O “Exercício” da Aldrabice

Quanto à diferença dos números que constam no documento divulgado esta semana pelo Governo e os que chegaram depois aos sindicatos, o Ministério da Educação garante que “não há qualquer contradição”, já que se referem a exercícios diferentes. “Na apresentação divulgada constam todos os docentes que, ao longo de 2018, somam o tempo necessário para progredir”, explica a tutela. E esses totalizam os tais mais de seis mil e de sete mil que reúnem pelo menos uma das condições – o tempo de serviço – para mudar para o 5º e 7º escalão.

Falta depois saber quantas vagas vai o Governo abrir nesses patamares e quantos conseguirão progredir diretamente.

UM QUARTO CHEGA AO TOPO

Com a existência destes filtros, o número de professores que vão progredir em 2018 não ficará acima dos 50 mil, como anunciado inicialmente. No limite máximo, e seria preciso que as quotas fossem de 100%, mudariam de escalão 38.500 docentes, calcula a Fenprof.

“Face a estes novos números para dois escalões (o que levanta legítimas dúvidas sobre a validade dos apresentados para os restantes), seria indispensável o Governo refazer todos os cálculos que apresentou e que, afinal, são incorretos. Perguntar-se-á a razão por que o Governo divulgou um documento tão pouco rigoroso. Não foi incompetência técnica, terá sido, mesmo, falta de seriedade política”, acusa a federação.

O que foi enviado para a comunicação social no início da semana, para consumo acrítico e divulgação pelas escápulas habituais, não passou de um exercício de propaganda vergonhoso a lembrar outros tempos. Os números fazem-me lembrar aquelas coisas que se apresentaram nos tempos da troika como sendo “estudos”, mas que depois tinham os números errados, desactualizados ou truncados. E os números que o ME tem divulgado sobre os custos das progressões, do descongelamento ou da recuperação do tempo de serviço são sistematicamente falsos, mesmo não tendo eu acesso a qualquer informação privilegiada. Basta ter uma pequena noção dos valores em causa. dos mecanismos e tempos de progressão e fazer uns cálculos muito básicos. Ainda bem que a Fenprof decidiu, dois anos depois, abrir os olhos e aguçar o engenho que nem sempre teve disponível.

Eu sei que há quem diga que a culpa é das Finanças e de uma outra qualquer secretária de Estado, mas eu prefiro que a culpa seja solidária, incluindo quem quer passar pelos intervalos da chuva, alegando que não é da sua “área de competências”.

Ou bem que comem todos ou não há moralidade que aguente.

Alcatrao2

Anúncios

Mas o Argumento (Agora) É Esse?

É curiosa a forma como alguns lobbys evoluem na fundamentação do alargamento da sua importância e peso no currículo. Garanto que nada me move contra uma disciplina que é das favoritas cá da petiza em casa e que irá gostar de continuar a ter Educação Física, independentemente da área de estudos que seguir. Acho é que vir agora dizer que os alunos não são prejudicados nas notas por terem EF no Secundário me parece esquisito. O que está em causa não é a formação “integral” do indivíduo, obrigando-o a ser são de corpo, mesmo que não de mente? Porque, repito, isto da Filosofia ser um parente pobre do currículo, até aos gregos (espartanos à parte) seria capaz de fazer confusão, mesmo se o próprio Platão defendia a Música e a Ginástica como áreas nucleares da formação dos “guardiães” da República. E nem falo de diversas outras disciplinas, na área das Ciências Sociais, das quais nem se tem um cheirinho… a menos que seja em disciplinas opcionais em poucas escolas… mas a 12 anitos de EF ninguém escapará.

Quanto ao “calendário” da aplicação da lei que está prometida e é garantida como grande conquista deste mandato, julgo que poderá estar a deparar com algumas resistências individuais e olhem que não são as minhas… 🙂 que para nada contam.

ginastica

A Carne é Fraca (Mas a Carteira…)

Sónia Fertuzinhos recebe do Parlamento subsídio de deslocação. Mas vive em Lisboa

Vieira da Silva deu 100 mil euros a IPSS presidida pela sogra

Elvira Fertuzinhos passou a receber um vencimento base em 2010, um ano depois de ter sido aprovado o subsídio para a IPSS. Mas antes disso já era presidente da instituição. Gabinete de Vieira da Silva descarta responsabilidades na nomeação dos dirigentes deste tipo de instituições.

Money

(e isto passa por ser do melhor que há por aí…)