A Escola Desnecessária

Mandaram-me há bocado umas perguntas de uma revista de que desconhecia a existência sobre o ensino da Cidadania, o que se projecta para ela, os conteúdos que se têm apresentado como passíveis de ser leccionados e todas aquelas transversalidades com nome de “Educação para…”. E eu, como seria de esperar num conservador dinossáurico [sic, escrevi mesmo assim], embasbaquei ao ver aquilo tudo concentrado num parágrafo.

Ele há de tudo, desde a Prevenção Rodoviária à Educação para a Sexualidade, passando por excitações mais à Direita (Educação para o Empreendedorismo) ou Mais à Esquerda (Educação para a Igualdade de Género), numa espécie de albergue onde tudo se mete e faz girar como se fosse uma máquina para lavar tudo.

E não pude deixar de constatar que o pessoal que anda a empurrar com isto para a frente e a querer criar-lhe espaço curricular (vamos chamar-lhe assim) é o mesmo que acha que os alunos têm aulas em excesso e que devem aligeirar a carga do currículo que se percebe ser o “tradicional”, o do século XX, ou XIX, ou o que lhe passa pela cabeça. O mesmo pessoal que considera que se devem reduzir os programas a conteúdos “essenciais”.

Ora… estes “novos” conteúdos, transversais, horizontais ou verticais fazem, em razoável escala, parte daquilo que deveriam ser aprendizagens em família ou sociedade. Como em outros tempos, os da invenção do actual modelo de escola de massas (o do “paradigma de Manchester” – pré-Mourinho – para usar a designação que há muito tempo se usa para o associar à industrialização), era em sociedade e na família que se aprendia como trabalhar a terra, guiar uma carroça, ir à pesca, caçar, até brincar. E a “Escola” no seu modelo contemporâneo foi criada exactamente para ensinar aos indivíduos o que não era possível aprenderem em casa ou no seu ambiente social mas que lhes era necessário para acederem ao que agora se chamam “competências superiores” e a novas funções relevantes para a sociedade e a economia. A Matemática, as Ciências, a História, a Geografia, a Filosofia, são disciplinas que fazem parte do “núcleo duro” do currículo porque para o ensino é necessário mobilizar um saber que não se encontra sempre na cozinha, ma sala, na rua ou nos centros comerciais d’agora ou mesmo nas fábricas e oficinas d’outrora.

A Escola surgiu da necessidade de ensinar aos indivíduos o que os métodos e ambientes tradicionais não conseguiam. Não para ensinar o que lhes agradava ou interessava numa visão imediatista. Em boa verdade, surgiu para ensinar coisas chatas, daí haver quem preferisse não lá colocar os pés e ir lavrar.

Não tenho a certeza de que já estejamos numa fase em que esse tipo de saberes/conhecimentos (“enciclopédicos” nas palavras do nosso actual secretário de Estado, especializado no advérbio) pode ser menorizado no currículo e ser substituído ou mesmo suplantado por outro tipo de saberes que me parecem claramente do foro primário da família e da sociedade e só secundariamente da Escola. A menos que consideremos que a “mudança de paradigma” seja no sentido do currículo do Ensino Básico se tornar uma espécie de substituição do que deveria ser a socialização num sentido mais amplo do que a escolar. Em que a Escola se substitui à Família e à Sociedade na Educação Integral dos indivíduos. Qualquer conhecedor sofrível de História saberá que essa é a essência de todos os projectos totalitários na Educação, quando se afasta dos saberes ditos “tradicionais” e ocupa parte do seu lugar com as ideologias do momentos, disfarçadas de outra coisa. Educação Financeira soa-me a Economia Doméstica, não sei bem porquê, mesmo que não seja (ou por isso mesmo) só para as meninas.

A menos que a “mudança de paradigma” seja a da substituição do arcaísmo dos saberes “tradicionais” e estruturantes do pensamento pelas meras competências do “saber fazer”, essa forma disfarçada de desintelectualizar a Educação que remete para as teorias de algum pós-modernismo multiculturalista (versão BSSantos por cá) em que “saber fazer” unguentos com ervas da Amazónia é equivalente ao conhecimento requerido para produzir antibióticos.

A menos que a “mudança de paradigma” para o século XXI seja a da desresponsabilização quase total de tudo o que é exterior à Escola em relação à formação dos indivíduos. É verdade que o conceito de Escola a Tempo Inteiro há uma década que aponta nesse sentido. É verdade que o esvaziamento de um currículo académico mais formal em favor de abordagens do quotidiano no concreto são apenas mais um passo nesse sentido.

A menos que a “mudança de paradigma” para o século XXI queira a formação de indivíduos cujo perfil seja tão difuso e generalista na base das “educações para…” que, quando for necessário ir além de “saber fazer” a cadeira só saibam ir em busca do google.

Mas reconheço uma vantagem a esta tendência que se enquadra na evolução da espécie. Os polegares já está a crescer mais depressa.

Latexthumb

Anúncios

7 thoughts on “A Escola Desnecessária

  1. Continuamos na mesma: raciocínios assentes em esquemas binários, discursos a resvalarem para o maniqueísmo. O problema – que só existe, só se coloca, se ultrapassarmos aquelas formulações – é que os conhecimentos e as competências (ou as teorias e os saber-fazer, para usar designações correntes) não são duas realidades distintas, mas dialecticamente enlaçadas: cada uma supõe a outra e completa-se com ela.
    Já agora, a descrição do paradigma da “escola industrial” parece-me resultar algo cândida: deixa na sombra o facto de essa escola ter como missão, não ensinar apenas aquelas “coisas chatas” que escapavam à experiência e à mundividência comuns, mas também, ou sobretudo, coisas úteis, um ensino utilitário para formar cidadãos aptos a entrarem e contribuírem para o sistema produtivo.

    1. Sim, sim o Hegel e tal. Tu és trinário e o quaternário, tudo bem. Tudo sempre adequadamente vago para parecer que coiso. Maniqueísmo és tu a colocares-te sempre “fora” e a acusar os outros de não entenderem a iluminação que assiste apenas ao teu pensamento pós-binário.

      A escola ensinava coisas úteis e continua a ensinar. mesmo quando são teóricas. Não apenas as que servem à “indústria” mas também ao próprio indivíduo quando as usa para se emancipar através do conhecimento. O tal “saber fazer” é que o reduz a peça de engrenagem, mas isso sou eu aqui a pensar com binário reduzido 🙂 .

      Porque eu tenho a humildade de escrever sobre o que se passa, que vejo, que me é relatado, sobre que me informo. Não vivo num casulo de transcendência… como tu escrevias no facebook, é o que se arranja.

    2. “é que os conhecimentos e as competências (ou as teorias e os saber-fazer, para usar designações correntes) não são duas realidades distintas, mas dialecticamente enlaçadas: cada uma supõe a outra e completa-se com ela.”

      Subscrevo.

      A questão problemática advém quando, conforme conveniências ou ignorância, se pretende desligar conhecimentos de competências.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s