Prevejo-lhe Grandes Voos

À Leonor Beleza do PS, que agora até já faz (manda fazer? coordena? orienta?) livros sobre a Justiça em Portugal e declara em prime time ter sentido perplexidades em relação ao sistema judicial português, como se nem tivesse passado pelo governo em que o actual PM foi ministro da Justiça. Eu também tenho os meus espantos, pois vi como certas pessoas se safam. Mas lá que a estão a guardar para algo em grande, já não tenho dúvidas. Não chega senadora simbólica do ps em minúsculas e eminência académica.

SocMLR

Soluções?

Concordo que o peso das mochilas é um disparate, mas mais do que manuais digitais ou outro tipo de soluções mais oportunistas (diminuir o número de disciplinas, proibir isto e aquilo) acho que todas as escolas deveriam ter condições de conforto e segurança para que os alunos pudessem ter cacifos espaçosos para guardar parte do seu material e andar em trânsito só com o indispensável. Andar com caderno, manual, livros de atcividades, etc, etc, para 5 ou 6 disciplinas diárias não lembra ao demo. É que nem todos andam em escolas de primeira, da Parque Escolar da festa rodriguista.

E o bom sendo também se recomenda a quem pensa que a sua disciplina é a única.

O Ponces ‘Tá Safo

Despacho n.º 1645/2017 – Diário da República n.º 37/2017, Série II de 2017-02-21

Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – Gabinete do Ministro
Reconhecimento da formação académica dos estudantes e diplomados que frequentaram ou concluíram os ciclos de estudos de mestrado em Educação Pré-Escolar, Educação Pré-Escolar e Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico, Ensino do 1.º Ciclo do Ensino Básico e Ensino do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico da Escola Superior de Educação João de Deus, nos anos letivos 2010/2011, 2011/2012 e 2012/2013.
.
Se fizerem com cuidado ainda temos o relvas mesmo licenciado.
casper

Voltando à Questão Da Coragem

Política ou não só.

A verdade é que as sucessivas equipas ministeriais nos últimos 25 anos, mas com especial ímpeto nos últimos 15, têm tentado erradicar o insucesso escolar de todas as formas possíveis, com destaque para os entraves administrativos e burrocráticos à retenção, mas nunca ousaram – por saberem ser politicamente complicado e difícil de fazer ingerir à opinião pública apesar de um quarto de século de intoxicação demagógica – avançar para a transição automática dos alunos.

Em vez disso, preferem lamentar os níveis de insucesso comparativamente aos europeus (mas esquecem-se sempre de apresentar outras comparações, como a do ritmo de alfabetização da população ou a do nível académico das famílias), apresentam-se custos e apontar o dedo aos principais responsáveis pelo insucesso que, claro está, são os professores que chumbam os alunos. À direita lamenta-se o custo da coisa, à esquerda acusam-se as práticas discriminatórias e selectivas dos docentes. Quando o sucesso surge, claro, reclamam todos a responsabilidade pela proeza, dando a entender que foram eles a meter na ordem as escolas e os professores.

Quando aparecem a promover o sucesso com medidas entre o avulso, o arbitrário e o novo solavanco, claro que enfatizam a necessidade de “formar” os professores, “renovar” as práticas, “diferenciar” as metodologias, “rejuvenescer” o corpo docente. Mas lemos o nome das criaturas que aparecem a espalhar o Novo Verbo do Sucesso e damos com gente que anda nisto quase desde os tempos da colher de Salazar, excepto quase são os seus dilectos discípulos. E um tipo pensa… ou são muito incompetentes nesta sua missão de converter os professores (e note-se que são várias gerações deles, algumas delas “formadas” exactamente pelas sumidades omnipresentes) ou então há qualquer coisa que não bate certo e o maior problema talvez seja mesmo esta gente que não nos sai de cima.

Assumam de uma vez as vossas convicções até às últimas consequências, agora que (ao que consta) até já falta pouco… e deixem-se de véus e truques e cargas de papeladas e relatórios que nos fazem ruminar e regurgitar a cada semana, mês, período e ano, quando não é mesmo grelha ao dia.

Decretem a obrigatoriedade do sucesso e o fim do abandono por despacho (a começar pelo Básico, mas a estender até ao 12º) e deixem de se esconder atrás dos outros.

tarzantaborda