Penso Eu De Que

Uma passagem do texto (algo áspero e com nomes nos bovinos) para o JL/Educação da próxima semana.

(isto é feito com muito avanço)

A ausência de uma defesa clara dos professores nestes momentos de conflito mais aberto por parte dos responsáveis políticos do ministério da Educação tem, em meu entendimento, um significado importante, pois reforça a clivagem que já vem de longe entre decisores políticos e professores e a enorme desconfiança da generalidade destes em relação àqueles. Com interesses circunstanciais contrários ou não, parece-me impensável que num país que em alguns momentos se quer civilizado, “europeu”, desenvolvido, a classe docente possa ser assim difamada em terreno público perante o silêncio do ministro da pasta e dos seus secretários de Estado. Sabemos que existem antecedentes piores, mas a omissão perante este tipo de ofensas não é argumento. Tiago Brandão Rodrigues, Alexandra Leitão e João Costa têm uma missão pedagógica a desempenhar nestas matérias, ou tornam-se apenas versões menos agressivas da tríade Maria de Lurdes Rodrigues, Valter Lemos e Jorge Pedreira que em 2007 apostaram em virar a opinião pública contra a classe docente no seu todo.

PG Verde

 

4 thoughts on “Penso Eu De Que

  1. Não está directamente relacionado com o “post” mas com muitos outros BONS “post´s” anteriores.
    Estrutura das actividades em portugal a ensinar às criancinhas da primária:
    – Sector público
    – Sector privado
    – Sector dos avençados do público (conjunto dos “empreendedores e inovadores” do privado que enchem, vivem e ou lucram à custa do estado… “mais que as mães”)

    Para que servem, na verdade, as empresas públicas??? Qual o universo de empresas públicas em Portugal??? Empresas nacionais, regionais, autárquicas – centralizadas, desconcentradas e descentralizadas ??? Enquanto as câmaras mais sujeitas a inspecções (eventuais) e ao tribunal de contas (não é que faça grande diferença… pois quem paga são sempre, invariavelmente, os mesmos)… olhe-se para o universo de empresas públicas, institutos e afins que passam ao lado… e, quem são os indivíduos que por lá andam… olhe-se para a sua orgânica, estrutura, orçamentos, contratos… e quem paga??? Quem paga???
    Devem ser as universidades de verão e similares – as web summit cá do sítio – onde se relembram posições, interesses, cargos, partilhas, amizades,… enfim… empreendedorismos e cluster´s da excelência em “mamar” no estado; as reuniões do avental, o apadrinhamento e as soluções que a lei quando não contempla passa a contemplar a jeito…

    Contrariar grandes interesses??? – Brincalhões! – Então e quando eu sair daqui??? e a minha descendência, amigos e colaboradores???

    A forma como a “coisa PÚBLICA” é tratada pelos governantes e gestores do erário público tem a sua absoluta visibilidade (para quem quer ver, com toda a certeza) no INFARMED!
    Todos comentam o “patati, patata” mas ninguém comenta a gravidade das “jogatanas” políticas, interesses, clientelismos, partidarismos, agraciamentos, trocas,…, que subjazem a inúmeras decisões que custam ou poderão custar milhões aos cidadãos nacionais e… mesmo que não custassem, a “COISA PÚBLICA” não é pertença dos governantes para que a joguem de acordo com os seus interesses!

    Não há racionalidade, não há avaliação, não há planeamento… O que acontece na educação, na segurança, na saúde, na justiça, na energia, nos transportes/telecomunicações,…, é exactamente o mesmo… só que desta vez o ímpeto foi de tal forma impetuoso (o berreiro e a choradeira deve ter sido de tal ordem… mas, pelo menos, não foi “da rua”) que nem tiveram tempo de fingir com umas “comissõezitas”, uns “relatóriozitos”, uns “parecerzitos”, uns “despachitos”, umas “transferênciazitas de competências”, “um atira o barro à parede a ver se agarra”, …
    No caso da educação, a coisa deve ter sido mais ou menos assim:
    – eh pá, vê lá se tratas de arranjar uns esquemas para pôr aquela malta a ganhar menos, a amochar e se possível, a dispensar uns quantos e olha que a coisa até já vem sendo preparada e no orçamento reforçada…
    – então, em troca…
    – em troca, podes brincar aos currículos, às escolinhas, aos projectinhos, aos professores generalistas, às escolas do séc. XXI… até podes dar o teu nome à “reforma” da coisa ( também, ninguém que saber)
    Soma e segue: enquanto brincam aos currículos e às escolinhas vão tratando daquela “raça” , daqueles “gajos” que progridem sem mérito, que não são avaliados, que chegam ao topo de carreira, que trabalham pouco e ganham balúrdios, que são uns privilegiados (na sociedade, na função pública, no mundo, no universo) e que em vez de darem aulas fazem greves, …aqueles “miseráveis professores”…
    Tanta gente desonesta, tanta gente mentirosa, tanta gente falsa, tanta gente de má fé… A vergonha foi, definitivamente, enterrada!

    Miserável mesmo é este país, incapaz de aprender com o passado, incapaz de aprender com o exemplo dos outros e incapaz de olhar para a sua própria pobreza que serve a riqueza crescente de crescentes outros!

    Gostar

  2. Uma vez que tem acesso à CS, agradeço em meu nome e o nome de tantos professores, este pedaço de escrita.

    Difamação vil a toda uma classe profissional é o termo certo.

    E esta “defesa clara” dos professores deveria ser estendida ao PR e ao PM. De forma clara e inequívoca.

    Gostar

    1. Nestes últimos meses, não ouvi uma palavra que dignificasse e valorizasse os professores, nem da boca do PM, nem da boca do Srt. Presidente da República- O Sr. Professor que está em todas e que tudo comenta, com beijo ou sem beijo. Os silêncios e as omissões são esclarecedores.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.