A Praga da Sandália em Pés de Gajos (Post Eventualmente Sujeito a Recriminação da CIG)

Compreendam-me… nada tenho contra sandálias em pés femininos, porque (quase tod)as meninas e senhoras os tratam muito bem antes de os expor, porque não querem ficar mal vistas umas pelas outras ou desiludir o nicho de fetichistas que consta existir em relação a essa parte do corpo. Elas, mesmo sem manual diferenciado, esfoliam todos as peles secas, amaciam as calosidades, retiram a mais minúscula cutícula, cortam as unhas e cada vez as decoram mais do que as pintam. Por isso, mesmo em situações que socialmente aconselhariam calçado menos informal, não é despropósito absoluto o uso feminino da sandália.

Já quanto aos gajos, cruzes, credo, c’um caneco e camandro que agora anda tudo de sandalinha ou chinelinho naião (consultar dicionário micaelense-continental) seja por onde for, em vez de apenas em recintos e espaços apropriados ou pelo menos compreensíveis como a praia, a piscina, os trajectos para/de e pouco mais. Porque os pés dos gajos, excepto o nicho metrossexual, são em regra assim para o feioso e descuidado com tufos capilosos a espreitar, calos de anos no calcanhar e unhacas capazes de aterrorizar os dragões d’A Guerra dos Tronos de tão grandes e enjeitadas pelos genes.

(e é melhor nem abordar o tema das tatuagens da loja dos 300…)

E um tipo é obrigado a ver aquilo por todo o lado, a menos que deixe de olhar para o chão por onde anda, com os riscos inerentes. Numa fila de supermercado, correios ou repartição de finanças é manter o queixo alto e não deixar descair o olhar ou lá temos a sandália colorida minimal e os calcantes quase desnudos num espectáculo que combina o arrepio estético com a mais violenta falta de decoro visual. Até porque há crianças por todo o lado e, na sua tendência para seguirem o que lhes parece ser popular, correm o risco de multiplicar a prática.

E depois é o schlep-schlep-schelp a toda a hora, cada vez que as criaturas chinelam de um lado para o outro de forma arrastada, achando-se jovens só por causa de sentirem a brisa nos joanetes.

(é prático e cómodo? É capaz de ser… mas está ao nível daquela forma de expelir muco apertando uma narina e fazendo força pela outra…)

Em combinação com a canelinha escanzelada e o calção largueirão a adejar, tudo abana-tudo areja, em perna que todo o bom senso aconselharia a humildade de se manter apenas disponível para exibição doméstica e nunca para pessoas susceptíveis a problemas cardíacos ou a terçolhos, temos mais um dos cavaleiros do apocalipse próximo, lado a lado com os rabos alçados de lycra dos ciclistas, as noites de microfone aberto para karaoke e os programas do dia antes, do dia-dia e do dia depois dos jogos de bola.

chinelo-de-dedo

6 thoughts on “A Praga da Sandália em Pés de Gajos (Post Eventualmente Sujeito a Recriminação da CIG)

  1. Para mim mais repugnante que chinelos, sandálias ou Crocs (que adoro) são as barrigas salientes dos homens de meia idade.
    A das mulheres ainda vá … Agora as dos machos… Blhac

    1. Caro preto r. Espero que chegue à meia idade preservando esse seu aprimorado sentido estético, com ou sem barriga saliente (mais do que isto, parece ser pedir dê mais).

  2. É muito politicamente incorrecto, mas tem toda a razão. Torna-se um exercício insuportável andar por determinados sítios no Verão, é preciso pensar bem para onde se vai para sair de casa, tal o desleixo com que somos agredidos a todo o momento… E o pior é que esta(s) praga(s) parecem ter vindo para ficar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.