2ª Feira

Estamos na semana anterior à greve por regiões decretada por um grupo der sindicatos de professores. Pessoas que sabem mais disto do que eu, afirmam que é assim que as coisas se fazem: acumulação de razões de insatisfação (não reposição do tempo perdido, vagas draconianas para acesso a escalões com quotas, concursos meio manhosos, etc), o que potencia a mobilização e proximidade de um acto eleitoral (legislativas), o que propicia a capacidade de pressão política. É esta a forma como os apoiantes das parcelas mais à esquerda da geringonça apresentam as coisas, para os mais de dois anos de remanso e para a sua hiperactividade actual, garantindo que eles é que sabem como as coisas são em matéria de “luta” e de “vitórias” alcançadas com estratégias de fundo e tácticas de excelência.

Qual a falha desta lógica?

Neste momento, o PSD abriu todas as vias para viabilizar um governo do PS sem necessidade do PCP e do Bloco e basta-lhe abster-se para qualquer medida que o Governo considere pouco oportuna cair pela base. Ou seja, a capacidade de “pressão” à Esquerda começa a tender para o zero. O Rio foi para líder do PSD exactamente com a missão de ajudar a conter qualquer tipo de “excessos” por parte dos “radicais” (para além daquela coisa mítica das reformas estruturais e da outra bem mais pragmática do acesso aos fundos europeus).

Em meu escasso entendimento, nascido de uma visão muito limitada em termos de “literacia política”, estamos praticamente entalados e, como há pouco tempo me interroguei, só é preciso saber quantos por cento de greve valem uns meses de recuperação de tempo de serviço, um pouco à imagem do que se passava na segunda metade dos anos 90, com as décimas de aumento salarial.

Magoo2

Quem Diria que Ainda Teríamos Saudades das Vagas Para Titular?

Mais um evento contribuinte da degradação profissional

 

Não quero pensar no assunto porque senão fico muito alterada psicologicamente”. Esta é atitude psicológica defensiva mais frequente que os/as profs estão a utilizar para enfrentar a GIGANTESCA injustiça que foi e está a ser feita na carreira profissional. E o contexto da afirmação está relacionado com a impossibilidade efetiva de milhares de profs. jamais progredirem na carreira remuneratória para além de um determinado escalão (que na contabilidade mais otimista, não será acima do 6º escalão). Com o anúncio de:
bul
– 133 vagas(!) para o acesso ao 5º escalão e 195(!) para o 7º escalão (em 2018),
 que há 14 mil professores no 4.º escalão à espera de transitar para o 5.º e 8 mil parados no 6.º escalão (janeiro 2018- jornal Público, dados do governo), e pressupondo que anualmente o número de vagas disponível é aproximadamente constante, com uma operação matemática simples é fácil constatar que muitos milhares de profs. vão atingir a (teórica) idade da reforma ainda ‘estacionados’ no 4º ou 6º escalões…!
.
A GIGANTESCA injustiça verifica-se porque existem grupos de profs. que passaram incólumes pela tormenta, chegando aos escalões acima do 7º, e outros que lhes foi coartada definitivamente essa possibilidade. Uma primeira consequência será o aumento de crispação nas escolas, promovendo a divisão entre os profissionais (que beneficia o ME em termos negociais) porque os profs prejudicados terão menos motivação e consequente disponibilidade para assegurar determinadas tarefas escolares, pressionando os profs com salários mais altos a assumir essas tarefas (a maior salário corresponde mais trabalho, o principio do capitalismo…). Outras consequências na escola mais subtis podem-se revelar no zelo do desempenho, disponibilidade para voluntarismo, qualidade e quantidade de atividades, maior conflitualidade com a comissão de avaliação de desempenho (que determina os percentis das classificações ‘Muito Bom’ e ‘Excelente’ que permitem ficar isento da dependência de vagas para acesso aos escalões), menos investimento na formação profissional (redução nos custos na aquisição de materiais didáticos, tecnologia, bibliografia, etc.) ou pessoais, como na diminuição do poder de compra e respetiva qualidade de vida e valor da pensão de reforma (caso ainda exista…).
.
O que está garantido, é que tal como aconteceu em 2008, ainda vai piorar mais a dinâmica ambiental escolar, o que resulta na diminuição do trabalho colaborativo e numa menor (e pior) capacidade de resposta da instituição.
.
Mário Silva
Nutty