E Seria Dinheiro Muito Bem Empregue (Mas É no Condicional Muito Imperfeito e Não No Presente Como no Título)

Mas os sucessivos governos têm outras prioridades, como sistemas que custam quase tanto (e contratados a consórcios mais do que duvidosos ligados ao BPN) e não funcionam quando são mais necessários.  Só falta mesmo dizer que se descongelarem a carreira dos professores haverá maior risco de incêndios.

Professores custam mais 600 milhões/ano

Descongelar carreira docente com pagamento integral dos novos escalões custaria tanto quanto o que o Estado prevê gastar em toda a Função Pública.

A campanha anti-profes está de novo em pleno desenvolvimento. Só falta mesmo dizer que se descongelarem a carreira dos professores haverá maior risco de incêndios.

gelo

 

Anúncios

Há Plurais que me Escapam

Tenho respeito intelectual por Joaquim Azevedo e reconheço consistência ao seu pensamento, naquele sentido em que escreve e diz hoje o que me lembro de lhe ler e ouvir há décadas.

Mas há uma linha muito clara entre o seu estatuto e o meu. Entre a sua prática profissional e a minha. Portanto, quando ele escreve que somos nós, os professores, que temos de desfazer os nós em que nos enredaram e nos quais nos temos deixado estar enleados“, gostaria de deixar aquin um par de notas:

a) Sei que ambos somos “professores” no sentido lato do termo, mas é muito mais o que nos separa do que o que nos une, até porque Joaquim Azevedo tem décadas de relação estreita e quase sempre pacífica com o poder político, mandato após mandato, com a ocupação de imensos cargos na Corte apenas achando eu que é injusto se não for, daqui a 4 anos, presidente do CNE. Já vai sendo tempo.

b) São poucos os “professores” fora de algumas redes especiais que podem gabar-se de ter uma influência evidente sobre o sentido de algumas políticas educativas, nomeadamente ao nível da municipalização e do desenvolvimento curricular, e participar em parcerias e consultorias para a sua implementação no terreno, através de contratos com autarquias (vejam-se os casos de Lousada, Matosinhos e Óbidos).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não estou a dizer que estas práticas são ilegítimas ou ilegais, porque o não são. O que me arrepia é a pronominalização usada.

É que por vezes podemos acreditar que tudo isto é para “nosso” bem. Pois… quiçá, porventura em outra encarnação, mas nem por isso. Há sempre os que, querendo parecer iguais, são mais iguais do que outros.

Animalfarm

Falácias

No Sexta às Nove, a peça sobre os concursos de mobilidade dos professores terminou de uma maneira que dá a entender que muitos professores não tiveram horários completos a 25 de Agosto porque hordas de outros colegas doentes (a sério ou nem por isso) terão ocupado essas vagas em Julho, ficando menos disponíveis.

Isto necessitava de algum contraditório, nomeadamente nos seguintes pontos:

a) Não ficam “menos” vagas porque existem colocações em mobilidade de doença. Podem mudar de local, mas não se reduzem.

b) Acreditando que as mobilidades por doença foram ocupar vagas pretendidas pelos colegas qzp, haveria que demonstrar se quem foi colocado por motivo de doença saiu de escolas onde depois aqueles colegas foram colocados. Porque se alguém fica em Bragança e saiu de Vila Real isso não justifica que um professor de Bragança fique em Leiria. Não é assim tão simples, mas dá para perceber que não se pode fazer corresponder directamente as colocações por doença à “falta de vagas” em qzp.

c) Grande parte das mobilidades por doença correspondem a docentes com direito a alguma redução ao abrigo do artigo 79º (2 ou 4 horas, por exemplo, ou mais) ou mesmo a reduções por motivos de saúde. Logo… não seriam vagas de horários “completos”, mas sim de horários incompletos (18, 20 horas lectivas ou menos) pelo que – a acreditar nas explicações do ME que servem para enganar jornalistas estagiárias ou satisfazer quem quer ser satisfeito – nem estariam a provimento no dia 25 de Agosto, de acordo com as respostas dadas pela DGAE e a SE Leitão a este respeito. A própria explicação do ME se anula a si mesma… só que para se perceber isso é necessário conhecer os mecanismos dos concursos sem ser pela rama.

Mas nada disto explica duas coisas básicas:

a) Porque tiveram os directores de submeter duplamente horários que já tinham sido colocados até dia 14 de Agosto?

b) Porque dá o ME a entender em off que os professores aldrabam razões para “escapar à mobilidade interna” se está nas suas competências verificar se essas situações são reais ou não e se há médicos que actuam de forma fraudulenta (falou-se em 39 juntas médias, das quais em 9 se teriam detectado questões fraudulentas, nem chega a 1% de casos inspeccionados). Ou isso é só matéria para o ministério da Saúde? E porque não foi a jornalista em busca desses médicos, até porque deve dar para saber se existe alguma “concentração” anómala em alguns consultórios ou médicos. Daria muito trabalho?

E depois há ainda uma coisa fantástica que é ter uma reportagem a apresentar a (nova) versão conveniente sem que ninguém surja a defendê-la, nem sequer se refiram quaisquer fontes, mesmo que anónimas? Porque, de um dos lados as pessoas deram a cara, enquanto do outro se permitiu que a versão circulasse na sombra. É bom ainda que se perceba que muitas vezes há peças que não são os que se pensa que virão a ser e não é raro que contenham dados ou ilações erradas. Estive lá uma vez e sei o que, ao vivo, a poucos minutos de iniciar o debate, tive de contestar, em conjunto com o outro convidado, acerca do que ia ser dito sobre a forma como os manuais são adoptados, pois o que se queria “demonstrar” era a corrupção que seria uma espécie de regra entre os professores.

KeepCalmMagic

 

O Candidato de Balsemão

Está na primeira página do Expresso a bater no Santana. Claro que são critérios editoriais que ditam tal escolha de título, mas dá bem para perceber que Rio tem muito pouco a dizer ao país. Se Santana também não tem? É possível, mas contra o projecto balsemâncio de juntar Costa e Rio no Cemtrão da Desgobvernança, aceito quase tudo. Até o remake de um filme da série B.

Exp28Out17