Tretas

Os professores só têm 11 turmas porque lhes fazem horários assim, com instruções superiores, e quem os faz raramente os tem ou nem sequer dá aulas. A ideia dos semestres é uma falácia e um barrete enorme porque – e já expliquei isso – o facto de se aumentar o número de horas semanais no semestre pode significar uma significativa redução do seu número anual, logo… a coisa do “menos alunos” não se transforma em menos tempos lectivos para os professores… é uma armadilha em que, infelizmente, vejo muita gente a cair, mesmo ao nível das associações de professores. Embora compreenda que quem ache que vai ganhar apoie a medida que lixa os parceiros. A vida é assim. Dizem que o einstein disse que há outra coisa infinita para além do universo. A essa eu ainda acrescentaria a vaidade de quem gosta de parecer bem.

O secretário de Estado anda em digressão em busca de apoios, com uma conversa doce que tem seduzido muita gente com incapacidade de raciocínio próprio. Mais gente do que eu esperaria, mesmo atendendo ao cansaço generalizado. Claro que não me espanta o apoio do pai confapiano, já do Filinto esperava que visse mais longe do que a questão das “gorduras”. O problema é que, por exemplo, eu li antes dele os livros em que ele aprendeu e ouvi antes dele as luminárias que ele segue e ainda não decidi fazer de cachorrinho béu-béu no vidro traseiro da banheira negra com chófer que no outro dia de manhãzinha me ia passando a ferro ao não parar no stop ali no cruzamento dos portais de quem vem da recta dos painéis solares.

Se ele (secretário de Estado que o ministro está perdido antes de entrar em qualquer destes combates, à procura do índice do memorando) quiser fazer alguma coisa de jeito – em vez de proclamar um “interesse dos alunos” que, a ser mesmo respeitado, acabaria com as aulas na escola – criaria áreas multidisciplinares com carga horária relevante e equipas pedagógicas para as assegurar verdadeiramente em trabalho de projecto. Ou lembrar-se-ia que apresentou um cronograma de provas de aferição que se afirmou serem “exigentes” e com base no qual as pessoas começaram este ano a planificar o seu trabalho. Que vai ser de novo demolido por nova reforma genial que terminará (desta é que é) com o insucesso e o abandono.

Mas isso seria pedir a ele e a quem o inspira uma capacidade política que escasseia, pois tudo se destina a poupar dinheiro e quem achar que não é esse o verdadeiro objectivo de uma “profunda” reforma curricular com “currículos essenciais” merece tudo o que lhe possa acontecer (a menos que lhe tenha saído no bolinho da sorte uma senha de kapo do novo sistema).
dog_sim

Ahhh… e esqueçam a redução dos alunos por turma (dividir turmas em turnos num par de disciplinas é outra coisa) ou qualquer alteração no modelo de gestão. Os lutadores façanhudos estão presos e bem presos pela fome de pizzas negociais e prontos para esquecerem toda a pouca vergonha que lhes restava nas distintas trombas. E, quando necessário, os estudos do quené já servem.

Se a prosa começa a ser um bocado menos subtil e mais abrutalhada? São os tempos…

Advertisements

2 thoughts on “Tretas

  1. Ou então recuperar alguns princípios da organização curricular anterior a 2001, com algumas disciplinas concentradas em 2 anos de escolaridade (geografia era leccionada no 7.º e no 9.º, ciências naturais no 7.º e no 8.º, ciências físico-químicas no 8.º e no 9.º).

    Tudo o que represente um destratamento das ciências humanas face às ciências físicas e naturais é um contrasenso na almeja formação integral dos putos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s