A Palavra

No princípio era o Verbo. E tem continuado a ser. O maior recurso que utilizo nas minhas aulas, de Português ou História, é a palavra, a tentativa de comunicação oral com os meus alunos, fazê-los criar imagens dentro de si de forma a compreender uma realidade, seja a da língua, seja a do passado, a partir das palavras. Tudo o resto, dos velhos diapositivos e transparências aos actuais projectores ligado à banda larga, são acessórios para melhor iluminar essas palavras, quando elas disso necessitam. A beleza do mapa de Cantino merece ser vista em ecrã amplo, assim como tantas obras do Renascimento ou as espectaculares visitas a 360º nas grutas de Lascaux. Mas o essencial ainda continua, para mim, a ser a palavra, a preceder tudo o resto. Tem funcionado de forma satisfatória, nem que seja despertando a curiosidade para a imagem, parada ou em movimento. Com maior ou menor instinto perfomativo  (ui… que moderno que estou), os professores são actores quotidianos da palavra. O que remete, sempre, a esfera da Educação, para a dimensão primordial do humano. Apesar do século XXI e tal. No que concordam todos aqueles faladores acerca da centralidade da qualidade dos professores para as aprendizagens dos alunos. Infelizmente, enquanto decisores, praticamente todos nos últimos 15 anos desinvestiram no humano para investir no tecnológico mais ou menos efémero, mais ou menos obsoleto no médio prazo. Poupou-se nos salários de professores e pessoal não docente, destruiu-se a sua carreira, mas gastou-se imenso em magalhães prá sucata e feira da ladra, em equipamentos úteis, mas não tão úteis assim que sejam mais do que prolongamentos do humano. Poupou-se em escolas de proximidade, mas gastou-se em escolas encaixotadas ou outras de milhões. Privilegiou-se o cimento. Muitas vezes, na maioria das vezes, apenas para alguns. Quando o essencial, quando se trata de apurar responsabilidades, são os meios humanos. Os tais que são há demasiado tempo amesquinhados, desprezados, desqualificados por quem optou por outro tipo de investimento. O triunfo da ideologia de mais com menos, transversal ao arco da governança, com mais ou menos adereços de radicalidade retórica. Não defendo escolas em ruína, obsoletas em termos de equipamento e desagradáveis para os alunos. Mas também defendo escolas em que todos se possam sentir bem, devidamente valorizados. Isso inclui, por estranho que pareça, os professores.

read

4 thoughts on “A Palavra

  1. Subscrevo e aplaudo.
    Apenas me permito sublinhar que a educação e o ensino, antes de tudo o mais, consistem numa relação humana. Quando isto é obliterado – por imperativos de ordem financeira e tecnocrática – , estamos a amputar o homem de uma das suas dimensões essenciais…

  2. Revejo-me por completo neste texto, Acrescento ainda uma ideia sua, a da profunda desafeição por espaços escolares tão diferentes e desiguais. A educação, em geral está a deixar de ser Humana.

Deixe uma Resposta para Lucinda Silva Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.