E as Provas?

Um programa da RTP sobre o mercado dos manuais escolares foi derrapando para uma tentativa de culpabilização dos professores por “obrigarem” os pais a comprar manuais com um par de páginas alteradas, como se isso fosse responsabilidade sua. Uma ex.ministra e um ex-ministro apareceram, em forma de pilatos, a fingir que não foram eles os primeiros a desrespeitar as regras com micro ou meso-reformas de conteúdos, programas e metas conforme a brisa. Uma associação de pais desapareceu do ecrã por ter parcerias e patrocínios que poderiam desaparecer, os grandes grupos editoriais alegaram um complot para fazer o mesmo. Ficaram por ali a debater, curiosamente em sintonia, três pessoas que tiveram de desmontar de cima a baixo uma mensagem que voltava a querer demonizar professores por serem os agentes passivos de uma corrupção de milhões. Porque as provas são sempre da ordem do diz-se que e certamente já soube ou ouviu que. Existe gente com carências éticas entre os docentes? Claro que sim. Mas é um grande salto colocar os professores todos como suspeitos de esquemas de corrupção por causa de alguém que até se conheceu há uns tempos e era uma lástima. Enquanto ao mesmo tempo se lava mais branco quem tomou as decisões de quebrar a lei que tinha publicado ou quem decidiu que deveria interferir directamente na forma de leccionar uma disciplina ou abriu todo um campo para a renovação de uma série de manuais antes do prazo.

img_3720

Sim, ouvi falar em más práticas. Sim, acredito em esquemas menos claros, mas residuais, nesta matéria. Não, não acredito em opiniões de advogados que podem ter hoje uma opinião e amanhã outra. Não, não acredito em sensacionalismos que pegam num tema por um lado e depois acabam a bater à porta dos que mal se podem defender. E sim, acredito mesmo que a maioria dos professores escolhe as opções de manuais que considera as melhores para o seu trabalho diário. O mercado dos manuais escolares e materiais auxiliares é opaco e prisioneiro de interesses, mas não ao nível das escolas que não definem alterações sucessivas e a obrigatoriedade de renovar manuais acabados de adoptar. Ou se enfrentam as coisas como deve ser e se investigam os nomes e os seus conflitos de interesses na tomada de medidas ou ficamos apenas na abordagem simplista do “o professor obrigou a comprar livros caros”. Estou nas calmas, todos os meus alunos sabem que o manual só lá está porque mandam que esteja e até é útil em Português, mas nunca recomendei a compra de materiais adicionais. Em História, compra quem quiser. As aulas não seguem o manual, os documentos, imagens e outras informações podem coincidir com o manual, mas apenas na medida em que sejam incontornáveis (não se dá a Reforma sem analisar algumas das 95 teses do Lutero ou o Renascimento sem a Mona Lisa ou o David). Já agora, dispenso dossiers com planos de aula e planificações feitas a metro , para replicar nos momentos de avaliação do desempenho, pois sempre soube fazer isso, até fiz uma profissionalização e tudo. Também sou encarregado de educação, nunca recebi manuais oferecidos para os filhos, nunca me pagaram viagens, tenho facturas da wook para mostrar que até aos colegas raramente peço algum manual, não uso agendas e gosto de comprar canetas meio espalhafatosas, sem publicidade. E eu sou como muitos outros, com esta ou aquela variação natural em mais de 100.000 profissionais.

Como disse ontem, elevem o olhar, ide em busca de quem apoia a produção de legislação que depois anotada e comenta em publicação quase imediata, quem dá formação remunerada que lhe deveria estar vedada atendendo às funções desempenhadas, protestem pela ausência de um período de nojo no exercício de cargos aqui e ali, defendem a produção de “genéricos” – como ontem se falou em off, mas sem pedido de reserva – para muitos destes materiais. Eu cheguei a dar aulas com materiais de apoio produzidos pelo ME que, com os recursos digitais actuais, não precisam ser pequenos livros de imagens. Claro que não em exclusivo. Não defendo manuais únicos ou sebentas obrigatórias, mas a tal liberdade regulada que tanto assusta liberais e não atrai pretensos socialistas ou coisas assim.

Liberdade não é deixar que a criação de um duopólio se torne asfixiante e quase destrua as alternativas, com a escolha a ser feita entre produtos quase semelhantes, com diferenças mínimas de preço. Quem deixou que isso acontecesse? Os decisores políticos por apatia e algumas outras pessoas por desinteresse em investigar o que se passava.

Por fim, uma palavra para a arraia miúda disto tudo, os promotores das editoras que andam pelas escolas, quase pagos à peça, com objectivos de colocação de manuais que dificilmente conseguem cumprir fora de duas ou três editoras dos tais grupos. Esses mal foram falados e são os mais descartáveis em todo este processo.

img_3719

10 thoughts on “E as Provas?

  1. A reportagem antes do debate foi uma merda.
    Foi uma merda porque, novamente, tentaram denegrir os professores.
    Está descansado meu caro se não calhas a lá estar, os outros não sei se iam limpar o anátema que se estava a lançar sobre uma classe. . .
    Viagens?
    Vão se fod€r.

    Gostar

  2. A reportagem foi muito muito fraquinha. E ainda bem que estava lá, Paulo Guinote! Viagens?! Garanto-vos que em mais de 30 anos a leccionar nunca ouvi sequer um rumor de tal coisa!

    Gostar

    1. Eu, por acaso, não vi o programa, porque aqui, às Bahamas, chega, mas com muito ruído. Mas não concebo por que razão não se possa aproveitar uma oferta, que ganhei porque consegui que se adoptasse um manual de Antropologia, mesmo que tenha sido necessário pagar um lanche à Coordenadora de Departamento que teimava em dizer que não lhe agradava uma coisa que lá estava escrita: que os índios do Brasil não existiam e foram levados de aí (sim, de aí, porque agora cá é mais praia!). Estou deslumbrado, tenho sido muito bem tratado e, neste momento, estou a almoçar com uma nativa chamada Leia que está habituada a receber efusivamente os enviados de aí. Quando voltar, se é que volto, conto mais. Se conseguir, porque “este rum me mata, carajo!”.

      Gostar

  3. Não vi o debate. Mas nunca me pareceu que a questão central dos livros tivesse no professores. E, tendo vários amigos professores, nunca tinha ouvido falar de qualquer esquema por trás das escolhas dos manuais. E parece-me que centrar o debate nesse aspecto é completamente ridiculo. De qualquer forma, não me parece que o Paulo seja o prof. tipico 😉

    Gostar

    1. Então vê.
      É só ver o mote de início atirado pela moderadora…intencionalmente ou não a senhora não tinha o big picture da situação.

      E quanto a corrupção da pura e da dura…

      “(….) Segundo o ministro, a tentativa de fraude pode valer 10% das despesas de saúde. “Ora 10% do orçamento da saúde é tudo aquilo de que nós precisaríamos para ter um SNS [Serviço Nacional de Saúde] moderno”. “Seriam cerca de 900 milhões de euros, que dariam para recuperar todo o edificado, todo o plateau tecnológico, para recrutar todos os profissionais”, apontou Adalberto Campos Fernandes na mesma entrevista.
      http://expresso.sapo.pt/politica/2017-01-15-Ministro-da-Saude-indica-que-muitos-casos-de-fraude-serao-revelados-em-breve

      Máfia do sangue dá meio milhão a jurada Elsa Morgado fez parte do júri que deu milhões à Octapharma.

      Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/mafia-do-sangue-da-meio-milhao-a-jurada?ref=HP_Grupo1

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.