As “Lutas”

Para quem não tem embaraço em ser professor no terreno e em defender os direitos a ter condições condignas, sem estar sempre a ser alvo de acusações públicas de laxismo, privilégios ou coisa pior, é deprimente ver o estado a que chegaram certos grupos ou nichos muito “lutadores” quando se tratava de zurzir no Crato e na Direita, alguns dos quais – verdade se diga – vinham dos tempos da MLR sem “entendimentos”.

Só que a solução política da geringonça fez com que muita gente tivesse se calar, desviar atenções, encontrar micro-causas ou recuperar defuntos para espantalhar a malta e fingir que há “luta”, quando o que existe é uma completa rendição à situação da geringonça educacional. Depois de umas medidas meio populistas e sem impacto orçamental (fim da PACC, reformulação da BCE… e não esqueçamos que o fim do “exame da 4ª classe” foi empurrado pelo Parlamento), o essencial da política deste ME é a continuidade de políticas anteriores, apenas com maior pressão sobre a produção de sucesso.

Em relação à carreira docente, regime de aposentação, modelo de gestão escolar, rede escolar e municipalização do sector, não encontro especiais diferenças entre a actual geringonça educativa legitimada pelas esquerdas e o tenebroso mandato cratiano. As maiores diferenças  em relação ao passado mais próximo estão no regresso à ideologia das transversalidades e competências para o sucesso no século XXI, com escassa preocupação com as questões da disciplina e da autoridade do professor reduzido a facilitador de aprendizagens, ideologia que foi dominante na maior parte dos anos 90 e que muito de nós afirmávamos abominar há não tanto tempo assim.

No entanto, aquilo a que assisto, para além do ressurgimento de todo um aparato “conceptual” algo zombie, é uma completa domesticação de quase (sublinho o quase, há excepções notáveis) todos aqueles que eu estava habituado – mesmo com divergências – a considerar como gente com alguma individualidade e autonomia. Quanto às “organizações” e profissionais da luta, nunca me iludi… sempre soube que andariam pela trela, a encenar conflitos em datas concertadas e a fazer voz grossa para a plateia do Observador, o Baldaia e o MST, mais uns quantos derivados.

O que me desgosta é que exista quem se tenha deixado amansar com tão pouco, passando a fazer apenas efeito de eco dos senhores do momento, perdendo qualquer capacidade de intervenção crítica e, pior, aderindo à crítica “anti-corporativa” contra aqueles que não se vão com 30 moedas.

Enfia o barrete até aos pés quem quiser.

Pois eu sei que eles sabem que eu sei que eles sabem que eu sei. And so on.

Saco de couro com moedas antigas.

4 thoughts on “As “Lutas”

  1. Concordo. São grandes e pesados os silêncios… Tudo na mesma mas em silêncio com roupagens de inovação!
    NÃO gosto de donos do Bem e da Moral que supervisionam os outros coitados!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.