Mas a História ou as Ciências São Para Semestralizar

Algumas prioridades curriculares para o século XXI do SE Costa parecem-se demasiado com iniciativas similares dos tempos do Crato de Direita, embora com raízes nos tempos de Sócrates/MLR e na introdução, por exemplo, do “empreendedorismo” no currículo.

Secretário de Estado da Educação: Formação financeira lecionada em todas as escolas em 2018

Mas há micro-lobbys com um poder assinalável na definição das prioridades da geringonça educativa, mesmo se são praticamente desconhecidos nas escolas. E é sempre interessante o aparecimento destas micro-áreas curriculares por iniciativa de governantes que tanto falam contra a fragmentação e atomização curricular e o peso da multiplicidade de disciplinas no currículo dos alunos.

Lapis

 

Anúncios

Adorei, Adorei, Adorei!|

O preâmbulo do David Rodrigues ao seu último artigo. É sempre estimulante quando alguém começa por dizer… se não pensam como nós é porque a vossa “voz” não é respeitada e é inconsequente. Porque arruma logo com qualquer hipótese de uma pessoa se sentir capacitada – respeitada e consequente – para contraditar.

Um dos resultados positivos de tanto se falar na premência de inovar a Educação é que hoje ninguém — refiro-me a pessoas e entidades que têm uma voz respeitada e consequente — nega a importância — e mesmo a urgência — desta inovação. Temos assim um largo consenso sobre a necessidade e prioridade de mudar a Educação que temos.

pensamento-de-pobre.1239556715.thumbnail

(falta-me é o referencial, logo a abrir, para o “desta”… qual “desta”?)

Incompetentes ou Corruptos

As duas possibilidades colocadas por um dos responsáveis privados (Pedro Silveira da Heliportugal) por contratos com o Estado (declarações ao Sexta às Nove e ao Repórter TVI que está a passar na TVI24) acerca dos meios aéreos adquiridos/alugados (caso, por exemplo, dos Kamov) pelo Estado para combate aos fogos: 438 milhões de euros tem sido o custo, desde os tempos do “engenheiro” à geringonça, passando pelo pafismo. Ao que parece, mesmo com relatórios do Tribunal de Contas, ninguém tem culpa de nada. O problema do país deve ser apenas o descongelamento da carreira docente.

Carteira

O Estudo Tem Chancela Prestigiada

Seja pela autoria, seja pelo patrocínio fundacional. O título é:

AS MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES DOS PROFESSORES
Apresentação dos resultados de um inquérito

Interessante… vamos lá ler porque eu gosto destas coisas.

Só que… há coisas que me deixam meio baralhado. Vejam lá se descobrem (sou pouco subtil) aquilo que me complicou um pouco a meta-análise deste quadro e respectivas conclusões, ao nível da agregação de categorias:

Docencia

 

Selecção Nacional da Paralítica Assimétrica

É óbvio que excluo da observação sarcástica – à laia de excepção notável entre os efectivos – o Manuel Grilo:

Resolução da Assembleia da República n.º 247/2017

Eleição dos representantes dos Grupos Parlamentares para o Conselho Nacional de Educação

A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição, da alínea b) do n.º 1 e do n.º 2 do artigo 4.º e do artigo 5.º do Decreto-Lei 21/2015, de 3 de fevereiro, eleger os seguintes representantes dos Grupos Parlamentares para o Conselho Nacional de Educação:

Efetivos:

– Nilza Marília Mouzinho de Sena (PSD)
– Porfírio Simões de Carvalho e Silva (PS)
– Manuel Fernando Rosa Grilo (BE)
– Arlindo Henrique Lobo Borges (CDS-PP)
– Francisco José Santana Nunes dos Santos (PCP)
– Antero de Oliveira Resende (PEV).

Suplentes:

– Maria Eugénia Nobre Gamboa (PSD)
– Maria Odete da Conceição João (PS)
– Mariana Fernandes Avelãs (BE)
– Maria Teresa Monteiro Pires de Carvalho de Noronha e Castro (CDS-PP)
– Maria Júlia dos Santos Freire (PCP
– Maria Dulce Dias Ildefonso Arrojado (PEV).

Aprovada em 20 de outubro de 2017.

O Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues.

mice