Somos os Maiores Especialistas…

… no dia seguinte acerca de todas as matérias e há décadas que o somos após cada novo grande incêndio ou época de Verão especialmente fustigada pelos fogos. Anos após anos, a cada vez que as coisas correm pior (porque mal correm quase sempre, a menos que o ano esteja mau para a desejada praia), surgem cascatas de especialistas no diagnóstico após o fim do jogo. E os políticos prometem novas medidas – desta é que é que se vai fazer o investimento certo – e no ano seguinte ou nada se fez ou arrendaram-se aviões que depois se desarrendam ou se compraram meios que não chegam aos bombeiros ou descobre-se gente que está mais interessada em meter ao bolso o que pode do que em cumprir a sua missão. Os fogos são um negócio de muitos milhões, infelizmente. Mal empregues, como com um sistema de comunicações que falha quando mais é necessário (e não é de agora, como se sabe e não é apenas com fogos, porque no Inverno também vai abaixo). De muitos, mesmo muitos milhões, quando com muito menos talvez se conseguisse uma prevenção mais eficaz, só que o método parece pouco moderno ou tecnológico. Ou então presta-se menos a contratos e negociatas, pois os Guardas Florestais apenas necessitavam de um orçamento para salários e materiais. Pouco sexy em termos de negócios de Estado. Acabaram com eles e são todos responsáveis por tal asneira como aqui é lembrado.

Falta política florestal? Os particulares não limpam os terrenos e caminhos? Mas, desculpem-me lá a ignorância, o interesse público não deveria fazer com que as autoridades locais fizessem esse trabalho, esteja ou não nas suas competências e tenham ou não verbas específicas transferidas do Estado central para isso? Ou em ano de autárquicas o que está a dar é gastar em alcatrão e em (re)decoração de rotundas pavorosas?

Mas desta vez a culpa não morre solteira e soube-se com rapidez: foi a trovoada seca.

fire

Anúncios

11 thoughts on “Somos os Maiores Especialistas…

  1. Sobre os guardas florestais, é provável que não integram o núcleo das funções essenciais do estado, nas teorias da “nova gestão pública”. Segundo esta o estado deve progressivamente deixar de incluir categorias profissionais como a de assistente operacional e assistente técnico (onde se enquadram aqueles trabalhadores).

  2. Este texto surge a pedido do executivo de Passos Coelho que solicitou à Força Aérea que estudasse a melhor maneira deste ramo participar no combate aos fogos.

    O actual Governo já deu conta que esta é uma hipótese pouco provável, porque a Força Aérea teria de receber os helicópteros Kamov para manutenção. A Força Aérea não quer pois teria custos muitos elevados, não só a manutenção como a própria utilização: cada hora de voo custa 35 mil euros.

    http://rr.sapo.pt/noticia/61184/porque_nao_ha_meios_da_forca_aerea_no_combate_aos_fogos

  3. Spot on.
    Com o aumento da temperatura global, nós seremos um país cada vez mais frágil a incêndios, independentemente da sua causa. Seria isso sim um assunto de I & D a levar mesmo a sério em termos de impacto na sociedade(e não essas merdinhas de seguir o H2020 cegamente pois é aí que está o sucesso).
    Um bom investimento a longo prazo seria necessário mas, o que interessa, são as execráveis rotundas, as festanças “grátis” de Verão, a obra feita e os contratos com os amigos. Ah e o turismo que, desde que não tenha problemas com fumo e fogo, é o que interessa.

  4. Sem ordenamento florestal e prevenção não vamos a lado nenhum… Depois há pessoas que não fazem a mínima ideia o que é o país real… Muitos fogos começam em zonas absolutamente inacessíveis de mato denso. Quando chegam a zonas mais arborizadas são difíceis de parar , mesmo que as matas estejam limpas, pois , normalmente, são áreas de monocultura (pinheiro e eucalipto) com um potencial combustível tremendo! Quando oiço que os proprietários devem limpar os terrenos, parece ser uma coisa óbvia, o problema é que no interior só há velhos! Só há velhos! Apesar de estarem velhos são eles os únicos que ainda vai cuidando de alguma coisa.É a esta gente, que passou uma vida de sacrifício ligada à terra, que morre a defender as suas pequenas courelas, que querem , alguns, aplicar multas exemplares! Eles não conseguem fazer mais!!!
    Estamos a falar de áreas enormes … É absolutamente ridículo pensar-se que se pode limpar sequer uma pequena parcela do que está arborizado( com as pessoas que existem no interior do país), e já só falo da floresta está próximo das povoações!
    Depois as Câmaras Municipais deixaram construir casas em todo lado, de qualquer maneira, no meio de florestas densas!
    A solução passa, obrigatoriamente, pelo fim da monocultura florestal; criação de áreas tampão , sem vegetação, em zonas estratégicas; equipas permanentes de prevenção para apagar os primeiros focos de incêndio; criação de estradões florestais. Resumindo: planificar e prevenir. Infelizmente, espero estar enganado, tudo continuará na mesma!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s