A Encruzilhada Habitual

As causas e razões são mais do que válidas. A “luta” mais do que se justifica e não é de agora. Mas somos muitos os que não gostamos de sentir que tudo isto é coreografado desde as autárquicas, a pensar nas próximas legislativas. Se a vontade de fazer algo mesmo muito a doer é forte? Claro que sim, mas já se sabe que toda a trela tem um limite e há um momento em que os “representantes”, como são “responsáveis”, irão decidir que já chega, que já se notam fraquezas na “mobilização”. Já passámos tantas vezes por isso que irrita ainda ter de escrever sobre o mesmo, pensar as mesmas coisas. É preciso dar força aos sindicatos para pressionarem o “governo”. Mas, porra, a maior parte dos mais aguerridos não faz parte do arco político de apoio parlamentar a este mesmo governo? Andamos aqui a brincar? Não têm andando em reuniões para cima e para baixo, com tantos elogios ao “novo clima de diálogo”, tão diferente dos tempos do outro tipo? Mas… e resultados específicos, relevantes para os professores de carreira, aqueles que andam a aguentar isto há décadas (não confundir com “conquistas” para nichos de malta amiga)? Ou é mesmo verdade que parte do próprio ME o pedido para que esta pressão seja feita, visto a sua autonomia perante as Finanças ser nula, como em tempos a de Crato ou Alçada também foi?

Sim, sentimos a razão do nosso lado, temos mais do que razões para “lutar”. Mas é impossível não sentir aquele enorme desconforto de saber que tudo isto não é uma verdadeira luta, pois o guião já foi escrito e reescrito e não passamos de figurantes a que se pede, de quando em vez, que demonstrem que ainda estão por aqui. Não consigo olhar para a cara daquela malta das “plataformas sindicais” e sentir o mínimo de empatia, de identidade de objectivos. Zero. Entre eles e os governantes formais de ocasião, venha uma qualquer ventania e não deixe nada. Estou cansado (e julgo estar longe de ser o único) a considerar que isto se tornou uma piada de muito mau gosto em que o essencial é parecer que se está a fazer qualquer coisa. Há quem diga que sem os sindicatos se estaria pior. Sim, a democracia estaria pior. Quanto à classe docente, não tenho tanta certeza. Eu não sou dos que anda a ver se agora arranjo outro tipo de alavanca, quiçá um prefácio novo.

A romaria voltou a sair do adro.

MNog

(c) Luís Costa

(é triste que os meios jurídicos da fenprof sejam usados para defender a vaidade – porque “honra” só como anedota – de certas figurinhas deprimentes…)

12 thoughts on “A Encruzilhada Habitual

  1. Fosse este um governo do PSD ( declaração de interesses votei no BE) e o que diriam os sindicatos? É uma vergonha, entalaram os sub- 5º escalões. Por mim, estou fora das greves e manifs.

    Gostar

    1. Os sub5º deverão passar a circular nas escolas com uma braçadeira, com uma estrela… agora de cinco pontas… Fazem a maior parte do trabalho ( não têm reduções), ganham metade e daí não sairão! Outros “lambuzam-se” no 10º escalão.
      A hora é de revolta! Divisionismo…? contém-me estórias….

      Gostar

  2. “Mas, porra, a maior parte dos mais aguerridos não faz parte do arco político de apoio parlamentar a este mesmo governo?”

    Agora seria apropriado trocarmos umas palavras sobre o assunto.

    Mas não há tempo nem paciência.

    Gostar

  3. Ponto!
    “BASTA PUM BASTA!
    UMA GERAÇÃO, QUE CONSENTE DEIXAR-SE REPRESENTAR POR UM DANTAS É UMA GERAÇÃO QUE NUNCA O FOI! É UM COIO D’INDIGENTES, D’INDIGNOS E DE CEGOS! É UMA RÊSMA DE CHARLATÃES E DE VENDIDOS, E SÓ PODE PARIR ABAIXO DE ZERO!
    ABAIXO A GERAÇÃO!
    MORRA O DANTAS, MORRA! )PIM!”

    Gostar

  4. FARTO!

    Após anos de carreiras congeladas há que reconhecer que a estratégia comunicacional deste governo tem funcionado no “arremesso à escola pública”. Como sempre, o PS nada aprende com a experiência.

    Na Educação o objectivo tem sido proletarizar, desgastar e desmoralizar a classe docente ao ponto de não terem capacidade de reacção e revolta. Insidiosamente, a conflitualidade e a sobrevivência impuseram-se como modo de estar nas escolas.

    Com um contexto político favorável, o que faz o PS pelos professores? Face a um Ministro sem peso político (é óbvio) e quando “a maior parte dos mais aguerridos faz parte do arco político de apoio parlamentar a este mesmo governo?” (cito), o que resta?
    Horários, gestão das escolas, e…. – “quartel general em Abrantes; tudo como dantes”. ZERO!

    Não me quilhem, pá!
    Gosto muito de ser “o meu próprio comité central” – José Afonso.

    Camané e Dead Combo – “Inquietação”

    A contas com o bem que tu me fazes
    A contas com o mal por que passei
    Com tantas guerras que travei
    Já não sei fazer as pazes

    Gostar

  5. Tens razão, não faz sentido.

    O que faz sentido é darem-nos o que queremos só porque nos vêem chateados e não nos querem desagradar. Que é como se fez todo o progresso da humanidade, como sabemos. Conseguem-se as coisas mostrando desagrado e chamando nomes a quem manda, em vez de lutarmos por elas.

    O que faz sentido é a grande maioria votar no PS e no PSD e depois exigir ao PCP e ao BE que os venham desenrascar. E a seguir votar outra vez no centrão.

    Porque a luta é uma seca, o que faz sentido é esperar o D. Sebastião numa manhã de nevoeiro em vez de lutarmos pelos nossos interesses e defendermos os nossos direitos.

    Gostar

    1. Explica-me lá uma coisa que eu não percebi: entre o final de 2015 e o momento presente, porque D. Sebastião esperou o MNogueira?
      E, já agora, o que fizeste tu em conformidade com essa teoria da “luta”?

      Um detalhe: porque raio continua a maioria a votar nesses partidos? Será a “ileteracia” política de que fala outra comentadora?

      Quanto ao progresso da Humanidade, como sabemos, foi feito em grande medida com base em depurações, gulags, guilhotinas e terrores diversos lançados sobre quem decidiu discordar da “linha certa”.

      Por fim… sugiro que proponhas aos elementos do teu sindicato que nas manifestações não exibam cartazes ou palavras de ordem a ofender governantes (pela experiência comum, o destemperamento verbal é a marca d’água de certos “lutadores”). A bem da coerência.

      Gostar

      1. Já agora, António, diz-me se a “luta” para ti é apenas quando carregam no botão e te mandam avançar. Ou seja, abdicas do teu pensamento e da tua acção individual, delegando todo o poder de decisão aos “representantes” infalíveis?

        Pessoalmente, sou carneiro apenas de signo.

        Gostar

  6. Interessa-me pouco voltar a velhas e estéreis discussões.

    Aquilo que faço, profissionalmente, em conformidade com o que penso e defendo publicamente, está à vista de todos aqueles com quem trabalho e não é matéria para exposição pública nem pretexto para protagonismos que nunca ambicionei.

    Quanto ao pensamento próprio sobre os diversos temas, educativos e não só, é público desde há dois anos e meio. Quem quiser que leia e ajuíze.

    De resto, cada um vota onde quer e cada um saberá das suas razões. Apenas sublinhei a extrema coerência que há em votar nuns e pedir contas a outros.

    Finalmente, como não quero ser sindicalista, e sei que a quase totalidade dos que legitimamente criticam os sindicatos que temos também não o desejam, sou adepto de uma relação mais profícua e menos doentia com as únicas organizações que representam a classe docente. Mas respeito a opinião de todos, incluindo a dos que, pela quinquagésima vez, anunciam que irão rasgar o cartão do sindicato…

    Gostar

    1. Não votei psd nem ps.
      Quando envio email’s aos deputados de todos os quadrantes, (sou mesmo incoerente), só obtenho respostas dos do PS.
      Peço contas a quem?

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.