Tirando a Necessidade de Coragem, Parecem-me Só Vantagens

Daquela ideia, cuja paternidade não reclamo, mas apenas a evocação. De transformar o modelo de avaliação do Ensino Básico num sistema em que só não transitariam os alunos a que agora se atribuem alíneas por terem desaparecido por completo das aulas ou algo equivalente, embora mantendo-se a mesma escala de 1 a 5 para todos os outros, que transitariam independentemente da sua média, até porque acima de zero é domínio do positivo e não do negativo, muito mais quando a escala começa em 1.

Desta forma, teríamos um sistema que faria evaporar o insucesso quase por completo em apenas um ano, permitindo – e este é o argumento que mais sensibilizará os nossos decisores e expertos assessores para o tema – uma enorme poupança assim de um momento para o outro, a acreditar nos valores com que nos brindam sempre que falam nas desvantagens do insucesso escolar.

Haveria ainda uma outra vantagem, que acredito menor para muita gente mas que a mim sensibiliza bastante, que é da honestidade de todo o processo: transitando todos os alunos com classificação, os professores ficariam libertos da necessidade de maquilhar classificações e produzir “positivas” a tempo de preencher as estatísticas de final de período ou ano. Se o aluno passar de qualquer forma, penso que a função de avaliação se tornaria mais justa, transparente e menos hipócrita, ficando muitos professores sem a pressão de fingir que o 2 é 3 ou que não há quem não mereça mais de 1, tão pouco foi o que fez. O aluno tem uma maioria de níveis 1 ou 2? Pronto, passa, tem sucesso, mas fica a saber-se que tem uma média de 1,4 ou 1,6 ou 2,1.

(e não se esqueçam da poupança…)

Desta forma, os alunos teriam a avaliação que merecem e transitariam na mesma, num modelo que penso ser o melhor de dois mundos, quiçá incompatíveis se não mudarmos completamente o nosso olhar sobre tudo isto. Se é o que acho mais adequado e o melhor? Já nem sei bem… digamos que atingi a fase em que acho que o melhor mesmo é sermos honestos em todos este processo. Os políticos podem reclamar o sucesso quase pleno dos alunos para si e o professor deixaria de ser fingidor, fingindo tão completamente, que chega a fingir que é sucesso o sucesso que deveras não sente.

(e não se esqueçam da poupança…)

Ousadia

3 thoughts on “Tirando a Necessidade de Coragem, Parecem-me Só Vantagens

  1. apenas seria assumir explicitamente o que se faz oficiosamente…
    a retenção já é excecional, mais especificamente para os casos de falta de assiduidade ou comportamentos criminosos no âmbito CPCJ.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.