Há Quem Tenha Sorte

Como explica o Arlindo, há colegas afortunados, pois “pelo quadro apresentado pelo ME serão reposicionados em escalões sem passar pelas quotas e as aulas observadas de determinados escalões onde elas são obrigatórias.”

Pois… Há coisas “extraordinárias”…

Dados

21 thoughts on “Há Quem Tenha Sorte

  1. Exactamente. Reforço a pergunta: Por que carga de água!!!???

    Replico aqui um post que deixei no blog do Arlindo.

    Ultrapassagens ilegais. É isso que vejo.

    Só falam dos que ingressaram na carreira depois de 2000 e os outros que já estão na carreira há muito mais tempo? Ficam a marcar passo, ou seja “a ver navios”?!!!

    Vou exigir em tribunal um profundo escrutínio dessas reposições! Entrou na carreira quando? Progrediu quando? Que graus obteve, que permitissem progressão e quantos anos? Que notas teve nas avaliações? Teve aulas assistidas?.

    Por exemplo: os “dois” do 7º escalão que progridem quem são? É que houve muitos enganos das direções nas progressões quando saiu a confusão dos regimes transitórios dos titulares que eram e deixaram de ser! Uns estavam no 6º escalão e transitaram automaticamente para o 8º , outros transitaram para o 7º e outros ficaram a marcar passo e, à posteriori, tiveram de meter ação judicional para progredirem e receberem retroactivamente sendo severamente penalizados em impostos. Muitas injustiças ocorreram aquando dos regimes transitórios e agora vai haver mais ultrapassagens. Umas escolas decidem de uma maneira e outras de outra. Desta vez não vou ficar quieto. Estou farto de gente esperta e saloia.

    Gostar

  2. SE é verdade que defendo a justiça do reposicionamento, acho que isso deveria ser feito com base no tempo de serviço prestado, com desconto dos congelamentos aplicados a todos, mas com a salvaguarda do acesso aos escalões que tiveram condições que muitos tiveram de cumprir.

    Desde o início que acho este processo “extraordinário” feito à medida de apenas alguns.
    Não serão muit@s.
    Certamente se conhecerá quem.

    Gostar

  3. Só será reposta alguma justiça, se todos os docentes virem a contagem dos quase dez anos que, à boa maneira estalinista, querem apagar da história profissional de cada um, e forem reposicionados no escalão correspondente, onde deveriam estar há muito. Já nem falo no pagamento dos retroativos correspondentes, cujo roubo parece já ser um facto assumido pela “impossibilidade orçamental”. Mas com um reposicionamento correto e com o índice remuneratório correspondente, a partir de 2018, far-se-ia já alguma (pouca) justiça…

    Gostar

  4. Tenho 24 anos e 2 meses de serviço completos.
    Estou no 3° escalão.
    Tive de AMOCHAR de 1993 até 2000. Só entrei nos quadros em 2000 devido à inexistência de grupo disciplinar 550. Não existia grupo mas o governo precisava de nós todos os anos.
    Quem me dá agora esses 7 anos perdidos sem escalão?

    Alem desses, quem me dá os outros 9 anos e 4 meses?
    E quando for para o 5° escalão tb me irão colocar lá sem barreiras definidas?

    ADEUS SINDICATOS.

    Gostar

  5. Aqui vai o mail que enviei para o MEC, Sindicatos, e afins. Claro que será ignorado, sugiro que todos enviem um a discordar do acordo para a FENPROF, para a FNE e para os outros tantos sindicatos, mas, mas enviem em especial para progressoes.dgae@dgae.mec.pt

    Ex.mo Sr. Ministro da Educação

    Tiago Brandão Rodrigues

    “Professores com menos tempo (3 anos, onze meses e 234 dias), são integrados a 1 de janeiro no 2º e até no 3º escalão, enquanto os mais antigos ficam no 1º”

    Venho por este meio solicitar explicação relativamente ao processo de descongelamento.

    Sou professor desde o ano letivo 2000/2001, ano em que fiquei colocado em mini-concurso com horário incompleto, 10 horas, que após um mês passaram a 20 horas. Foi o único ano incompleto que tive, passei a arriscar todas as escolas com o objetivo de vincular sem esperar que abrissem vaga ao lado de casa. Quem quer trabalho procura-o.

    No ano 2002/2003 entrei em Quadro de Zona Pedagógica e passei a quadro de nomeação definitiva, encontrando-me atualmente em Quadro de Escola.

    Tenho pouco mais que 17 anos de serviço, dos quais 9 anos, quatro meses e uns dias foram congelados, ou seja, tenho aproximadamente 7 anos e pouco mais da minha carreira sem congelamento.

    Acontece que ainda estou, como todos os colegas que efetivaram na mesma altura que eu, no índice 167 (o tal índice por todos apregoado, em que só os contratados que efetivaram depois de 2011 estão, o índice de quem está a contrato à uma vida, falso). Toda a minha experiência de quadro, desde 2003, tem sido com o índice 167 e ainda aufiro por esse mesmo vencimento.

    Penso que esta situação irá ficar nos anais da história de absurda que é. Dará uma boa capa de jornal: “Professores com menos tempo (3 anos, onze meses e 234 dias), são integrados a 1 de janeiro no 2º e até no 3º escalão, enquanto os mais antigos ficam no 1º”.

    Efetivei na altura errada, estou no 1º e por cá ficarei mais 3 meses, longe de casa e a fazer vida onde há trabalho, porque não contei nem com a norma travão, nem com as vinculações extraordinárias, nem com os subsídios de caducidade quando cortaram os subsidio de férias, nem nunca.

    O mesmo irá acontecer com os outros escalões, há docentes que tinham imenso tempo de serviço, que efetivaram nas vinculações extraordinárias anuais (um contrassenso) e que com menos tempo de serviço que um docente que se encontre já no 5º escalão, passarão diretamente para o 6º ou 7º.

    Este problema surge com a alteração dos escalões da Ex-Ministra Maria de Lurdes Rodrigues. Na altura desta mudança de paradigma quem estava no 4º escalão, o meu caso, passou para o 1º escalão sem ser contado o tempo de serviço anterior à alteração, o mesmo aconteceu a todos os docentes noutros escalões. Nessa altura havia a norma de que quem entrava na carreira integrava sempre o 1º escalão e começava a progredir desse patamar, não era inserido, para evitar ultrapassagens e cortar na despesa. Quem entrou após 2011 não sofrerá as consequências desta lei, porque não efetivaram no momento errado.

    Agora optou-se pela integração dos docentes que já estão no quadro, e bem, mas só se conta o tempo de serviço dos que efetivaram após 2011, o que me parece ser um tratamento de exceção perante situações idênticas (docentes que se encontram no 1º escalão e que foram integrados na carreira). Qual é a diferença entre estes docentes e a minha pessoa? Integrei o quadro “demasiado cedo” e alguém decidiu que a norma só se aplica aos docentes que entraram em após 2011, sem nenhuma lógica que o fundamente.

    Não fui inserido na carreira porque efetivei “demasiado cedo”, porque concorri para escolas que muitos dos meus colegas, por opção, aparentemente acertada, não quiseram concorrer.

    Foi um mau acordo, sou da opinião que V. Exa. acordou uma integração que não cumpre os preceitos constituídos de não discriminação.

    Sinto-me discriminado por ter efetivado “demasiado cedo” em relação aos colegas do acordo, fico feliz por eles, merecem, mas é injusto não haver tratamento igual para todos, a defesa sindical foi má e o decisor, a meu ver, decidiu mal.

    Demasiado cedo para ser inserido na carreira e demasiado tarde para sair do quadro e voltar a ingressar.

    Espero que V. Exa. se digne analisar esta situação que trará mais confusão à escola e que perdoe qualquer falha de tratamento que inadvertidamente possa ter cometido derivada do cansaço do final do ano letivo.

    Atenciosamente

    xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

    14/12/2017

    Gostar

    1. Isto é absolutamente vergonhoso e está a ser encoberto com a conivência dos sindicatos.

      Que interesses estão aqui escondidos?

      Novamente, é vergonhoso e revoltante.

      Gostar

    1. Há alguma plataforma/petição/ação de luta programada contra esta injustiça? Se os sindicatos não nos representam e criam ainda mais injustiças, hão-de existir outras formas de luta! Não pode haver exceções feitas por encomenda!

      Gostar

  6. A Fenprof insiste que ninguém sairá prejudicado… Mas depois publica este “tesourinho” na sequência da reunião de dia 15:
    “- Recuperação do tempo de serviço: O tempo de serviço a recuperar são 9 anos, 4 meses e 2 dias, tal como recomenda a Assembleia da República ao Governo, na sequência de projeto de resolução apresentado pelos PE Verdes e que mereceu votos favoráveis de PS, BE, PCP e PEV e, também, como já foi garantido pelo Governo Regional da Madeira ao SPM/FENPROF. Para a FENPROF, a recuperação deverá acontecer em 5 anos, devendo, em média, ser recuperado anualmente 20% do tempo perdido.”
    Sendo que:
    “- Reposicionamento: Os professores que ingressaram na carreira no período de congelamento deverão ser reposicionados sem benefício nem prejuízo em relação aos que, com o mesmo tempo de serviço, ingressaram antes do congelamento. Como tal, não ultrapassarão nenhum colega com o mesmo tempo de serviço, nem ficarão atrás desses colegas para, no momento do descongelamento, dele usufruírem nas mesmas condições.”

    Continuam a subestimar a nossa inteligência. Ou será que têm razões para isso?!
    O pior cego é aquele que não quer ver…

    Gostar

  7. “Continuam a subestimar a nossa inteligência. Ou será que têm razões para isso?!
    O pior cego é aquele que não quer ver…”

    Tanta insinuação escondida.
    Tanto lançar de culpas para os sindicatos.

    Caríssimos, não há ME para estas questões. Só para as enquadrarem em pedagogias do “séc XXI”.
    Só há MF.

    Aborrecido esperar 5 anos pela hipotética recuperação, não é?

    Mas queremos estar no euro, não querem? E continuar a ser bons alunos, certo?

    Aguente-se, pois.

    E digamos que, ceguinhos ( ou invisuais, mais correcto politicamente), são muitos de vós.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.