Rankings – Avaliar para Compreender

A peça principal do Sol destaca a recuperação de lugares das escolas públicas no top 100. O que se segue são os 3000 caracteres do meu texto de opinião que vem lá por dentro.

Avaliar para Compreender

Estas semanas têm sido de divulgação de muitos indicadores sobre a Educação, seja a partir de testes internacionais (TIMMS e PISA), em que os alunos portugueses consolidaram uma progressão de 15-20 anos que nos trouxe da cauda para a metade cimeira da amostra, contrariando os discursos catastrofistas dos reformadores permanentes, seja a partir de indicadores internos como as provas finais do Ensino Básico e os exames do Ensino Secundário, em que é mais difícil fazer uma análise das tendências de médio prazo, em virtude das alterações permanentes.

Sou favorável à realização destas avaliações, porque só assim podemos obter, por imperfeitos que sejam, elementos para fazer uma aferição das aprendizagens dos alunos e fazer análises que nos permitem conhecer melhor as diferentes realidades em confronto. Há diversos traços comuns às escolas que estão no topo dos rankings e que as diferenciam das que estão na base, para além do muito referido contexto socio-económico. Vou isolar apenas três indicadores que é possível verificar a partir dos dados deste ano: as escolas do topo tendem a ter um menor número de exames realizados, os alunos que os realizam são mais novos e o diferencial entre a classificação externa e interna é menor.

Se analisarmos as 20 escolas do topo do ranking do Ensino Secundário, constata-se que realizaram em média menos de 350 exames, as 20 seguintes mais de 370 e do 41º ao 60º lugar a média foi de 550 exames, tornando-se esta progressão menos significativa a partir daí.

No caso das idades, entre as 20 melhores escolas do Ensino Básico, os alunos tinham em média 14 anos à data da realização das provas finais, enquanto nas 20 últimas a idade média era de 14,8 anos. No caso do Ensino Secundário, os valores eram de 16,5 e 17 anos. O que se explica pela existência de maior insucesso nas últimas e, consequentemente, existirem alunos mais velhos.

No caso do diferencial, nas provas do 9º ano, nas 20 escolas melhor colocadas, a avaliação interna é superior à externa apenas em 0,21 (escala de 1 a 5), enquanto nas menos bem colocadas é de 0,87. No caso dos exames do Secundário, os diferenciais são de 1,4 contra 4,6 valores.

Uma das explicações para esta situação pode encontrar-se no modo como as escolas decidem lidar com alunos mais problemáticos, em que muito do trabalho quotidiano passa por transmitir regras de convivência, de empenho mínimo nas actividades e de respeito pelos restantes agentes educativos. A nível interno, há escolas que preferem enfatizar o peso destinado das atitudes na avaliação, dimensão não contemplada na avaliação externa. Uma escola que reserve 30-40% para este parâmetro quase certamente terá um diferencial maior do que outra que apenas o considere em 10-15% na avaliação final. Ou seja, o que pode parecer um sinal de insucesso é a consequência de uma estratégia destinada a promover o sucesso. Mas quem analisar uma simples tabela sem este tipo de enquadramento, tenderá a retirar conclusões erradas. É isso que devemos evitar a todo o custo.

PG.JPG

4 opiniões sobre “Rankings – Avaliar para Compreender

  1. Não concordo com a interpretação benévola da hipervalorização da dimensão das atitudes e comportamentos na avaliação dos alunos. Essa arquitectura dos critérios avaliativos não visa incentivar o desenvolvimento de competências sociais, morais eetodológicas, antes, e apenas, fabricar sucesso. É uma forma de amputar os professores de um dos seus poderes nucleares: a avaliação. Senão vejamos: porque é que é justamente nas escolas em que se inflacciona a importância das atitudes e comportamentos que as direcções e estruturas intermédias de liderança mais pactuam com a indisciplina, ao ponto de a naturalizarem ou, pior, de responsabilizarem os docentes pela mesma? Tem que haver coerência entre meios e fins, e a maneira mais eficaz de promover o respeito por regras básicas em sala de aula é evidenciar, através dos resultados nos testes e outros elementos de avaliação formal, as consequências negativas da grande e pequena indisciplina.

    Gostar

    1. Eu fiz uma descrição do procedimento, não uma avaliação ou escrevi se concordo ou não.
      E posso sempre publicar a versão mais longa do texto… só que para inserir mais informação em 3000 caracteres, tive de deixar de lado alguma coisa. E a ligação à indisciplina não é o factor essencial aqui.

      Agora uma coisa digo… quando o peso das atitudes é muito grande, tenho muito mais facilidade em penalizar os incumpridores… quando chegam aos conhecimentos só se forem excelentes se conseguem safar… e raramente são.

      Tudo depende do uso que se dá ao que se tem ao dispor.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.