21 thoughts on “Só o Bloco?

  1. “(…)Trabalho num território escolar em que os jovens beneficiam de uma quase heroica teimosia. A Escola Básica e Secundária da Quinta das Flores recusou a “externalização” da cantina e serve, todos os dias, 500 a 700 almoços de comida que é boa e sabe bem. E o trabalho que dá? E o brio que não é preciso para que o pessoal de cozinha tenha escolhido resistir à desvalorização profissional e à extinção de carreiras diferenciadas, cozinhadas pelo “centrão” desde Sócrates a Coelho? E as dores de cabeça que não dá aos órgãos de gestão e administração da Escola organizar concursos, escolher alimentos, procurar sempre as melhores soluções para uma alimentação equilibrada? E a pachorra que não é precisa para aturar as queixas anónimas de falsa insalubridade que motivam a (natural) intervenção das autoridades sanitárias? E a competência que não é precisa para tratar das restrições alimentares, fazendo da alimentação um fator mais de inclusão? E a responsabilidade cidadã que não é precisa para, sendo-se Escola, ser-se Estado onde o Estado abdica da educação (do conforto) alimentar dos seus mais jovens?

    A lição é velha: no ambiente político em que a ganhuça se sobreponha ao bem-estar dos comuns, as decisões “empresarializadoras” – na educação, na saúde, na segurança, nos transportes – ou fazem mal ou cheiram a esturro. Revertamos então as malfeitorias! Sobretudo quando as conveniências do “mercado” se instalam no prato (na vida) das nossas crianças.
    http://www.asbeiras.pt/2016/11/opiniao-os-sentidos-tambem-se-educam/

    Gostar

  2. Associação de Pais gere cantina escolar e emprega cinco pessoas

    Vão contratar mais duas pessoas e todos os dias são responsáveis por servir cerca de 240 refeições. Todas as verbas angariadas são usadas para investir em equipamento e na melhoria das condições da escola
    Por
    Fernanda Pinto –
    Nov 16, 2016

    É exemplo único no concelho. No Centro Escolar de Penamaior não é uma empresa que gere a cantina escolar, mas antes a associação de pais. O projecto nasceu há cerca de 16 anos e tem sido caso de sucesso. Tanto que o trabalho acaba de ser reconhecido pela Câmara Municipal de Paços de Ferreira que entregou à Associação de Pais do Centro Escolar de Penamaior uma Medalha Municipal de Altruísmo e Mérito, no 180.º aniversário do concelho.

    “Acho que posso dizer que em nenhuma escola do concelho se come tão bem como aqui”, defende o presidente da Associação de Pais, José Luís Sousa.

    “A comida que temos é de máxima qualidade. Quando saem daqui os alunos costumam sentir saudades da comida”, conta a coordenadora do Centro Escolar de Penamaior, Isilda Meneses, grande impulsionadora deste projecto de gestão.
    (…)
    Ler mais:http://verdadeiroolhar.pt/2016/11/16/associacao-pais-gere-cantina-escolar-emprega-cinco-pessoas/

    Gostar

  3. Agora vamos à merd@ que por ai anda:

    17 Novembro, 2016 at 14:40
    Arroz queimado servido nas escolas de Coimbra

    Posted by Patricia Cruz Almeida

    As refeições servidas ontem na cantina escolar da EB 1 de Ribeira de Frades vinham com sabor “a queimado”.

    “O arroz de feijão com couve e carne vinha queimado, tal era o sabor e o odor que emanava das marmitas”, disse Bruno Batalha, vice-presidente da associação de pais da escola.

    A empresa ICA (Indústria e Comércio Alimentar SA), contratualizada pela autarquia, procedeu à substituição de refeições, mas desta segunda vez, embora não viesse queimada, a refeição vinha sem carne.

    Versão completa na edição impressa
    http://www.asbeiras.pt/2016/11/arroz-queimado-servido-nas-escolas-de-coimbra/

    Gostar

  4. Pais pedem para autarquia ir aos refeitórios mas “sem avisar”

    As queixas sobre a qualidade das refeições em cantinas de algumas escolas de Viseu continuam na agenda das reuniões das associações de pais. Depois da denúncia, na última semana, de que a empresa responsável pela elaboração das ementas e fornecimento da comida não estava a prestar “um bom serviço”, como realçaram ao Jornal do Centro pais e encarregados de educação; várias vozes voltaram a pronunciar-se, afirmando tratar-se de um problema que se verifica neste ano letivo, mas já vem do ano passado.

    “O problema é que os pais queixam-se, falam entre si, mas depois não há seguimento porque muitos até acabam por dizer que não vale a pena queixarem-se porque ninguém faz nada”, contou um encarregado de educação que tem o filho na Escola da Ribeira. Segundo as denúncias dos pais, os alunos comem alimentos “pouco nutricionais” com uma ementa à base de hambúrgueres, douradinhos e atum, e “muitas vezes a comida, que é transportada, chega fria aos pratos”.

    A autarquia de Viseu anunciou estar “vigilante” relativamente a este problema, mas rejeita que os alunos estejam a ser “mal alimentados”. Desafiou mesmo os pais a experimentarem comer nas escolas em questão.

    Em resposta, os encarregados de educação pedem para os técnicos da Câmara irem aos refeitórios, “mas sem avisar antes”. A empresa responsável pelo fornecimento das refeições, a Uniself, não respondeu às questões colocadas pelo Jornal do Centro.
    (…)
    Ler mais:http://www.jornaldocentro.pt/pais-pedem-para-autarquia-ir-aos-refeitorios-mas-sem-avisar/

    Gostar

  5. Entretanto a m@fia continua toda à solta.
    Estávamos em 2008 e desde essa altura o que é que se fez?

    “(…)É o maior cartel de sempre apanhado em Portugal. Sete empresas de ‘catering’ que fornecem refeições preparadas a escolas e hospitais terão lesado o Estado em 172,6 milhões de euros. Entre elas, cozinhavam os preços a apresentar nos concursos, trocavam informações comerciais e desta forma asseguravam dois terços do mercado de prestação de serviços de fornecimento de refeições.

    A suspeita é da Autoridade da Concorrência (AdC), que iniciou as investigações em Fevereiro de 2007 e agora formalizou a acusação, a que o Negócios teve acesso. Segundo a acusação, o cartel era formado pela Gertal e Itau (ambas do grupo Trivalor), ICA e Nordigal (com os mesmos sócios), Eurest, Uniself e Sodexho.

    Este caso representa o mais elevado ganho económico ilícito – mais de 172 milhões de euros – em resultado do cartel detectado pela AdC. Mas além disso, é também o primeiro processo em que, além das empresas, os próprios gestores são arguidos e podem vir a ser condenados ao pagamento de multas.

    O caso ser pioneiro ainda porque a AdC pode determinar a aplicação, em simultâneo com a multa, da inibição das empresas condenadas em processos de cartelização de participarem em concursos públicos durante o prazo máximo de dois anos. Uma possibilidade aberta em Julho, com a entrada em vigor do Código dos Contratos Públicos.
    http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/empresas_de_quotcateringquot_lesaram_estado_em_172_milhotildees_de_euros

    Gostar

  6. O crime nesta República das Bananas à beira mar plantada compensa.
    Há sempre uma prescrição a jeito e uns políticos comprados bem colocados.

    O dinheiro é muito. Com 5% deste dinheiro compram muito boa gente impoluta.

    700 milhões de euros é muito dinheiro.

    E nas Câmaras quem decide também é comprado.

    A Gertal e a Itau (da Trivalor), a Eurest, a Uniself, a Ica e a Nordigal e a Sodexo assinaram dois mil contratos públicos no valor de 700 milhões de euros.

    Em 2007, a Autoridade da Concorrência (AdC) abriu uma investigação para apurar alegações que diziam ter sido criado um cartel para fornecer refeições a cantinas públicas. Instituições como hospitais e câmaras assinavam contratos milionários com um conjunto de empresas e o negócio estava a prejudicar o Estado.

    Sete empresas, de cinco grupos económicos diferentes, foram acusadas de pertencer ao cartel. Foram elas a Gertal e a Itau (da Trivalor), a Eurest, a Uniself, a Ica e a Nordigal e a Sodexo, que assinaram dois mil contratos públicos no valor de 700 milhões de euros

    O mercado era controlado por estas empresas que combinavam preços e repartiam clientes já existentes entre si. Os novos eram disputados livremente.

    O processo foi declarado prescrito, há pouco menos de um mês, devido ao “elevado grau de litigância judicial, com múltiplos incidentes levantados pelas 15 arguidas, tanto durante a fase administrativa como durante a fase judicial”, avançou uma fonte ao Jornal de Notícias. Antes da prescrição a AdC condenou as empresas a pagarem uma coima de 14 milhões de euros e os gestores das respetivas a pagar 20 mil euros. [ANEDÓTICO!]

    Sabe-se que a Gertal faturou 129 milhões com as refeições nas escolas. A Itau ganhou 14 milhões no hospital de Gaia. A Eurest assinou acordos no valor de 79 milhões. A Uniself lucrou no fornecimento de refeições às prisões. A Ica e Nordigal trabalhava com os municípios. E a Sodeco assinou um contrato com o Hospital Curry e Cabral.
    http://www.lusopt.pt/portugal/1922-ultima-hora-cartel-de-empresas-lucrou-milhoes-com-cantinas-publicas.html

    Gostar

  7. Entretanto o cartel continua ai e os tótós andam preocupados com comida vegan?
    Com lagartas?

    https://www.publico.pt/2016/06/16/sociedade/noticia/pan-bloco-e-verdes-querem-cantinas-publicas-mais-vegetarianas-1735244

    Governo vai gastar 173 milhões em refeições escolares

    Próximos três anos letivos vão ter mais cerca de dois milhões de euros para este efeito do que o último
    2014-07-24 16:23
    Redação / CP
    (…)
    Ler mais:http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/escolas/governo-vai-gastar-173-milhoes-em-refeicoes-escolares

    Refeições escolares: Governo aumenta ‘plafond’ em dois milhões Executivo vai permitir às escolas gastar até 51 milhões de euros para contratar empresas que forneçam refeições aos alunos 06.06.12
    (…)Os estabelecimentos de educação do Algarve “possuem os serviços necessários e adequados para garantir o fornecimento de refeições, pelo que não são abrangidos pelo disposto na presente resolução”, lê-se no diploma hoje aprovado.
    (…)

    Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/sociedade/detalhe/refeicoes-escolares-governo-aumenta-plafond-em-dois-milhoes

    Gostar

  8. Mais de 340 mil refeições escolares desperdiçadas entre Setembro e Dezembro de 2013
    24-01-2014 18:18 | País
    Porto Canal

    Mais de 340 mil refeições foram desperdiçadas entre setembro e dezembro do ano passado nos refeitórios concessionados das escolas do 2.º e 3.º ciclos e secundárias, onde foram servidas, no mesmo período, cerca de 12 milhões de refeições.

    “Entre os alunos que encomendam a refeição no dia anterior e que solicitam a senha e que, na verdade, comparecem ao refeitório para comer, há uma diferença de quase três por cento”, disse Rui Lima, técnico superior da Direção-Geral da Educação, que hoje foi orador nas Jornadas do Ambiente da associação ambientalista Quercus, que decorrem em Fátima.

    Segundo dados que divulgou, nos quatro primeiros meses do ano letivo 2013/2014, nas escolas do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e nos estabelecimentos do ensino secundário, houve 343.559 refeições desperdiçadas em espaços concessionados.

    “Estamos a trabalhar com as escolas onde o número de refeições desperdiçadas é maior, para superar esta situação”, declarou o técnico do Ministério da Educação e Ciência.

    Rui Lima salientou que “há escolas que trabalham no sentido” de as refeições desperdiçadas não irem para o lixo, mas salientou que, neste âmbito, se colocam questões de “higiene alimentar”.

    “Há orientações, por exemplo, dos serviços que tutelam essa questão, nomeadamente a ASAE [Autoridade de Segurança Alimentar e Económica], ao nível do transporte do alimento”, referiu o responsável, que desde 1999 trabalha na promoção e educação para a saúde em meio escolar no Ministério da Educação.

    Face ao desperdício nos refeitórios escolares, o responsável observou que “se tenta que os alunos carenciados tenham um reforço alimentar e tenham acesso a maior quantidade de alimento”.

    Sem dados, ainda, que possam estabelecer uma comparação com o eventual desperdício nos refeitórios escolares com gestão direta, Rui Lima considera que este problema se prende com vários fatores, defendendo a necessidade de os encarregados de educação monitorizarem o local onde almoçam os alunos.

    “Normalmente, as escolas têm cartão eletrónico, pelo que os pais conseguem aceder aos consumos alimentares dos filhos”, apontou, realçando que “os alunos comem pior nos estabelecimentos de restauração e bebidas”, muitos dos quais se situam nas imediações dos estabelecimentos de ensino.

    Sobre a qualidade das refeições fornecidas por empresas nas escolas, Rui Lima adiantou que nem as empresas nem a tutela podem atuar se não houver queixas.

    “Não posso dizer que os refeitórios concessionados não têm qualidade. O que posso dizer é que há refeitórios em que os cozinheiros são bons e outros em que são menos bons”, afirmou.

    O responsável sustentou que “há casos em que a única refeição decente que muitos alunos têm é a que fazem na escola e não em casa”, acrescentando, a este propósito, “a pressão para abrir os refeitórios das escolas do 1.º ciclo para as crianças poderem comer nas paragens letivas”.

    As jornadas da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza debatem, ao longo do dia de hoje, a alimentação sustentável nas escolas.
    http://portocanal.sapo.pt/noticia/15897/

    Gostar

  9. 26-10-2016 às 19:14

    0
    Câmara de Coimbra notifica empresa que serviu refeições escolares estragadas

    (…)
    Ler mais:http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=847851

    Ementa dos refeitórios escolares causa polémica entre encarregados de educação
    A ementa dos refeitórios das escolas do concelho de Torres Vedras tem vindo a originar críticas por parte dos encarregados de educação.

    Em instituições como a Escola Secundária Henriques Nogueira, a Escola Básica 2/3 da Freiria e a Escola Padre Vitor Melícias, o almoço desta Segunda-Feira consistiu em hambúrgueres dentro de pão. A imagem tem circulado pelas redes sociais, gerando crítica e descontentamento pelas opções alimentares a que os alunos são sujeitos.
    (…)
    Ler mais:https://torresvedrasweb.pt/ementa-dos-refeitorios-escolares-causa-polemica-entre-encarregados-de-educacao/

    Gostar

  10. Não se preocupem.
    Não compram dentro da escola, compram a 5 metros do portão.

    Enfim, preocupacoes de merda enquanto o cartel enche os bolsos.

    Escolas ignoram regras de 2012 e continuam a vender alimentos possivelmente prejudiciais à
    6/9/2016, 8:31383
    6

    Muitas escolas optam por continuar a vender produtos “pouco saudáveis” nas máquinas de venda automática e nos bares escolares. As queixas continuam a chegar à Direção-Geral de Educação
    (…)
    Ler mais:http://observador.pt/2016/09/06/escolas-ignoram-regras-de-2012-e-continuam-a-vender-alimentos-possivelmente-prejudiciais-a-saude/


    E ainda tenho de levar com os fundamentalistas das alfaces?
    Opção vegetariana nas cantinas públicas discutida na especialidade
    Por Sara Gerivaz
    16:53 17 de Junho, 2016

    Os projetos de lei do PAN, Bloco de Esquerda e Verdes que defendem a inclusão de uma opção vegetariana nas cantinas públicas vão ser discutidos pela Comissão de Agricultura e Mar. As propostas baixaram esta sexta-feira à comissão, sem votação por um período de 90 dias.
    (…)
    Ler mais:https://jpn.up.pt/2016/06/17/projetos-incluir-opcao-vegetariana-cantinas-discutidos-especialidade/

    Gostar

  11. Pois…

    (….)Contudo, nem todas as escolas funcionam da mesma forma. Hhelena Rodrigues pertence à associação de pais da Escola Jaime Magalhães Lima e é professora na escola secundária Homem Cristo. As duas escolas funcionam em Aveiro mas há diferenças substanciais entre a comida que fornecem aos alunos.” A primeira estrá concessionada e há uma quantidade inimaginável de queixas. A alimentação é má e a direcção da escola sabe disso e tem feito vistorias frequentes. Faltam ingredientes à sopa- que é água- e a comida é, em regra,pouca. As empresas visam o lucro”, denuncia. Por isso, defende que não há nada como a conmida ser confeccionada na própria escola”, como acontece na Homem Cristo.(…)
    http://refeitorio.blogspot.pt/2010/02/alimentacaoo-seu-filho-vai-hoje-cantina.html

    Gostar

  12. O Bloco acordou agora?


    Escola do ensino básico serve comida “manifestamente insuficiente” e “mal confeccionada”
    Rui Cruz / 30.10.2013 11:21:27

    A empresa Eurest, responsável por 400 refeições diárias de alunos numa Escola Básica na Linha de Sintra, serve comida insuficiente e mal confeccionada, acusa pai de criança.
    (…)
    Ler mais:https://www.tugaleaks.com/escola-refeicao-insuficiente.html

    Empresa racionava comida nas cantinas – PressReader
    DN – 30 de janeiro de 2013
    Na página 19

    http://www.pressreader.com/21042013013000000000001001?page=19&article=9d16a5fe-6375-4e59-b029-81c56b231238&key=/N0%20iDokdhaLwvg%203LojHA==&feed=rss

    Mais crianças com sintomas de intoxicação alimentar em três escolas
    16 Outubro 2009
    Estudantes de Cucujães apresentam os mesmos sintomas de gastroenterite – diarreia, vómitos e mal-estar geral.

    (…)
    Leia mais: http://www.jn.pt/local/noticias/aveiro/oliveira-de-azemeis/interior/mais-criancas-com-sintomas-de-intoxicacao-alimentar-em-tres-escolas-1393019.html

    Gostar

    1. He is? He is? I can’t belive it! Hip! Hip! Hurrah! How happy! I used to eat “Realistic Education” flakes every breakfast but it’s been sold out for a long time! Please tell me in what supermarkets are available right now. I can’t wait to get them! Thank you very, very much!

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.