Férias (?)

Esta palavra tornou-se praticamente proibida quando aplicada aos professores fora de Agosto em virtude do esforço comunicacional para intoxicar a opinião pública contra os professores e os seus privilégios. Antes já existiam sinais, mas o período de 2006-2009 foi de combate muito duro contra uma série de estratégias usadas pelo poder político socrático-rodriguista para nos desacreditar como profissão de indolentes desocupados. E passámos a falar em “interrupção lectiva” o que antes se assumia de forma despreocupada como “férias”, por não termos aulas, tal como os alunos, mesmo se em média ficamos de 3 a 5 dias pelas escolas a tratar de todo o trabalho administrativo e burocrático relacionado com a avaliação de final de período.

Foi uma estratégia defensiva em que até na linguagem tivemos de adaptar hábitos para nos protegermos de alguma maneira da saraivada com que nos brindavam os válteres que enviavam para a comunicação social truncagens estatísticas sobre o absentismo docente e o pouco tempo que alegavam trabalharmos. Mesmo se nas comparações estatísticas, Portugal sempre apareceu entre os países com mais dias e horas de aulas. Mas isso não interessava nada. Apoiados em algumas parcerias úteis (alguma comunicação social, o albino confapiano, algumas ancoragens bloguísticas que não apenas os abrantes, opinadores insurgentes e blasfemos, preconceituosos e armados ao pingarelho), foram-nos encurralando e hoje sou obrigado a reconhecer que nem tudo foi coragem da nossa parte e falo por mim, que também passei a usar o termo “férias” de modo muito selectivo.

Percebo por estes dias que há gente que parece não ter vivido isso com especial intensidade, passando ao lado de muita coisa, mais preocupada com outras prioridades, pelo que está disponível para, sem o peso da memória, aceitar o regresso de muitas dessas estratégias de ataque à classe docente, mesmo que em estilo suave. Por isso, querem menos aulas para os alunos, mas os professores mais tempo nas escolas, como se as nossas “pausas lectivas” ou férias não fossem essenciais para a recuperação dos níveis de energia, concentração e desempenho que a especificidade da nossa profissão exige diariamente.

Há pouco, via uns vizinhos de malas feitas a partir para as suas férias de Verão. Sei que não são professores. Cá por casa, ainda há quem ande em reuniões (sim, há quem nas escolas tenha assimilado bem a culpabilidade docente e, em especial quando é gente que não dá aulas, até se gabe de exigir a presença dos professores o maior número de dias possível nas tais tarefas da treta), mas se falarmos numa semana de férias, haverá quem por certo aponte logo o dedo aos professores que estão sempre de férias. E há quem, dentro da própria profissão, ainda alinhe no pelotão de fuzilamento moral.

Vão-se danar, catar, para o raio que vos parta. Já são muitos anos de cobardia estratégica, a adaptar a linguagem para limitar os ataques que nunca pararam, apenas mudando de pele. Não se enganem… se os professores desalinharem de novo, se levantarem muita oposição a algumas medidas em implementação, o substrato está lá sempre, naqueles que por cheirarem os corredores da 5 de Outubro (ou das Laranjeiras, ou da 24 de Julho em menor escala) pensam ser outra coisa e ter autoridade moral acrescida para desenvolverem campanhas de descrédito docente.

(basta ver como, quando eu aqui comecei a criticar certas coisas, apareceram logo comentários do género… “gastas muito tempo no blogue é porque não trabalhas…”)

O que lamento é que, graças à tal falta de memória ou ao seu voluntário apagamento, tenham conseguido apoiantes e a tal ancoragem entre aqueles que deveriam ter menos vergonha em defender os seus, sem que isso signifique ignorar as falhas que existem. Em especial, entre os que se acham com moralidade para atacar os “velhos” e acharem que são melhores e que, por isso, devem ajudar a espezinhar quem consideram estar a ocupar lugares que deviam ser seus. A mesquinhez humana em todo o seu esplendor.

ovos

Anúncios

3 thoughts on “Férias (?)

  1. Também permitimos que “dar aulas” tenha deixado de ser considerado trabalho. Trabalho agora são as “actividades”, “relatórios”, “grelhas” e afins… coisas modernas 😉
    Se o nosso trabalho com os alunos vem, invariavelmente, em último lugar, parece-me não ser necessário dizer mais nada a respeito de quem toma estas decisões.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s