A Família Alargada da Criança

A Bárbara Wong faz o balanço mais generoso de todos acerca dos ganhos conseguidos nos PISA 2015. Não estou a ser irónico ou sarcástico. É verdade, no seu texto faz a distribuição mais completa de méritos pelo sucesso. Felizmente, não chega a Couto dos Santos, pois nesse caso eu teria mesmo de ser jocoso. Só acho que ignora o papel dos pais, pois em 20 anos a diferença de habilitações das famílias é muito sensível e a importância dada à Educação é, apesar de todos os problemas e desânimos, muito maior.

Quanto ao resto, vou permitir-me uma discordância respeitosa em dois pontos, para não me alongar muito:

Os ganhos dos TIMMS e PISA não provam nada de particular sobre a concentração da rede escolar e os eventuais ganhos da integração dos alunos em centros (caixotes, para mim) escolares, a menos que me tenha passado algum detalhe nos relatórios, onde se identifique a tipologia das escolas envolvidas ou se faça alguma comparação entre pequenas e grandes escolas, Integro-me no grupo daqueles (não me reclamando de “pedagogo”) que acha que a deslocação de miúdos de 5-6 anos para dezenas de quilómetros do domicílio todos os dias é mais traumática do que a transição do 4º para o 5º ano, que tanta vezes se apresenta como causa (nunca comprovada empiricamente) de insucesso. Também desconheço estudos que demonstrem que os alunos assim deslocados (e não a média das escolas, pois 2 em 20 representam muito mais peso relativo do que 20 em 600) obtêm um sucesso em média superior do que o que era alcançado em escolas mais pequenas. Há dados que o ME pode usar para fazer essa comparação. Posso estar errado, mas, neste momento, não se sabe.

Quando se faz um rol de governantes que desenvolveram políticas “eficazes” ao longo destes 20 anos e que devem ser parabenizados pelos resultados, devemos ter também a mesma atitude quando algo corre menos bem. E existe aí um desequilíbrio recorrente nas análises, uma assimetria nas auto e hetero-avaliações. Como aqueles treinadores que aparecem quando é conseguida uma vitória, que apresentam como sendo da sua estratégia que os jogadores souberam aplicar, mas que na derrota responsabilizam os erros do árbitro, falhas individuais, o azar da bola da barra, mas nunca as suas opções erradas. E em Portugal existe este mal crónico… nos dias bons, todos aparecem ao sol… mas nos dias de chuvas só se molham os pobrezinhos.

CHT164569

E é assim. Eu sei que a Bárbara quis envolver todos na festa dos dias que passam. O problema é que nem sempre isso acontece quando aparecem más notícias. E todos sabemos que é assim.

A excepção é no dia dos rankings, em que se visitam três ou quatro escolas do topo e outras da base. É para a semana, certo?

Anúncios

One thought on “A Família Alargada da Criança

  1. Barbara Wong, as any person who thinks that is smarter than her shadow, doesn’t understand the difference between correlation and causality.

    Não é inglês técnico mas a frase aplica-se, só substitui o nome

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s