenciais.
    O post sobre MLR é outro em que isso acontece, uma vez que, tal como aqui, se focalizam assuntos estruturantes de uma política educativa que, de MLR até agora, têm uma mesma matriz político-ideológica, apenas discordando em aspectos pontuais ou secundários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.