Incomodidades

A ideia deste quintal não é reviver as confusões do umbigo e andar em busca de polémicas e quezílias a cada esquina. Não é por nada, mas a sério que a coisa cansa, poucas vezes dá resultado e o gozo que proporciona vai diminuindo. Por isso, há coisas que me enviam e que eu opto por não publicar na íntegra ou de forma directa porque tenho a experiência de chatices das boas por divulgar documentos fidedignos e factos correctos acerca da vida de algumas escolas e/ou agrupamento.

Isso não impede que me sinta bastante incomodado quando recebo documentos ou testemunhos altamente perturbantes sobre a vida interna de algumas escolas, das suas (más) práticas, mesmo que justificadas com as melhores das intenções. Não falo daqueles documentos patuscos que vão buscar ao baú prosas recuperadas a sebentas das profissionalizações dos anos 90 do século passado. Falo de projectos de intervenção que são um completo acidente, de documentos “estrutrurantes” decalcados de mil outros, feitos pelo molde aprovado, ou de práticas de abuso de poder com a aprovação da tutela, nem que seja por omissão, para impor micro-políticas de sucesso. E o que mais me incomoda é que quem as denuncia volta a ter receio em assumir isso na primeira pessoas porque sabe que, mais cedo do que tarde, vai “pagá-las”.

Outro nível de incomodidade é trocar uns piropos com um dirigente associativo que, quando questionado pela demissão completa da sua organização em defender os seus (teóricos) associados junto do poder e pela preferência em ser câmara de ressonância desse mesmo poder junto dos seus (teóricos) associados, levar como resposta que os professores devem saber defender-se nas suas escolas. Isso, pá, é uma coisa que eu posso dizer porque não presido – nem faço parte – a uma associação que afirma existir para defender os direitos dos professores de um dado grupo disciplinar.

Incomoda-me o adesivismo em troca de mobilidades estatutárias e os professores que amam os alunos, em especial se conseguirem manter-se anos fora das salas de aula em que teriam de conviver com eles quotidianamente.

Mas, como se sabe, isto só me incomoda porque eu anseio por “protagonismo” e sou um moralista, ora esquerdista, ora imobilista.

Dead

Anúncios

8 thoughts on “Incomodidades

  1. Eu cá apenas necessito da sua prosa… Isto é um quintal, pode semear nele o que bem entender e ninguém tem nada a ver com isso… Protagonismo… Quem não gostaria de ter um quintal tão fértil e verdejante quanto este?

  2. Percebo… mas os professores precisam de si (ainda) mais interventivo…
    Ah! O “umbigo” prestou um grande serviço aos professores. Foi sempre uma “voz” incómoda e que se fazia “ouvir” longe…

  3. Os professores precisam que sejam respeitados. A DGAE, MEC não sabe respeitar os professores, tentam denegrir a imagem de uma classe honrrrada e rrrespeitadora, mas na realidade os “priviricadores” não são os professores, porque esses gostam daquilo que fazem e são colocados por concurso. Do outro lado … (concursos?, gosto pela camisola?, Lealdade?, …)

  4. Depois de (mais) um dia massacrante, à volta de um desses “documentos estruturantes”, apetece-me terminar a jornada com uma nota ternurenta, sinal de esperança num amanhã que, cantando ou não, seja um dia sem vento (que dê para um saltinho à praia). Por exemplo:
    O Mário Nogueira ama os seus alunos!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s