Idades

Acredito que todas as gerações tenham as suas razões de queixa em relação ao seu “contexto”. Mas parece-me justo que me preocupe ligeiramente mais com a minha, a dos nascidos a meio dos anos 60, que ainda foram educados à moda antiga, devendo respeito aos mais velhos, e que quando foi o 25 de Abril não tinham idade para fazer merda à grande a acabarem com ministros, deputados, comissários europeus, presidentes da UE ou dominarem décadas a maioria dos postos de comando do regime democrático (caramba, não se justifiquem sempre com os anos de fascismo que viveram… já foram pagos com créditos a triplicar pelas vossas fugas para Paris e Londres para respirar a liberdade enquanto os meus parentes iam respirar os esgotos dos bidonville ou o frio de toronto para não serem presos e ainda darem de comer à família). A minha geração é a daqueles que, chegando à idade, não se renderam ao oportunismo jotista dos coelhos e seguros, dos sócrates e dos pintos, entrando na idade adulta com o Bloco Central e o FMI em cima e apenas beneficiando do delicioso decadentismo da música dos anos 80 para esquecer os anos de ferros dos euromísseis e outras coisas animadas de então que davam sentido ao negrume dos joy aos bauhaus, dos clash aos cure, mas também aos delírios dos neo-românticos que não eram assim tão maus quanto pintaram os human league, os duran duran ou os soft cell, mesmo se quem se queria intelectual só admitisse ouvir smiths, echo ou o que o mec escrevesse que valia pena a ouvir por muito chato que fosse se alguém falar em durutti column eu nego, que até tenho o vinil de estreia da virgínia astley que, não, não é parente da laura sem t dos trapinhos de marca).

A verdade é que já andamos todos pelos 50 e quem se manteve numa linha não cartonada sente que agora já se tornou arcaica e anacrónica, quase a fazer parte de uma amaldiçoada geração grisalha que atrapalha os orçamentos feitos para salvar bancos e pagar a consultores da geração seguinte, em especial a dos que já se tornaram especialistas em gestão e finanças para engabelar o povoléu com aeroportos e têgêvês a darem quase tanto dinheiro como se fossem mesmo feitos. E começamos a sentir-nos um “fardo” que entrava o “rejuvenescimentos” da economia e, muito em especial, dos serviços públicos onde há quem acuse de nos termos refugiado em vez de nos tornarmos empreendedores especializados em criar empresas destinadas a falir depois de absorvidos os subsídios.

E agora, sem o estatuto de senadores que foi monopolizado pelos anarquistas e farroupilhas de outrora, aquel@s que eram contra os privilégios e as castas, ainda temos de aturar a ascensão arrogante da geração dos que nunca assumem a responsabilidade por nada, a não ser o direito a tudo.

Se isto é conversa de velho, recorrente em tos aqueles que sentem que o tempo está a começar a atropelá-los? É bem possível que sim, só que antes era feita por gente bem mais velha e agora nem nos vale que os 50 sejam os novos 40 ou 35, porque isso parece que só é válido para as retocadas das capas de revista e os seus pares, servos do ginásio (muito comum nos ainda aspirantes a algo da classe média descendente) ou escravos da banda gástrica.

Descontam-se aqui (desculpem lá, amig@s, que sei que @s há por aí) os que acham que ser jovem é ir todos os anos a um concerto dos xutos, fumar um charrito na feira da atalaia ou andar de bicicleta ao fim de semana com lycra flamejante. Nada contra, desde que não nos confundamos.

9 thoughts on “Idades

  1. em relação á música devo dizer que não partilhamos os mesmos gostos. eu prefiro 60, 70. No entanto agora dei em ouvir a 80’RFM e não está mal.
    devo acrescentar que ainda não estou derrotada. estou cá e clamo pelo meu espaço. nas calmas.
    acho que somos a geração mais inteligente e não traumatizada. os velhos tem salazar e os novos tem o neoliberalismo. Fantasmas.
    Nós respiramos e sempre respirámos liberdade. Não passámos fome. ainda podemos acautelar a nossa reforma.

    Gostar

  2. “Ainda podemos acautelar a nossa reforma”, como? Quem pode ter alguma certeza? Todos os dias é o saque, de um modo ou de outro! Partilho dos sentimentos, de impotência e revolta que estão presentes nas palavras do Paulo. O pior é ter consciência de que tudo está a arder e nós nada,mas nada, podemos fazer! E, também, não queria deixar estas heranças aos meus descendentes.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.