Afixe-se!

Exmos. Senhores Diretores de Escola/Agrupamento de Escolas

Exmos. Senhores Presidentes de CAP

Por solicitação do Gabinete do Senhor SEE, reencaminha-se a informação infra:

“O Ministério da Educação irá apresentar, esta manhã, aos meios de comunicação social, algumas das propostas que pretende implementar no próximo ano letivo.

Trata-se de medidas que visam aumentar a autonomia das escolas para promoverem uma maior flexibilidade organizativa e pedagógica.

Nas reuniões com as escolas, que estão já convocadas para a próxima semana, haverá oportunidade para, com maior detalhe, apresentar estas diferentes medidas.

Neste primeiro ano de implementação das medidas, a adesão das escolas far-se-á por convite e de um modo voluntário, sendo a forma de manifestação dessa vontade explicitada nas referidas reuniões.

Ministério da Educação

Lisboa, 22 de março de 2017“

Com os melhores cumprimentos,

Maria Manuela Pastor Faria

Diretora-Geral dos Estabelecimentos Escolares

arauto em desenho

Uma Questão de Estratégia

Há pouco mais de um mês era assim: “O secretário de Estado da Educação, João Costa, estima que, “se tudo correr bem”, no próximo ano as escolas estarão a trabalhar com base num “novo referencial completo” nos anos iniciais de ciclo.”.

Hoje anunciaram-se as modificações para 2017/18 que começam por generalizar-se no 3º e 4º ano. Quer isso dizer que nem tudo correu bem? Vai uma aposta em como o spin anunciará que não foi nada disso e que tudo correu pelo melhor? Porque o importante é levar adiante a coisa, a bem ou a mal e nunca perder a face!

CatAlice

Experiência-Piloto por Convite

Também quero. Porque estas coisas, para correrem bem e darem avaliações acima de óptimo costumam ser apoiadas em tudo e mais alguma coisa. Por isso, atendendo a que às escolas chegou informação que a flexibilização curricular, pelo menos no 2º e 3º ciclos (no 1º ciclo será já no 3º e 4º anos), irá ser aplicada por convite e adesão voluntária, eu gostaria muito que mandassem convite para as minhas bandas, pois seria maneira de ser apaparicado, tratarem-nos lá do pavilhão e não regatearem nos apoios às estratégias.

Como em uma ou outra que conheço é tudo com grupos a trabalhar em projecto com tablets e tudo, com o professor só a orientar as aprendizagens, desculpem, o desenvolvimento de competências numa perspectiva de saber fazer, eu gostava.

Não se deixem iludir pelo tom algo irónico do texto, porque eu sou mesmo assim quando mudo de casaca e fico todo disponível para experiências pedagógicas que já fiz quando ainda nem havia século XXI.

Smile2

Por Inglaterra

Agradecendo a referência à AC.

The formation of their cross-party alliance against grammar school expansion, which is opposed by about 30 Tory MPs, spells yet more political trouble for May on the domestic front. Last week, chancellor Philip Hammond was forced by a revolt in his own party into a humiliating budget U-turn over national insurance rises for the self-employed, and Conservatives lined up to oppose planned cuts in school funding.

Launching their combined assault, and plans to work together over coming months, in an article in the Observer, Morgan, Powell and Clegg say the biggest challenges for a country facing Brexit, digitisation and changes to the nature of work, are to boost skills, narrow the attainment gap between disadvantaged children and their peers and boost social mobility. By picking a fight over plans to expand selection in schools, May will, they argue, sow division, divert resources away from where they are needed most and harm the causes she claims to be committed to advancing.