Muito Pelo Contrário

Há quem ache que a diversificação de estratégias e ferramentas no processo de ensino/aprendizagem (sim, gosto de usar este termo… é do pouco que em mi reside de eduquês standard) é algo a ser feito apenas a pensar no interesse dos alunos e na forma de os seduzir para os conteúdos a leccionar.

Sim, concordo com isso a 50%, talvez 40%. Porque 50% a 60%, no meu caso, é para combater o meu próprio tédio, que se acumula se levar anos a fazer as mesmas coisas, da mesma forma.

(não confundir com o apoio a mudanças de programa a cada semi-mandato)

A minha adesão a muitas das novas tecnologias e programas que não passam – na expressão feliz de um colega – de variações do powerpoint com esteróides ou a ferramentas de avaliação online é uma estratégia para manter vivo o interesse em transmitir pela enementésima vez determinados conteúdos, em especial aqueles muito chatos. Sei que hã quem adore a segurança das rotinas, mas não é bem o meu caso.

Até porque o que observo de forma directa, por exemplo na aplicação dos quizzes, é que o entusiasmo dos alunos tem uma curva de crescimento limitada e um período de adesão que se reduz drasticamente se eles começarem a sentir que apenas se repete a “novidade” (tornando-a apenas uma nova rotina). Ou então que a parte mais interessante é – pasmem-se alguns teóricos da natural apetência dos alunos pelo trabalho cooperativo e desafeição pela competição – a evolução dos scores e da classificação (intermédia, final) do que acaba por ser um jogo num sentido tão competitivo como qualquer modalidade desportiva com direito a medalhas (não é por acaso que alguns dos programas investem exactamente na parte gráfica do aspecto competitivo).

Mas para perceber esse tipo de reacções e comportamentos é preciso estar nas salas de aula, dia após dia, semana após semana e observar com atenção o que se passa e ter a noção do momento em que o regresso a uma aula tradicional – mesmo que com esteróides visuais/sonoros à distância de um clique – representa uma lufada de ar fresco.

E somos nós, professores, que devemos ter a noção do que é mais adequado a cada momento ou sequência de ensino/aprendizagem (ou avaliação).

SalazarPT

 

3 thoughts on “Muito Pelo Contrário

  1. “…Sim, concordo com isso a 50%, talvez 40%. Porque 50% a 60%, no meu caso, é para combater o meu próprio tédio, que se acumula se levar anos a fazer as mesmas coisas, da mesma forma.”

    Exacto. Fugir do meu próprio tédio é fundamental.

    “…e observar com atenção o que se passa e ter a noção do momento em que o regresso a uma aula tradicional – mesmo que com esteróides visuais/sonoros à distância de um clique – representa uma lufada de ar fresco.”

    Completamente verdade.

    Gostar

  2. “E somos nós, professores, que devemos ter a noção do que é mais adequado a cada momento ou sequência de ensino/aprendizagem (ou avaliação).”

    Isto… a maçada é que não fazem senão virem-nos impingir sistematicamente uns malfadados óculos de cortiça.

    Excelente post, obrigada.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.