Dia do Trabalhador?

Já foi. Agora é dia para metade do pessoal ir (em especial se o dia não estiver muito bom, mas hoje até está, portanto é menos de metade) para onde a outra metade anda a trabalhar, sem ter dia do trabalhador, se calhar nem uma folga adicional para compensar. Por causa da produtividade, dos mercados, disso tudo que sabemos agora ser o mais importante para termos “credibilidade” enquanto país.

Mas isso agora não me interessa.

Este dia deveria ou poderia servir para que aqueles que trabalham e pensam ainda ter uma profissão coerente, pensarem sobre isso mesmo.

Eu cá penso que ainda gosto do que faço, mas que cada vez vou detestando mais as condições em que o tenho de fazer. Ainda não passo a maior parte do tempo a pensar se poderia passar a fazer outra coisa. Mas já me ocupa o espírito mais tempo do que o razoável. E não sou só eu. E desconfio muito daquelas pessoas que andam sempre muito alegres, a achar tudo muito bem e a ver o lado positivo de tudo (são quase piores do que aquelas que acham que tudo é mau), ficando eu na dúvida entre a idiotice e a medicação.

Sei que quem manda no ME quer ver malta como eu pelas costas… e não é de agora. Mesmo se a carreira é uma miragem e a maioria ficou no meio do deserto sem oásis à vista (aquilo de 2018, não se iludam, é quase por certo como em 2009 para ganhar votos e depois volta-se ao mesmo), o pessoal da minha idade é considerado “caro” e não alinha facilmente nas tretas que nos querem impingir como novidades e somos, portanto, “conservadores”. Não andamos ao ritmo do trote desejado, desconfiamos de cenouras ocasionais e o lombo também vai ficando calejado das vergastadas, pelo que também já não nos assustamos com facilidade. Seria muito mais fácil que nos fossemos embora, mas sem sobrecarregar muito o orçamento, para dar lugar a “novos” que, de tanto estarem à espera, talvez se revelem mais dóceis e acomodados, porventura gratos, a quem lhes arranje lugar. Basta ver certas conversas em grupos de “redes sociais” para se adivinhar o género.

Ahhh… e aquilo de haver gente em situação ainda pior não é argumento, ok?

Pois… o dia do trabalhador, mesmo com sol, mesmo sem componente lectiva, pode ser usado para pensarmos um pouco.

1Maio

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s