Um Telejornal, Pelo Menos Dois “Factos Alternativos” (=Mentiras)

Na RTP1, a completar a reportagem sobre a manifestação junto à Assembleia da República (em que Mário Nogueira anunciou uma vitória a ocorrer não sei quando), apareceu uma “explicação” sobre a situação da carreira docente que contém duas “inexactidões factuais”, qualquer delas desnecessária, depois de tudo o que tem sido dito e redito

A primeira:

IMG_6656

Não são apenas 7 anos, porque se acumula a este congelamento o de mais 2 anos, 4 meses e 2 dias de 30 de Agosto de 2005 a 31 de Dezembro de 2007.

A segunda:

IMG_6657

Não existe qualquer professor em exercício que chegue, com as actuais condições, ao topo da carreira (actual 10º escalão) em menos de quase 45 anos de serviço e isto só é válido para quem em 2010 já tinha chegado ao actual 9º escalão. E quando se fala que na questão do “mérito” para comparar com o resto da administração pública metem os pés pelas mãos, porque os professores (para o bem e o mal) uma avaliação do desempenho docente com classificações e quotas de progressão no acesso ao 3º e 5º escalão. Há professores em exercício com mais de 34 anos de serviço que estão a 2 ou 3 escalões do referido “topo”, bastando para isso terem tido “azar” no timing das progressões anteriores. E esse “topo” é uma coisa mítica, usada apenas para aldrabar estatísticas sobre as remunerações dos professores.

Quanto ao facto do actual PM ter contabilizado o “impacto orçamental” da reposição integral do tempo de serviço docente, a ser verdade, apenas dá conta da extensão do esbulho partilhados por todos os governos desde 2005.

Repetir uma Mentira para Parecer Que é Verdade

A SICN continua a afirmar (acabei de ouvir no noticiário das 15.00, enquanto às 15.07 até foram desenterrar declarações de MLR em 2008) que os professores pretendem a contagem integral do seu tempo de serviço e pagamento de retroactivos. Esta última parte é completamente falsa. Nem os mais “radicais” alguma vez pediram isso, como é se vê no texto da petição que agrega as reivindicações actuais. Ou no próprio cartaz de apelo à greve.

Greve15nov

Porque insiste a SICN na mentira?

Grande jornalismo.

Sugestão da Artemisa Coimbra

Recolhida no fbook:

Deixo aqui a solicitação/requerimento, enviado em nome da minha pessoa, ao Presidente da República e restantes órgãos da Assembleia da República sobre o propósito de canalizar o desconto do vencimento do dia 15 de novembro por motivo de greve. Já recebi a confirmação de entrega por parte de alguns desses órgãos.
Aqui vai:
http://www.parlamento.pt/Paginas/Contactos.aspx

[preencher com os dados pedidos e obrigatórios]

Presidente da República
Grupos Parlamentares
Secretário-Geral da Assembleia da República
Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar
Direção de Serviços Administrativos e Financeiros
Divisão de Gestão Financeira

Assunto: URGENTE: Solicitação/Requerimento

Exm/@/s Senhor/@/s Deputad@s ou Exmo. Senhor Secretário-Geral ou Exm/@/s Senhor/@/s

Eu, fulan@ de tal, portador/a do CC nº 0000000, NIF nº 0000000, venho por este meio solicitar que o desconto no meu vencimento de educador/a ou professor/a do ensino básico ou do ensino secundário, decorrente da minha adesão à greve do dia quinze de novembro p.f., reverta a favor de tod@s @s lesad@s dos incêndios ocorridos neste fatídico ano de 2017.
Mais requeiro, no âmbito da lei em vigor, que me sejam dados a conhecer os mecanismos legais para que tal se concretize.

Local, 13 ou 14 ou 15 de novembro de 2017 [se posterior,
alterar, no corpo do texto, novembro p. f. para novembro p.p.]
(Nome completo e legível)
————
Exmo. Senhor Presidente da República,

Eu, fulan@ de tal, portador/a do CC nº 0000000, NIF nº 0000000, venho por este meio solicitar que o desconto no meu vencimento de educador/a ou professor/a do ensino básico ou do ensino secundário, decorrente da minha adesão à greve do dia quinze de novembro p.f., reverta a favor de tod@s @s lesad@s dos incêndios ocorridos neste fatídico ano de 2017.
Mais requeiro, no âmbito da legislação em vigor, que me sejam dados a conhecer os mecanismos legais para que tal se concretize.
Dou, ainda, a conhecer que também dirigi este pedido aos seguintes órgãos da Assembleia da República: Grupos Parlamentares, Secretário-Geral da Assembleia da República, Divisão de Informação Legislativa e Parlamentar, Direção de Serviços Administrativos e Financeiros e Divisão de Gestão Financeira.

Local, 13 ou 14 ou 15 de novembro de 2017 [se posterior, alterar, no corpo do texto, novembro p. f. para novembro p.p.]
(Nome completo e legível)

lampadinha21

Uma Manhã de “Limpeza” Por Ordem da J. Freguesia da Quinta do Anjo

Eu sei que há umas luminárias que dizem que é assim que se faz a “limpeza” das oliveiras, mas ainda não percebi se a ideia é também limpar a passarada que anda em alvoroço com o desaparecimento do poiso. Ao voltar a casa à hora de almoço deparei com o espectáculo dantesco que é a “poda radical” das oliveiras por esta zona. Uma que ainda está de pé é assim:

IMG_6655

Depois da “limpeza” o resultado é este (sim, eu sei que crescem de novo e depois parecem anãs como outras aqui perto a que foi aplicado este tratamento há uns tempos):

 

E quando um cidadão está a fotografar um local público, há sempre o homem de moto-serra que vem pedir satisfações e gritar-nos que só anda a fazer o que lhe mandaram e a seguir começa a telefonar a pedir reforços por entre ameaças de “se eu sei onde ele mora”

IMG_6652