O Novo PAFismo – 2

Que me desculpe o colega que fez esta apresentação, mas não lhe encontro nada de especialmente inovador, a menos que há coisa de 20 anos todas as escolas por onde passei estivessem muito à frente ao nível da articulação curricular (naquela onde estou todos os anos há projectos inter ou transdisciplinares que se reflectem na própria transformação estética dos espaços e ninguém acha que é um génio…). Tudo o que aqui aparece é normal, mediano, corrente. Apenas demasiado palavroso. No que também é normal e nada inovador. Se é isto a escola do século XXI, já lá chegámos há muito. Ainda no século XX. Mas sem rodinhas nas cadeiras, admito.

Articula1ArticulaHá uns tempos que acho que o que falta a muitos agrupamentos e escolas é um departamento de marketing. Ou apenas as conexões certas.

O Novo PAFismo

Não me incomoda nada o contributo jesuíta, mas mais o facto em insistir na “mudança sistêmica”. A coisa deve ter sido feita no Google Tradutor para português do Brasil. Eu até gosto de algumas das ideias, o que me irrita mesmo é parecer que ou é assim ou somos trogloditas.

São detalhes?

Quiçá… a inovação disruptiva há muito que se instalou na nossa ortografia, portanto não há que exigir muito aos materiais que a DGE divulga.

baternacabeça