5ª Feira

Atrás do regresso do zeitgeist educacional da flexibilidade, autonomia, perfil de competências, metodologia de projecto, transversalidade e porosidade dos saberes e toda a parafernália zen e new age muito em moda há um quarto de século, eis que parece já por aí o discurso em torno da “abordagem holística” dos alunos e do seu desempenho.

Abordar o aluno/criança/jovem como um todo, não o fatiando disciplinarmente é uma abordagem estimável e com alguns pontos claramente meritórios em termos filosóficos. Restam é alguns (muitos?) problemas práticos do lado de quem defende essa abordagem e – deduz-se – se acha com competência para dar “formação” e tudo para quem quiser seguir essa perspectiva. O primeiro, constatado ao longo do tempo em primeira mão, é que essa abordagem unificadora, do todo humano, raramente é aplicada pelos seus defensores a quem discorda deles nem que seja com moderada cortesia. Quem discorda é, em regra, um tapado de ideias, uma espécie de criatura que ainda não encontrou a Luz. Como todas as abordagens “unificadoras”, a holística não gosta de deixar espaço para mais nada. O segundo, de natureza nem mais comezinha, passa por se perceber como é que a coisa se implementa quando mais de uma pessoa envolvida na “avaliação holística” dos alunos e que passa pela questão da individualidade. No caso d@s professor@s será que tod@s terão a mesma visão sobre o aluno? Ou deverão tod@s ser formatad@s previamente? A visão do aluno é naturalmente similar – mais ou menos diferenças menores – para toda a gente, independentemente das relações específicas estabelecidas ou somos uma espécie de colectivo unificado global em que a energia flui e as opiniões confluem de forma naturalmente concordante?

O meu problema com a “abordagem holística” dos alunos como estratégia que pretensamente pretende valorizar a sua individualidade é que acaba por, de forma indirecta, pressupor uma espécie de dissolução da individualidade dos adultos em presença, a menos que aceitem de forma acrítica e apática aquela que é uma visão entre outras. Como todas as derivas colectivistas, melhor ou pior intencionadas, são mais perigosas do que parecem, pois acabam por querer promover, nem que seja de forma inconsciente, uma espécie de indiferenciação, quando afirmam exactamente o seu contrário.

NewAge

2 thoughts on “5ª Feira

  1. O que querem mesmo são passagens administrativas à laia do 25 de abril. Tudo bem. Mas então assumam. Não façam chantagem sobre os professores. Tenham vergonha na cara e não alimentem todo o tipo de pressões sobre os professores.

    Não há ninguém que me obrigue a dar uma nota que eu entenda que não seja a correcta, face ao trabalho realizado e aos critérios aprovados e aplicados. Ninguém mesmo. A não ser que seja uma ordem de superior hierárquico, mas, ainda assim, terá de a dar por escrito.

    O problema mesmo dessa malta é que a classe dos professores deve ser das poucas que não é corruptível. Isto não é o futebol. Isto não são os bancos. Isto não são os tribiunais. Já apareceu alguma notícia sobre um qualquer professor que tivesse dado notas a troco de favores ou dinheiro?Enganaram-se. Querem vergar-nos, mas manter-nos-emos de pé. Orgulhosamente congelados, enxovalhados, amesquinhados, chantageados e mais uns tantos “ados”, sós. Mas ainda com um pingo de decência para os mandar dar banho ao cão.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.