Dualidades

É complicado conciliar uma retórica muito humanista da actual geringonça educativa com grande parte das suas medidas concretas, perfeitamente ditadas por lógicas economicistas e seduzidas pelas tecnologias. Não é que seja incompatível um ensino com recurso aos meios digitais que mantenha uma forte componente de proximidade entre professores e alunos, mas, infelizmente, aquilo a que se assiste é a uma enorme diferença entre o que se enuncia como princípios teóricos e a acção concreta, seja na sobrecarga burocrática para o sucesso, seja nas poupanças ensaiadas a todos os níveis em que possam ser feitas “economias de escala”.

Assim como é estranho montar um aparato de provas de aferição que, na sua concretização, parece estar mais ao serviço de impressionismos e grupos de pressão do que da aferição das aprendizagens dos alunos. E nem estou a falar na habitual (mas este mais notória nas provas em disciplinas não rotinadas neste tipo de processos) “evolução” nos critérios de classificação/codificação das provas.

Por exemplo… se avançar a realização a classificação das provas de aferição por meios meramente digitais, como é que isso se coaduna com tudo o que se manda afirmar para a comunicação social sobre os múltiplos factores a ter em consideração na avaliação do desempenho dos alunos?

Duvida

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s