Mas Depois Queixam-se se Fizermos Caricaturas ao Contrário

Para defender uma posição, nem sempre é necessário reduzirmos tudo a uma caricatura do real, quiçá demasiado marcada por traumas pessoais.

Justifica-se continuar a pedir a crianças e adolescentes que fiquem sentados numa sala de aulas, de forma passiva, enquanto o professor os inunda com saber enciclopédico debitado e factos a que podem aceder rapidamente em qualquer site ou vídeo na internet? Justifica-se que os alunos não possam falar uns com os outros para debater matérias?

Felizmente, os jornalistas que escreveram a peça tiveram a noção do quanto isto é redutor e estereotipado. Há, realmente, aulas assim e professores com um modelo velho de ensinar, mas nem sempre são os mais velhos e quantas vezes a utilização de novas tecnologias é apenas mais uma forma de domesticação do pensamento do que de estímulo da criatividade.

O grande – ENORME – equívoco de muita gente é pensar que passar parte das funções humanas para zingarelhos electrónicos melhora as capacidades de aprendizagem e as “competências”, quando apenas se trata de acelerar a capacidade de encontrar e tratar mecanicamente a informação.

Releitura do pensador de Rodin

Anúncios

6 thoughts on “Mas Depois Queixam-se se Fizermos Caricaturas ao Contrário

  1. Está a caminho uma nova forma de proletarização dos professores, reduzidos a ”entertaineres” de uma suposta revolução pedagógica. Que consiste no seguinte: uso de tecnologia e tudo a prender , investigando, supostamente investigando… Apelam a uma espécie de caos controlado porque, para o jovem dos nosso tempo, tudo é uma infindável seca…
    Depois estudar para quê? aprender para quê? Está tudo no Google…
    Podemos estar a caminho de uma nova geração, mais ignorante e acrítica, com a desculpa que são muito competentes e tal… Se calhar até é isso que se pretende… São muito competentes mas não sabem nada … porque, supostamente, está tudo ” online”.
    Há, por aí, muitos crentes, com argumentos inenarráveis, a defenderem esta nova maravilha…
    É claro que para as elites este ensino interessará pouco…

  2. Gostava de fazer uma experiência, que pudesse ser filmada sem o conhecimento dos sujeitos experimentais. A ideia é simples. Um professor apresenta à turma um dos textos destes pedagogos livre-pensadores (até pode ser um vídeo). O guião do trabalho para grupos de dois passa por ler o documento, detectar as teses e argumentos e assentar as conclusões após discussão. Pergunto: quantos alunos, no final das aulas previstas para a actividade, a concluiriam?; quantos, na verdade, teriam a capacidade de concentração para ler o texto de fio a pavio ou para ver o vídeo em silêncio? Poderia multiplicar as interrogações. O problema, que algumas luminárias não querem ver, é que a desmotivação e o insucesso dos alunos, que aparentemente tanto lamentam, não se deve à falta de fomento de competências em sala de aula devido a um modelo de ensino obsoleto que soterraria as suas vítimas sob uma avalanche de conteúdos, mas à impossibilidade de desenvolvimento de quaisquer competências de ordem superior sem a destreza em competências básicas (estar concentrado, analisar um texto, comparar informações, distinguir tese de argumento, apreciar o valor lógico e científico de um argumento), e estas competências só se adquirem através de… conteúdos. A promoção de (reais) competências e o domínio (efectivo) de conteúdos apelam às mesmas faculdades cognitivas e são vectores de um mesmo processo.

  3. Mas os tipos que tanto se entretêm a critiar as salas de aula “normais” (leia-se, os professores que lá estão a trabalhar) vieram de que escolas? E de que planeta, já agora?

    É exasperante ver o quanto qualquer coisita que pareça “diferente” (do quê?), “original” (será mesmo original, ou eles é que não conhecem mais nada?) e “moderna” (será da Idade Moderna) espevita certas mentes, convencidas de que a escola ainda funciona como (eles imaginam que) funcionava a escola do século 15 a.c.

    Quando nos deixarão concentrar no que é necessário, que RF acima sublinha, e deixam de elogiar o fogo-de-artifício só porque é uma coisa muito “inovadora” e “moderna”? Que pachorra!

  4. preconceitos enraizados,,,muitos profs não usam essa metodologia…nunca usei…vários adolescentes mesmo com tecnologia 3D não se interessariam pelos conteúdos, apenas pela tecnologia…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s