Se A Posição de Partida…

… é oferecer tudo, menos o que pode dar mais chatices (professores), mesmo se indirectamente – com a tal definição local da oferta (e flexibilização) curricular – até isso irá depender em boa parte dos humores do gabinete autárquico. Só falta o envelope financeiro ser agradável para lá de 2020, porque até lá estão abertas as torneiras europeias. Depois, fechando, quem se vai lixar é quem ficar na ponta da trela… as escolas, os professores, os alunos. Vamos ver gente que fugiu das aulas a sete pés logo que conseguiu a ensinar como se faz o que raramente soube fazer. Esqueçam qualquer “autonomia” e, pelo caminho, percebam até que ponto as “flexibilizações” vão ser definidas de fora para dentro na maior parte dos casos.

Se vai correr mal em todo o lado? Não… haverá excepções, claro que sim, mas o erro está em querer passar tudo, à pressa, sem olhar a mais do que uma agenda política de desorçamentação do ME.

E claro que aguardo a resposta de sindicalistas que em tempos de Crato se encresparam (do Bloco ao PS) com uma transferência de competências que era igual ou mesmo menor (a transferência do pessoal docente também já tinha deixado de estar prevista) do que esta que agora parece ir ser servida ao cair do ano lectivo. Mas como há muita gente “amiga” espalhada por aí, iremos ver como a retórica vai ser que “esta é uma descentralização diferente“.

É mentira.

herman-jose_eu-sou-o-presidente

(e agora até dá para desconfiar porque terá sido mesmo que se atrasou a legislação sobre Educação Especial…)

Coimbra tem mais Encanto…

quando a autarquia socialista dá uma mãozinha. E é logo o presidente da ANMP, não é qualquer um. Claro que pode ser só para disfarçar, mas atendendo aos antecedentes das conexões naquela zona, só falta chamarem um antigo sindicalista para agilizar tudo. A meio do mandato começam a perceber-se as movimentações dos aparelhos pelo país.

Cifrao

 

Uma Completa Novela

Tem graça ser Vieira da Silva a aparecer a apagar um fogo que se prestava a consumir alguns sectores do PS local. Assim até parece que a turbulência não passou por outro ministério e ninguém fica desautorizado e não há vencedores ou vencidos publicamente. Ou culpados pelos “eventuais erros”. Porque se os “erros” foram “eventuais”, as correcções foram reais ou também apenas “eventuais? Tendo recebido um relato relativamente detalhado sobre os meandros desta situação, consigo medir a diferença (muito, muito substancial) entre a realidade e os títulos de jornal. E é com estes casos que se vai consolidando uma série de “impressões” sobre a forma como o mundo efectivamente gira.

spin

Mas Tudo se Resolve

Mesmo que as provas de aferição do 2º ano não tenham os resultados mais desejados por quem apoiou muito a sua produção e implementação, certamente se identificarão “áreas de melhoria” que justifiquem as medidas já anunciadas pela tutela na base das “impressões”. Claro que não está em causa descomprovar as conclusões já tiradas pelos experts na matéria. Até se podem fazer parcerias com ginásios se assim se revelar importante, com as autarquias à mistura e tal, mas claro que com todos os cuidados com incompatibilidades (não vá ter-se de produzir documentos conforme as necessidades para desmentir o óbvio).

No entanto, após falar com diversos colegas com escolas e agrupamentos visitados no âmbito da avaliação externa, aquilo que me chega é a existência de algumas críticas quanto à necessidade de desenvolver mais actividades experimentais na área das Ciências no 1º ciclo (embora não só), sendo residuais as críticas ao desempenho na área da Expressões.

Para quando, portanto, umas “impressões” que justifiquem uma prova de aferição na área das Ciências (Estudo do Meio, eu sei, mas deixem lá a História, no 2º ano, tadinhos…), a qual acho que merece quase tanta importância para o desenvolvimento individual e integral das crianças, nomeadamente por ser aquela em que elas se começam a aperceber do funcionamento do seu corpo e do mundo natural que as rodeia para além da mera observação ou “saber fazer”?

KeepCalmMagic

E Se…

… os resultados das provas de aferição do 2º ano não derem os resultados “esperados” numa determinada (e cobiçada) área? Parece que se as coisas não correrem muito mal em ternos desempenho a culpa é dos professores que treinaram os alunos para as provas porque lhes deram as “perguntas” antes (mas, afinal, quem decidiu “dar as perguntas” uns dias antes?). Se correrem mal é porque os professores não cumprem o programa.

Com “amigos” assim de que inimigos precisam os professores do 1º ciclo?

Eu discordei das provas no 2º ano e continuo a discordar, mas não era por causa dos eventuais resultados confirmarem (ou não) esta ou aquela tese.  Era por serem disparatadas e, mais do que isso, incoerentes com tudo o mais. Só faltaria agora que ainda as quisessem repetir para o ano nas mesmas áreas, caso a “fotografia” não corresponda às “impressões”. Mas podem sempre inserir assim umas ponderações pós-observação e isso resolve-se. E sempre podem justificar o aumento da carga horária na mesma.

arauto em desenho

O Aconselhamento aos Concelhos

Não se admirem que aumentem – porque já existem – uma espécie de “planos municipais de combate ao insucesso”. Não se admirem que apareçam – porque já lá estão – grupos de especialistas, de trabalho, de estudos, mesmo uma variante de empresas, a dar consultoria às autoridades municipais em que os nomes são os mesmos dos de grupos de especialistas, de trabalho, de estudos que estiveram – e estão – a aconselhar o ME nessas mesmas matérias. Não se assustem, não é ilegal. Apenas é… o bom e velho chico-espertismo nacional a ver se cata fundos.

dog_sim

Ósculos

Ou bem que se querem os afectos na escola ou bem que não e então vai tudo a eito e paga-se depois ao psi. Fica mal (ia dizer nos tempos que correm, mas nem isso) ainda fazer distinções e não é por eu ser progressista ou um activista dos géneros. A intervir será apenas na base de fornecer alguma coisa importante para o bem estar d@s osculantes.

AF_GUIA_DE_MARCAS_MAI_AGO_2013.pdf

Gosto mais (obviamente) dos verdes ou pelo menos esverdeados. Incluindo o de melancia, verde por fora. E fazem bem à garganta e tudo.

(ideia de slogan… o chocho ao poder!)

Eu Acrescentaria Portas de Casa e Prédio

Gosto da dupla Quadros/Nogueira (tenho os livros todos do Tubo de Ensaio, apesar da péssima revisão). Em especial quando temos embirrações similares e acidez em quantidades equivalentes.

No caso dos carros não sei se usam a desculpa que já ouvi mais de uma vez aqui por estes lados “ah… estava habituad@ a viver numa quinta…” (pois, como diz o Bruno, deve ter sido no curral…).

PortasBater