Passar aos Outros e Nada aos Mesmos

O CDS “recomenda ao Governo que proceda ao reposicionamento dos professores no correspondente escalão da carreira docente”, o que é de manifesta justiça, embora – se bem lembro, lá dizia o outro – tivessem sido eles, por via do Casanova, que definiram as regras de ingresso dos professores no concurso de vinculação extraordinária que levou a que pessoas com 20 anos de carreira ficassem no 1º escalão da carreira, assim como foram eles que mantiveram o congelamento da carreira docente durante TODO o mandato.

Ora… se é verdade o que continuam a afirmar – que Portugal está desgovernado e à beira do apocalipse financeiro e imerso no marasmo económico, em virtude das políticas radicais de reversão – não se percebe bem o que os levou a mudar de opinião.

A menos que exista um qualquer interesse especial nesta questão. Porque a proposta é um bocado vaga… pois alega como principal motivo o seguinte:

Aquando da realização dos últimos concursos externos, quer ordinários quer extraordinários, os docentes que, em resultado dos mesmos, ingressaram em lugar de quadro foram posicionados no 1.º escalão, índice 167, independentemente do tempo de serviço que já detinham.

São inúmeros os casos de professores com dezenas de anos de serviço, colocados em Quadro de Zona Pedagógica e em Quadro de Agrupamento nos referidos concursos, que estão a auferir uma remuneração correspondente ao primeiro escalão da carreira docente.

Ora bem… se os docentes que ingressaram na carreira forem reposicionados no escalão do tempo de serviço que já detinham, isso significaria que ultrapassariam os docentes já inseridos nos quadros que estão congelados há anos e anos, sem qualquer reposicionamento.

Concretamente… um docente com 18 anos de serviço, entrado pela via extraordinária, seria colocado no 5º escalão (por exemplo), enquanto um docente na carreira com esses mesmos anos de serviço está, em regra, aí pelo 3º escalão…

Se a vinculação extraordinária já promoveu umas quantas ultrapassagens pela Direita, esta medida, sem um reposicionamento global de TODOS os docentes, levaria a uma dupla ultrapassagem. Será que, de novo, há algo de extraordinário nisto tudo?

Claro que na proposta se afirma (ERRADAMENTE) que:

O Grupo Parlamentar do CDS considera, pois, necessário encontrar uma solução no sentido do reposicionamento destes docentes no correto escalão, em função do tempo de serviço, sem descurar a situação dos docentes previamente vinculados e, cujas carreiras se encontram congeladas desde janeiro de 2011, por decisão tomada pelo Governo PS em 2010.

Só que o congelamento não começou em Janeiro de 2011. E que me lembre, de 2011 a 2015, o CDS nada fez para que isso fosse alterado.

Portanto, isto parece mais aquelas propostas que os “radicais” do PCP e do Bloco fizeram em tempos e o CDS chumbou.

Arranjem um pouco de vergonha na cara, pode ser?

Alcatrao2

Anúncios

2 thoughts on “Passar aos Outros e Nada aos Mesmos

  1. rigorosamente, existem profs com 24 anos de serviço no 4º escalão (ou 3º se não foram ‘apanhados’ em 2010), quando deviam estar no 7º escalão…
    e tudo se conjuga que fiquem a ‘marinar’ até a uma putativa aposentação, sendo recambiados com um 5º ou 6º escalão como a última paragem remuneratória…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s