Discordo

Desta argumentação do José Eduardo Lemos. Porque parece ignorar que antes de 2008 já era possível existir um director. E que os antigos presidentes de Conselho Executivo que se assumiam enquanto tal, eram líderes de uma equipa e “rostos da escola” na mesma. O que se afirma quanto ao reforço da democracia nas escolas com o modelo único é um enorme contra-senso porque se confunde uma representação por “corpos” (neste caso, sim, verdadeiramente “corporativa” na acepção correcta do termo) com democracia, quando ela deriva da amplitude dos que escolhem um determinado representante ou têm a liberdade de escolher o seu modelo de governação. O poder, nas sociedades democráticas, emana dos eleitores para os eleitos, não outra coisa. E não é diluindo ou mediando essa eleição que ela se torna mais democrática (seria curioso ver quem critica o modelo americano de escolha do presidente e apoia um método similar para director).

Mais importante, há uma passagem que nos pode levar a acreditar em algo que não acontece. De acordo com o J. E. Lemos foi este modelo único e unipessoal de gestão “que se abriu a Escola à comunidade e se encontrou um assinalável equilíbrio na distribuição de competências e responsabilidades pelos quatro órgãos de administração e gestão (conselho geral, diretor, conselho pedagógico e conselho administrativo), nos quais, note-se bem, a comunidade educativa está inequivocamente representada.”

A verdade é que não existe equilíbrio nenhum, pois o director está em todos esses órgãos, sendo que não é permitida a presença de qualquer elemento do conselho pedagógico no conselho geral. O director, para além de o ser, preside ao Conselho Pedagógico (formado por elementos com uma eleição limitada e dependente de pré-nomeações) e ao Conselho Administrativo. E está presente nas reuniões do Conselho Geral. Isto não é uma distribuição equilibrada de poderes. É quase (?) a sua antítese. Mas eu não sou “especialista”, sou apenas um professor que defende a possibilidade da liberdade de escolha das chefias intermédias e de topo de um modo alargado, que acredita sinceramente na limitação de mandatos e na ausência (salvo honrosas excepções) de pessoas providenciais, sem as quais o dilúvio é inevitável. A figura do director, como único “rosto” da escola torna-o mais fraco para fora (e a municipalização irá demonstrar isso de forma bem cruel) e mais forte apenas para dentro. E o pedido de reforço de poderes, por exemplo, ao nível do recrutamento do pessoal docente faz-me lembrar aquel@s professor@s que querem escolher a dedo os seus alunos.

O que vejo agora é que um micro-grupo de actores nas comunidades educativas a reagir fortemente perante a possibilidade de se abrirem alternativas ao modelo monolítico e centralizado que temos. Isso, sim, parece-me uma reacção micro-corporativa.

Com o devido respeito e estima pela maioria s@s director@s que conheço.

napoleao-i-no-trono-imperial

Anúncios

5 thoughts on “Discordo

    1. Olha que é muito boa. Simples, muito simples, daquelas sem intervenção da Parque Escolar. Mas com regras, é fácil ensinar por lá… E discordo muito do Lemos, talvez por preconceito por o homem ser do PSD.

      Quanto à gestão das escolas, o maior empecilho atual parecem-me ser os mega, onde a maioria das escolas não tem qualquer representação nos diferentes órgãos. Em escolas e agrupamentos pequenos é relativamente fácil conseguir um conjunto de representantes internos (docentes e não docentes) coesos no conselho geral. Sou dos que considera que pais devem ter um papel ativo nas decisões da escola (naturalmente moderadas pelo bom senso), sem a sua presença o funcionamento das escolas públicas é muito relaxado (basta pensar naquelas onde quase ninguém que colocar os filhos).

      1. O meu comentário foi irónico por saber e conhecer os contextos de JEL bem como acompanhar algumas das suas intervenções públicas. O que me incomoda é a dificuldade em ele perceber outras realidades, normalmente em maioria, tomando a parte pelo todo. Megas agudizaram esta situação, não a criaram. CG tornaram-se órgãos politizados (preparação para a municipalização) em que o corpo docente que o integra ainda não se conscientizou da relevância do seu papel.

  1. Bem sabemos o que os diretores pensam sobre o atual modelo de gestão… Quem tem o poder todo não quer abrir mão dele!
    Este modelo colocou a claro algumas das piores” coisas” que existem no país: a ascensão de alguns burocratas , muitos ”despotazinhos”, e a inexistência de um regime liso e democrático. A maior parte das vezes não existe nada do que J. E. Lemos alega, mas um simples arranjo entre a autarquia local e o índividuo, que, todos o sabem previamente , será o diretor. Chama a isto J E Lemos de democracia… É um regime péssimo mas que servirá, concerteza, J.E. Lemos e outros diretores mas, na minha opinião, não serve e Escola Pública e muito menos a Democracia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s