O Verdadeiro Rosto da “Descentralização”

A verdade é que não passa muito de uma forma de desorçamentar o OE em áreas complicadas e, ao mesmo tempo, captar verbas europeias para “projectos”. O grande problema é quando as tais verbas secarem e ficarmos com os isaltinos e aprendizes a mandar sem restrições e pouco dinheiro. Vai ser cá uma alegria andar de mão estendida e a fazer mesuras e salamaleques de cada vez que quisermos promover uma actividade de “flexibilidade e autonomia”.

Municípios querem novas competências para melhorar serviços públicos

Para concretizar proposta são necessários mais meios financeiros e técnicos e recursos humanos.

(se quiserem dar estes meios e recursos às escolas, agradecemos e fazemos o serviço sem ser preciso requerimentos aos shôres presidentes)

Câmaras vão receber mais 1100 milhões de euros com a descentralização

Isto é muita massa. Muita mesmo. Daí a cobiça. Daí muita viradela de casaca de gente que pensa estar perto de alguns dos oleodutos financeiros deste dinheirinho e agora diga que esta é a boa descentralização. Para os aldras que dizem que esta é boa e a outra do Crato era má porque agora o pessoal docente fica de fora recordemos que já antes as coisas eram tal e qual como vão ser, depois dos protestos contra essas medidas. Em Dezembro de 2014 as coisas estavam assim em termos de competências. Confirmemos em mais uma notícia de então (neste caso do Diário Económico de 15 de Dezembro de 2014 que eu ainda tenho nos arquivos do Umbigo:

econ15dez14

Quem defendia o modelo de então compreendo que mantenha a sua posição e defenda o actual, porque é o mesmo. Quem estava contra, após dois anos e meio, é de esperar que esteja contra (é o meu caso). O mais fantástico é observar as metamorfoses na área do PS (e do seu sindicalismo docente) e a perda de intensidade (chamemos assim à hipocrisia) da oposição das “esquerdas radicais”. Mas podemos sempre marcar uma greve e tal para parecer que é forte a luta contra qualquer. Quero ver como serão as greves quando existirem 300 mini-ME pelo país.

 

Anúncios

3 thoughts on “O Verdadeiro Rosto da “Descentralização”

  1. Os dois projectos são maus, mas o da direita conseguia ser ainda pior.

    A municipalização do PSD/CDS entregava às câmaras quase tudo a nível de organização e gestão pedagógica, área fundamental que o actual modelo mantém nas escolas.

    A questão de fundo é: não há dinheiro, porque andamos a pagar dívidas, bancos, desfalques de banqueiros e coisas dessas. Querem a educação sem dinheiro ou com dinheiro da UE? Neste caso, a única maneira de ir ao pote é colocar as autarquias a intermediar…

    1. Não é verdade que estivesse previsto entregar “quase tudo” na área pedagógica aos municípios.

      Não acho vantajoso ter de demonizar “os outros” sempre para parecer que se está na família nem que seja dos menos maus.

      Os projectos diferem em pouco, muito pouco.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s