Deixa-me Ver se Percebo Bem Isto

O senhor SE só teve conhecimento das condições (ou falta delas) das escolas do 1º ciclo para o desenvolvimento de actividades de Educação Física na sequência da preparação da prova de aferição do 2º ano?

A sério? É mesmo assim? Desconhecia? Ninguém o informou? Não visitou, não viu, não ouviu? As associações de professores de EF não lhe tinham dito nada? Prepararam a prova sem saber se existiam condições mesmo? Os relatórios das AEC não contemplam esse tipo de dados e limitam-se a dizer que correu tudo bem?

Há um momento em que é necessário levar isto um pouquito a sério, porque quem conhece a realidade do nosso parque escolar (não confundir com a a PE da “festa” da outra senhora de que estes não conseguem descolar) sabe perfeitamente que temos, mesmo com a criação dos mega-agrupamentos e dos “caixotes escolares” para centenas de miúdos do 1º ciclo, condições muito más para a prática do desporto em centenas de escolas e não falo apenas do 1º ciclo.

Que uma prova tenha sido criada sem uma análise prévia das condições para a realizar e agora se queira sacudir a água do capote, culpando o passado de que fizeram parte ou durante o qual nunca abriram a boca contra a forma como as AEC se têm desenvolvido é algo típico de quem quer “empurrar” os problemas para os outros.

Não deixa de ser caricato que se afirme que “as provas de aferição, que se realizam pela primeira vez em maio e nas quais vão participar 90 mil alunos do 2º ano, permite identificar e corrigir essas falhas”. Mas então as provas preparam-se assim? Quem as preparou (ou as criou) não se preocupou em analisar em devido tempo as condições existentes, por forma a desenvolver este processo com princípio, meio e fim? Eu sei que há grupos e associações de professores que só se lembram do pré e do 1º ciclo quando se trata de “colher” alguma coisa, mas o ME tem dados bastante actualizados sobre as escolas e se não os tem é porque não se preocupa em os sistematizar.

Mas, para além isso, as condições físicas das escolas do 1º ciclo não são responsabilidade das autarquias há muitos, muitos anos, autarquias para as quais querem transferir a gestão de todo o parque escolar? Mas então temos andado a brincar exactamente ao quê ao longo deste tempo, a discutir transferências de competências para as câmaras e depois aparece um governante e o seu séquito ocasional a apontar o dedo aos directores das escolas como se fossem eles que decidem as obras e desbloqueiam verbas para as fazer?

(claro que há gente de barriga cheia a falar de cátedra sobre isto, enquanto há gajos como eu que só conseguem ver que nos últimos 20 anos só em 2 estive em escolas com pavilhão em condições no perímetro escolar… mas isso não interessa… só sei ver o meu quintal… sou má língua… não aderi à pós-verdade…)

Eu percebo que exista quem defenda à outrance e sem olhar a meios as políticas actuais e encontre virtudes em tudo o que num país normal seriam defeitos. Até percebo que se defendam provas no 2º ano com imenso formalismo, quando antes se criticavam provas no 4º ano, a que se chamavam “exames” para diabolizar. Até percebo que há quem diga que tudo isto está a ser muito bem feito, porque é a forma de não admitir que se anda a acelerar um processo que deveria ser conduzido com a devida precaução, porque se quer “obra feita” em tempo recorde para apresentar a tempo de eleições. Até percebo que se queria dar a entender que isto está mal porque antes não se fez bem (com a “coragem” habitual de apontar o dedo de forma selectiva aos responsáveis anteriores, esquecendo quem gastou dezenas de milhões num par de escolas em concelhos onde há depois outras sem um piso ou tecto capaz para a Educação Física, porque há falta de tintinsspirous para afrontar as vacas sagradas do regime).

Não posso é aceitar que queiram que todos os outros dêem a patinha, façam béu-béu e não vejam o spin encomendado em toda a sua transparência. Porque a “Verdade” é outra. Imaginemos que eram outros a legislar uma prova sem qualquer aparente preparação prévia… quantas vestais, nogueiras e mortáguas apareceriam a romper vestes e, quiçá, a falar de fascismo educacional?

dog_sim

Não me Apetece Qualificar…

… este tipo de figura de quem anda há ano e meio a fazer de aguadeiro do novo regime. Basta comparar este tom com o de outros tempos, sendo que agora os problemas estão mais graves e não menos. A “boa vontade” encontro-a em muitas declarações de muita gente. Quanto a actos, encontro pouquíssimas diferenças.