Limites

Há vários tipos de tarefas na escola para além de “dar aulas”. Algumas são suportáveis, outras desagradáveis e algumas insuportáveis, não porque eu desgostar delas mas porque ofendem algumas das minhas crenças básicas sobre os procedimentos correctos de fazer as coisas.

Não entrando em especificidades sobre quais são quais, há dois princípios básicos que orientam a minha atitude em relação às tarefas que me desagradam e às que considero insuportáveis e perante as quais me declaro objector de consciência (felizmente poucas).

Em relação às desagradáveis procuro desempenhá-las da forma mais profissional possível, despachando-as o mais rapidamente que posso, sem com isso sobrecarregar colegas com algo que, para a maioria, também lhes será desagradável.

Em relação às insuportáveis, procuro os meios legais e transparentes de não me ver responsável por elas. Estou aqui a lembrar-me da única que verdadeiramente recusei de forma liminar há uns anos, mas não quero ferir susceptibilidades, próximas ou distantes.

O que é que eu não aguento com facilidade?

Malta que, por achar desagradáveis certas tarefas (mas sobre as quais não tem qualquer verdadeira atitude de recusa estruturada, apenas não lhes apetecendo…), as não cumpre repetidamente da forma devida, com desculpas de caracácá, obrigando os colegas a fazê-las de forma duplicada ou triplicada e ainda se pavoneando da sua pseudo-rebeldia impune.

Pessoas que desempenham funções e tarefas que afirmam ir contra os seus princípios e sensibilidades, mas mesmo assim as fazem com denodo e arreganho, quando não com espavento e exibicionismo.

(e há ainda a estratégia de fazer merda de forma repetida, como forma de tentar escapar de nomeações para tarefas que deveriam ser de todos e fazem parte, sem qualquer margem de dúvida, do conteúdo funcional da profissão e do salário no fim do mês…)

nudge-nudge-monty-python-500x345

8 thoughts on “Limites

  1. elas. é verdade. as mulheres , no ensino, demoram anos numa reunião de dez minutos. Não são pragmáticas. hesitam, perdem tempo com o não essencial e ligam o complicómetro. Falam. Muito. E muito alto. E agora , minhas senhoras, insultem-me.

    Gostar

  2. Razão total !
    Mas …” Quanto mais te baixas, mais … ”

    “e há ainda a estratégia de fazer merda de forma repetida, como forma de tentar escapar de nomeações para tarefas que deveriam ser de todos “, ou tarefas ,que não deveriam ser de nenhum ?

    Gostar

  3. Concordo ,esse ” pacote ” só pode ser dividido por todos.
    Mas tb digo, que desempenhei inúmeras tarefas ( por iniciativa própria e vontade de colaborar/melhorar) que …nunca mais !
    (Arranjos de material desportivo,pinturas/marcação de espaços,etc…etc.)
    Este, foi o mês da minha aposentação.
    Tenho saudade da minha Escola ( 20/30 anos atrás ).
    Tão diferente,tão melhor !
    Até dava, para fazer/propor essas tarefas com outro espírito /alegria .

    Gostar

  4. isso resolvia-se tudo remunerando as nomeações para as tarefas; o MP teria mais trabalho com muitas alegações de favoritismo…
    mas existem sempre os adesivados às direções que no seu cabotinismo os permitem e os recompensam com a isenção do desagradável…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.