O Despacho PAF

Sacado ao Arlindo. Não tenho quaisquer dúvidas que figurará em qualquer antologia do ensino em Portugal na Época Contemporânea, a começar pelo século XX (digo eu…).

Fica aqui: Despacho PAF.

As definições do artigo 2º são um manual do eduquês do grande arco da governabilidade em Educação (a única área que tem consenso de gente do CDS ao Bloco, pelo que quem está contra só pode ser anarca).

b) «Aprendizagens essenciais», o conjunto comum de conhecimentos a adquirir, isto é, os conteúdos de conhecimento disciplinar estruturado, indispensáveis, articulados concetualmente, relevantes e significativos, bem como de capacidades e atitudes a desenvolver obrigatoriamente por todos os alunos em cada área disciplinar ou disciplina, tendo, em regra, por referência o ano de escolaridade ou de formação;

(…)

e) «Autonomia e flexibilidade curricular», a faculdade conferida à escola para gerir o currículo dos ensinos básico e secundário e a organização das matrizes curriculares base, ao nível das áreas disciplinares e disciplinas e da sua carga horária, assente na possibilidade de enriquecimento do currículo com os conhecimentos, capacidades e atitudes que contribuam para alcançar as competências previstas no «Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória»;

f) «Domínios de autonomia curricular», áreas de confluência de trabalho interdisciplinar e ou de articulação curricular, integradas na matriz curricular-base de uma oferta educativa e formativa, em resultado do exercício de gestão local de flexibilidade inscrito por cada escola nos instrumentos de planeamento curricular.

Ao artigo 3º  – que vai até à alínea u) – ou ao artigo 4º – que só chega à k) – apenas falta acrescentar que a escala de avaliação dos alunos deixa de existir, que começa logo no 3 e que é mesmo proibido não transitar ou aprovar todo e qualquer aluno que respire (assinar o nome sem erros dá 4).

Chamo a atenção para a matriz curricular, que tem algumas subtilezas interessantes que agora é tarde para esmiuçar (em especial no 3º ciclo, mas não só), mas que só flexível nas orelhas… e fazer horários vai ser um petisco em algumas áreas. No caso do 1º ciclo (1º e 2º ano), o “aligeiramento” do currículo traduz-se na obrigatoriedade das 25 horas, quando agora podem ser apenas 22,5.

A sério… para fazer trabalho de projecto não era preciso tanto palavreio.

E quem não saltar, é velho do Restelo e não sabe ver o século XX(I).

CurricPAF

 

Anúncios

9 thoughts on “O Despacho PAF

  1. 36 páginas, lidas na horizontal, transversal, do fim para o princípio e do meio para trás e para a frente…água quase tudo e cloreto de sódio.

    Fiquei com o PCT (projecto curr de turma) na cabeça e desisti. A ler nas férias.

  2. Algo verdadeiramente mau, muito mau, com os habituais da universidade confessional em lugar de destaque… A seguir juntam-se umas assessorias inúteis, devidamente remuneradas, para promover o sucesso e vamos por aí fora… Não podia ser pior! É triste dizê-lo mas começo a ter saudades do Dr. Crato…
    Desgraçados dos professores que vão ter de levar com tal pastilha!

  3. É impressionante a capacidade de paleio desta gente. Ninguém vai ler isto com atenção (é o principal objectivo) em tempo útil. É pior que as letrinhas pequeninas dos contratos de seguros e das operadoras de comunicações.
    Um ponto positivo para a minha sardinha: Deixa de haver vergonha de chamar Educação Física à coisa, isto no 1º ciclo e consagra os 150 minutos da mesma disciplina nos 7º e 8º anos e 200 no 9º. Os lobbies lá vão mostrando sua força… Mas vai ser uma salganhada das antigas!
    Esta gente vence pelo cansaço. Veja-se o que aconteceu com as retenções/reprovações. Andaram a vender, subtilmente, desde o início do ano, a ideia de que a retenção é algo de excepcional. E não é que pegou? O odioso da coisa vai sobrar para os professores. Como sempre!

  4. lido de relance mas retido nos anexos onde algumas disciplinas têm menos carga horária semanal do que agora, o que significa mais um rebuçado para as finanças e muita mais malta a ter de ‘siriquitar’ de escola em escola anualmente…

  5. O problema não é a existência de inúteis… o problema, de todos – do país, é quando o gigantesco e tentacular “polvo” do poder e da decisão está repleto deles!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s