Continua Imperdoável

Há perto de uma década um dos assuntos que despertava maiores iras era a forma como os professores tinham passado a ser tratados quanto ao seu absentismo, em especial o resultante de baixas médicas. Foram diversos os casos com amplificação mediática, em que docentes foram obrigados a regressar ao serviço com doenças terminais ou em estado perfeitamente incompatível com a docência.

Não chegámos ao mesmo ponto, mas já estivemos mais longe. Porque volto a ter relatos de coisas estranhas em juntas médicas, desde a duplicação das ditas cujas entre ME e SS com decisões discordantes a situações em que se diz a colegas para mudarem de residência se querem uma junta média que recuse liminarmente o prolongamento da licença, mesmo em casos de doença crónica devidamente comprovada. Sem direito a aposentação antecipada, lá se têm de arrastar as pessoas mais 30 dias pela escola para poderem recorrer novamente a um atestado.

E agora estamos todos quase dez anos mais velhos. Não há que o negar. Mas isso é encarado por algumas luminárias como se fosse uma culpa própria dos docentes, o de não terem rejuvenescido com os anos. E dizem que o corpo docente das escolas está “envelhecido”, não no sentido de lhes dar melhores condições de trabalho, mas sim de os criticar e de apontar a necessidade de terem “formação” para o mundo e as escolas do “século XXI” que aparentemente não entendem. E há quem por aí – será porque só começaram a dar aulas já no século XXI e a acharem-se “novos”? – pareça apoiar essa necessária “renovação” e carregue com a necessidade de novas “mudanças” a cada ano e aponte o dedo a quem “não se sabe adaptar aos novos tempos” e à “inovação” (as aspas não são citação directa, apenas as uso para destacar essa forma de “pensamento inovador”).

E eu olho para @s meus (minhas) colegas de escola, agrupamento, região, país, vejo, ouço, leio, quase todos os dias os seus lamentos perante a incompreensão de quem acha que o burnout docente é uma invenção de gente preguiçosa e privilegiada. Ou que atiram apenas para a indisciplina a razão do mal e assim esconda o continuado bullying exercido sobre a classe docente na última década.

E é aí que – perante os rostos concretos que vejo na vida real e não em visitas vipes organizadas por direcções porreiraças e amigas – a coisa para mim ganha contornos de uma fúria perigosamente mansa porque se fixa em rostos individuais de gente que, em seu tempo, não existiram, andaram a tratar da sua vidinha, fugiram a qualquer visibilidade ou tomada de posições incómodas, mas agora aparecem por aí como gurus do “novo tempo”, eles que foram colaboracionistas do antigo. Não falo de quem nem tinha idade para contar para este campeonato. Falo daqueles que foram operacionais no terreno durante a investida de Maria de Lurdes Rodrigues ou que estiveram prudentemente na sombra durante os anos quentes, a fazer a sua carreira sem riscos. Sim, já perceberam por certo que falo de alguns dos arautos do “sucesso” que andam pelo país a espalhar o Novo Verbo e pelos quais tenho um respeito mínimo, mesmo mínimo, porque não lhes reconheço qualquer autoridade moral, ética ou mesmo pedagógica e científica para nos darem lições com base em “impressões” e muito menos para nos obrigarem a ouvi-los em “formações”, sempre a pedir mais, nunca dando nada em troca sem ser palavras vazias de conteúdo, apenas conversa fiada, requentada, reciclada de há 20 anos. Sem sequer serem capazes de assumir até ao fim a sua retórica, dizendo ao país que apenas andam a fingir que o objectivo não é a transição automática dos alunos ou a culpa é da falta de “inovação” dos professores.

Há pecados originais que não há purgatório que resolva.

Verdacosta

Anúncios

Já me Despedi…

… de uma das turmas do 8º ano, graças ao facto de as provas de aferição – as provas “boas” – se realizarem nas duas últimas semanas de aulas e ainda existir o feriado de 15 de Junho (eles têm aulas às 2ªs e 5ªs) . Foram pouco mais de 60 aulas (e nem vou alinhar o que se desconta para diagnosticar, preparar, consolidar, aferir e eventualmente – retrógrado – avaliar) para leccionar do início do século XV à sociedade industrial do século XIX. O programa é longo e os conteúdos são muitos? Não propriamente… são uns quatro século animados, mas não propriamente uma imensidão… 90 minutos semanais é que são pouco tempo e exigem uma ginástica do caraças para que eles consigam reter algo de relevante para compreenderem o mundo actual (afinal a Reforma é uma das grandes fases de guerra religiosa na Europa, os Descobrimentos são a primeira fase da globalização, o Renascimento marca o início do fim das crendices teológicas e as revoluções económicas e políticas do século XVIII são a base histórica das sociedades ocidentais (ou ocidentalizadas) actuais. Se mais um tempo semanal permitiria outras abordagens, mais flexíveis? Claro que sim, mas teria de tirar essa aula ao 7º ou ao 9º ano e então os malabarismos passariam para toda a Antiguidade e Idade Média ou para o século XX. Porque entre nós a “flexibilidade” e a “autonomia” são sempre assim: dentro de um espartilho… apenas se escolhe qual da boobies se aperta mais.

Boobies

Quando nos dizem que há 25% do currículo para gerir é apenas um quarto da cela que podem decorar de outra forma… com um espelho ao fundo para parecer (e não para ser) maior.

O Velho Paradigma

Já se está a arranjar a forma de todos fazerem “prova de vida” e saírem bem de um “braço de ferro” que só alguns traumatizados articulistas do Observador tomam como certo, mas que mais não é do que uma encenação de arrufo para cumprir calendário e dar a sensação de conflito. Se já em tempos de Crato, algumas migalhas serviram para anunciar “vitórias”, o que se pode esperar de “lutas” que só irão até ao ponto a que chegam as trelas da FNEprof. Aliás, o que me consta é que isto é mais dirigido ao Conselho de Ministros do que à 5 de Outubro.

Reparem…

Já quanto às questões do descongelamento das carreiras, regime especial de aposentação e vinculação docente, a FNE admite que a urgência é menor: “Sobre as outras matérias é preciso que da reunião saia uma orientação sobre o sentido em que vamos.” Mário Nogueira, secretário- -geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), também considera a questão dos horários “a mais imediata, por ter impacto já em setembro”. Os outros temas “são de negociação mais longa”, diz, exigindo ao Governo compromissos.

Treadmill

Pensando Bem, Quero um Novo Paradigma

Porque este me parece velho. Acho que isto de “provas de avaliação” é algo que só serve para atrapalhar, perder tempo, chatear a miudagem, enterrar os professores em papelada e, basicamente, entupir o sistema todo. Agora imaginemos que isto é mesmo para aplicar – como está a acontecer com a validação de Conselhos Pedagógicos em diversas escolas e agrupamentos, numa forma de total delírio formalista – em todos os grupos disciplinares, incluindo aqueles que são formados por apenas 2 ou 3 elementos?

Provas